Cliente 46 – “O Executivo”

Esse chegou até mim de uma forma diferente que os demais. Não foi pela internet, foi ao vivo mesmo. Quando eu estava no hotel aguardando o cliente 41  (o atrapalhado) ele me viu lá, e diferente daquele outro rapaz que me abordou, pediu que o recepcionista conseguisse meu telefone. Um senhor elegante, lembro dele me olhando, mas foi tão sutil que nem imaginei que tivesse se interessado por mim rs. No dia seguinte ao dia que fui no hotel, ele me envio uma mensagem dizendo que tinha me achado muito linda e que queria me conhecer melhor. Trocamos algumas mensagens mas agendamos de fato quando me ligou. Durante a ligação percebi que estranhamente em nenhum momento perguntou quanto era meu cachê e como era meu atendimento, agendou sem se informar dos itens mais importantes! Assim que desligou, logo em seguida lhe enviei uma mensagem falando a respeito disso e ele me ligou de volta (não era muito de falar por mensagem) pedindo então que eu dissesse, mas se percebia que perguntava mais pela meu questionamento do que por interesse próprio. Quando falei que não fazia anal e nem finalizava no oral, ele não se importou, apenas perguntou: “mas você gosta de chupar? Faz oral sem camisinha?” Respondi que sim para as duas perguntas e quando falei do cachê, ele deu uma grande esnobada! Disse que o valor era mixaria e que eu estava cobrando muito barato! Oi??! Me senti um pouco ofendida por menosprezar meu cachê, mas não demonstrei nada na ligação, ele dizia que ia me pagar mais do que eu cobrava pois o valor era muito baixo. 😮 Estranhei bastante, primeira vez que vi alguém reclamar de estar barato rs. Agendamos para dali uma semana. Ele me enviava mensagens pelo menos uma vez por dia para que eu não esquecesse do nosso encontro. Me orientou que se eu chegasse antes já pegasse o quarto (especificou dois quartos que tinha preferência) pois em hipótese alguma queria que eu ficasse esperando na portaria. Como acabei chegando antes, o obedeci e esperei confortavelmente deitada na cama, ouvindo a música que tocava no rádio.

Quarto 231. Ele chegou pontualmente, todo falante! Assim que entrou antes de me cumprimentar já falou para eu acertar o relógio rs. Achei que ele já fosse querer começar, mas foi bem tranquilo, me abraçou e me deu alguns selinhos, depois se sentou na cadeira (após tirar seu paletó) me pediu para me sentar também e por um instante achei que fosse participar de uma entrevista de emprego rs. Ele começou a tirar algumas coisas do seu bolso enquanto conversava e pude perceber que se tratava de cachimbo, fumo e isqueiro. De maneira paciente preparou seu fumo e me perguntou se tinha algum problema em fumar ali comigo, respondi que não e continuamos conversando. Ele me elogiava incansavelmente, dizia que eu tinha uma beleza exótica, que eu estava muito elegante, que meu olhar era fatal, […] não sei como não se cansava de me dispensar tantos elogios rs. Me explicou que era voyeur e que seu lance era assistir as pessoas se pegando. Por um momento fiquei sem saber o que fazíamos ali então, e cheguei a cogitar a possibilidade de chegar mais alguém! Kkkkk. Percebi que ele não se agradou quando eu disse que me divulgava pela internet, dizendo achar a internet “muito agressiva”, mas por onde mais eu me divulgaria se 90% do meu dia é voltado para coisas civis? Rs. Determinado momento da conversa (ele já estava fumando à essa altura) me pediu para me aproximar mais, que eu estava muito distante e eu, obediente como sou coloquei minha cadeira mais perto 😉 ele pegou minha mão e a colocou no seu pau (por cima da calça) me pedindo que o deixasse duro, assim o fiz e logo o deixei somente de cueca. Após um tempo alisando seu pau me abaixei para começar a chupá-lo e terminar de endurecê-lo na minha boca, era bem limpinho e o chupei com gosto. Diversas vezes me pedia para chupar mais devagar e repetidas vezes e escandalosamente sempre que o chupava ou roçava seu pau na minha xana, ele gritava: “ai amor!” e “que gostoso amor!” dizia bem alto mesmo, acho que se alguém passasse no corredor naquele momento ouviria tudo rs, a princípio achei bastante forçado, mas com o tempo percebi que devia ser o jeito dele mesmo. Após um bom tempo ali na cadeira, ele me direcionou para a cama, lá o chupei ainda mais mas também revezava com seu pau roçando na minha xana, ele exclamava sempre daquela mesma forma: “ai amor!”, “que delícia amor!” e reclamou um pouco por eu não fazer o mesmo, me achava muito quieta (mas nessa parte sou bem discreta mesmo, costumo gemer somente quando estou transando). Ficamos um bom tempo fazendo isso, eu me masturbei nesse momento onde acabei gozando (afinal não sou de ferro rs). Algumas vezes enquanto eu fazia essas coisas ele fumava seu cachimbo mesmo deitado. Depois se levantou da cama e me pediu que o chupasse ao lado do espelho, colocou um travesseiro no chão para que eu ajoelhasse e ficou me olhando pelo reflexo enquanto fumava e gemia alto (dizendo aquelas mesmas frases rs).

