Meu Corpo, Meus Traumas e Prazeres…

Querido diário…

Hoje estou aqui para compartilhar algo muito íntimo do meu passado. Algo que pouquíssimas pessoas sabem e que, com o passar dos anos, até eu tinha me esquecido. Estava eu assistindo a “Sex Education” há alguns dias (uma série da Netflix que retrata, de maneira leve e descontraída, os problemas sexuais que os jovens podem ter quando estão se descobrindo sexualmente) e quando cheguei no último episódio da primeira temporada, me deparei com algo que me identifiquei na hora. Até me emocionei enquanto assistia e agora, dias depois, resolvi falar sobre. Quem sabe assim também ajudo outras mulheres ou casais que venham a passar por esse mesmo problema?

Por ser um tema muito complexo, a solução apresentada na série foi bastante superficial. Não foi daquela maneira que resolvi e não sei se alguma mulher conseguiria resolver daquele jeito. Mas, de qualquer forma, valeu a tentativa ao pincelarem por esse assunto.

Agora vou contar um pouco da minha experiência, mas, se prepare que o post ficou gigante! Rs.

Como tudo começou…

Tive o meu primeiro namorado aos dezenove anos. Claro que, antes dele, houveram algumas tentativas de perder a virgindade (apenas duas, para ser mais específica), tentativas essas sem sucesso em que atribuí o fracasso a inexperiência do outro – um deles também era virgem – ou a incompatibilidade do lugar escolhido – com outro não estávamos numa cama – .

No entanto, quando comecei a namorar, no decorrer dos meses tentamos de várias maneiras possíveis e eu não conseguia, de jeito nenhum, suportar aquela dor da primeira penetração. Eu sabia que a primeira vez poderia doer, mas era uma dor DESCOMUNAL. E o mais bizarro de tudo: numa dessas tentativas acabou rolando naturalmente o sexo anal. Estávamos deitados de ladinho, ambos no maior tesão, tentando mais uma vez. De repente, com jeitinho, foi entrando só na saliva. Ele não tinha percebido onde tinha entrado realmente e soltou essa: “Nossa, está tão apertado que parece um cu”. Bobinho… estava no cu rs. Ficamos tão felizes e ao mesmo tempo tão esperançosos depois desse episódio, acreditando que conseguiríamos na frente, uma vez que atrás, que é o mais difícil, deu certo, mas, longe disso. O sexo vaginal continuou sendo um desafio impossível.

Quando chegamos à conclusão que definitivamente não conseguiríamos sozinhos, decidi buscar ajuda médica. A primeira ginecologista que passei, disse que eu devia ter o hímen muito colado e que talvez fosse preciso fazer uma cirurgia para rompê-lo. Algo que não me agradou em nada. Que mulher quer perder a virgindade assim? Eu queria que fosse especial, com o meu namorado, algo romântico.

Mas, se eu achava isso ruim, ficaria ainda pior. Não contente, passei com diversos ginecologistas especializados para ter mais de uma opinião e infelizmente todos diziam a mesma coisa: Eu realmente teria que fazer a tal cirurgia para poder deixar de ser virgem. Eu só precisava ser examinada por um último especialista para que finalmente liberassem o procedimento. Entrei em sua sala e contei as recomendações que tive dos médicos anteriores até chegar ali. Assim que terminei de falar, me pediu para tirar a parte de baixo e deitar na maca que iria me examinar.

Assim que ele tocou na minha vagina, estremeci, com medo do quanto aquilo poderia doer. Ele tentou mais uma vez e novamente tremi, sobressaltada com o seu toque. Com apenas isso, num milésimo de segundo, ele diagnosticou o meu problema. Pediu que eu me levantasse, me vestisse e após me sentar de volta na cadeira à sua frente, sentenciou que não seria uma cirurgia que resolveria o meu problema. “Você viu como eu nem te toquei direito e você já travou? Você mesma que trava sua vagina. O nome disso é Vaginismo.”

Vaginismo

Eis aí uma palavra que nunca irei esquecer. Uma doença psicológica que até então eu nem sabia que existia. De repente, a ideia da cirurgia para romper o hímen não me parecia mais tão ruim assim. 😅

Saí da sala aos prantos, sem ter entendido direito o que eu tinha. Liguei chorando para o meu namorado e juntos, mais tarde, através de pesquisas na internet, descobrimos o que era exatamente: Uma contração involuntária do músculo da vagina. Por que doença psicológica? Porque apesar da minha vontade de transar, o meu subconsciente não me permitia por algum trauma ou crença.

Por exemplo, se meus pais fossem extremamente religiosos, que tivessem me criado com a convicção de que eu teria que me casar virgem, meu subconsciente poderia adotar aquilo como regra e assim me impedir de transar. Ou também, se eu tivesse sofrido algum abuso ou estupro na infância, meu subconsciente novamente me impediria de transar, no intuito de me proteger.