Depois falou que queria me comer e pegou a camisinha. Veio por cima no ppmm, metia bem devagar (disse que estava se segurando para não gozar). Eu tentei instigá-lo a meter mais rápido, pois sinto maior tesão com a pressão e velocidade, mas ele não se deixou levar rs. Meteu por um bom tempo devagar e depois ainda de pau duro retirou o pau, alegando que não queria gozar para não perder a graça. Voltou para a cadeira onde fumou mais um pouco. Depois voltamos para a cama e recomeçamos daquela maneira, onde eu chupava e roçava seu pau. Depois transamos de novo e ele ficou me pedindo para gemer alto (do jeito que mais repudio por achar falso) mas como quem mandava ali era ele comecei a gemer bem alto. Depois de um tempo no ppmm ele pediu que eu ficasse de quatro, o que me deixou com muito tesão! Comecei a me masturbar de novo e gozei pela segunda vez! 😛 Depois que gozei, ele tirou o pau anunciando que não iria gozar (seu pau permanecia duro). O questionei do por que e ele se esquivava da resposta! Fiquei encucada e o enchi de questionamentos até que me respondesse rs, ele explicou que poderia ter que dar um “trato” na esposa quando chegasse em casa (sei rs).

Após isso fui tomar banho, ele disse que não poderia tomar banho também pois a mulher sentiria o cheiro diferente do sabonete do hotel. Enquanto me banhava ele ficou sentado na cadeira ainda fumando. Quando terminei, ele pediu que me sentasse na cadeira nua (teve o cuidado de forrar a toalha para que eu não sentasse direto nela) pois queria ficar me olhando. Não fiquei muito tempo sentada pois o tempo já havia acabado e achei que já iríamos embora. Disfarçadamente após um tempo me levantei para pentear o cabelo e já comecei a me vestir, ele percebeu que eu estava me preparando para ir embora e aos poucos foi se vestindo também, me abraçava algumas vezes e mesmo após se vestir sentou para fumar mais e ficava mexendo no seu pau por cima da calça, como se quisesse mais. Eu ignorei a cena, pois pelo que me lembrava havíamos fechado apenas duas horas e fui até o banheiro retocar a maquiagem. Demorou ainda alguns minutos até que de fato saíssemos do quarto pois mesmo vestido ele se prolongava fumando e mexendo no pau. Quando ele me pagou, compreendi que deveria até ficar mais se ele quisesse, pois me pagou o DOBRO do meu cachê!! 😮 Não entendi o motivo de tanta generosidade, e me lembrei do seu esculacho quando falei o valor, realmente me pagou bem mais do que eu cobrava. 😮 Para completar sua generosidade, ele se ofereceu para me pagar um táxi, pois achou meu vestido muito curto para andar no metrô, fiquei super sem graça (já estava sem graça pelo cachê) mas acabei aceitando. Descemos até a recepção com ele ao meu lado e antes de ir até o balcão acertar o quarto, pediu um táxi para mim, me deu uma outra quantia para pagar o taxista e somente após me colocar dentro do carro foi acertar a estadia. Não fui até minha casa de táxi pois moro longe rs, então pedi que me deixasse na estação que pego um ônibus direto. Disse que vai querer sair comigo toda semana! Hummmm. 😛

Um comentário em “Cliente 46 – “O Executivo”

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.