Refleti bastante sobre essas duas possibilidades. Minha mãe sempre conversou comigo sobre sexo desde que eu era criança. Ela dizia: “Remédio serve para evitar filho e camisinha para evitar doença”, é o que ela sempre repetia, mesmo eu não sabendo o que era sexo exatamente. 😅 Então religião ou família muito conservadora não poderia ser a causa. Quanto ao estupro, bem eu nunca tinha sido estuprada, mas peraí… Lembrei de uma situação… 🤔

Trauma de infância?

Me forcei a pensar em qualquer situação sexual que eu pudesse ter vivenciado na infância. Daí me lembrei de algo…

Quando eu tinha cinco anos, moramos de aluguel por um tempo em determinada casa. Se tratavam de duas casas no mesmo quintal. A dos donos ficava nos fundos e a nossa na frente. Os donos eram um casal de idosos que tinham três filhos. Um deles era bastante amoroso comigo e consequentemente me afeiçoei muito a ele. Afinal, qual criança não gosta que um adulto lhe dê total atenção? Ele brincava que era meu “namorado” e ninguém (nem mesmo eu) via qualquer malícia nisso.

Ele deveria ter uns vinte e cinco, não era moleque, mas também não era velho, me lembro que tinha boa aparência e era jovem. Seu nome era Márcio. Eu também gostava dele, mas, às vezes me incomodava o seu grude e excesso de atenção. Numa outra memória, lembro de estar em pé em algum cômodo da minha casa, com ele atrás de mim. Eu estava sem a parte de baixo e ele tentava introduzir algo no meu corpo. Não lembro de ter visto seu pênis, sequer lembro de como fomos parar naquela situação. A única coisa que me recordo claramente é que senti uma dor atrás (tenho quase certeza que ele tentou um sexo anal), eu reclamei com ele que, seja lá o que ele estivesse fazendo, estava doendo. Ele então parou e não insistiu mais. Nos mudamos daquela casa em algum momento e nunca mais tive contato com ele.

O fato dele não ter tentado continuar a força, me fez pensar que talvez isso não fosse um estupro e assim fui vivendo a minha vida, mantendo essa confusa lembrança arquivada. Só voltei a pensar nisso quando o médico disse as possíveis causas de um vaginismo. Engraçado que, quando contei o ocorrido para a minha mãe, após passar com o médico, ela se chocou, obviamente, e então rebateu: “Mas você adorava ele! Ficava dizendo para todo mundo que ele era seu namorado!”

Eu dizia?

Seria essa a causa do meu vaginismo? Mas então como eu consegui fazer sexo anal primeiro, se pelo que me lembrava foi exatamente por trás que ele tentou me penetrar?!

Mistérios do subconsciente… 

Tratamento

Meu namoro ficou bastante turbulento nesse período. Comecei a passar com psicólogas, mas em nada ajudou. Elas apontavam o meu namorado como um dos responsáveis pelo meu problema, por “não saber lidar com a situação”. O que o deixava furioso, fazendo com que buscasse tratamentos alternativos pela internet em fóruns sobre o assunto. Além do que, ele achava o cúmulo alguém jogar a culpa do MEU problema em cima dele.

Teimosamente resolvi passar com outro ginecologista, já sabendo do vaginismo, para ver se me indicava algum tratamento mais prático, além das sessões com um psicólogo. Ele então me pediu que tirasse a calcinha e deitasse na maca. Era um boliviano bonitão, que atendia num escritório próprio, na rede credenciada do meu convênio médico.

Ele então começou a enfiar seus dedos na minha vagina e os rodava, dizendo que aquilo serviria como dilatação da região para uma futura penetração. Santo pai, como aquilo doía!!! 😖😖😖 Quando finalmente terminou, passou a mão no meu queixo e perguntou se eu estava bem. O achei atencioso demais, mas, com receio de ser apenas uma interpretação errada da minha parte, acabei repetindo o procedimento alguns dias depois, conforme sua orientação.  

Na segunda vez a dor ainda era a mesma e novamente quando terminou, se comportou de forma bastante carinhosa, me abraçando! Eu sempre ia nessas consultas sozinha e desconfiei que numa terceira vez ele pudesse tentar beijar a minha boca. Não quis pagar para ver e nunca mais voltei lá.

Meu namorado sabia mais do meu problema do que eu mesma. Me explicou que após muita pesquisa pela internet em fóruns sobre o assunto, descobriu um tratamento com dilatadores vaginais. Mas, antes de comprarmos o tal kit, ele teve a ideia de, primeiramente, eu mesma começar a tocar no meu próprio corpo.

Fomos juntos numa farmácia e me comprou uma caixa de luvas descartáveis para que, todo dia, eu tentasse introduzir meu próprio dedo dentro de mim. Coisa que eu detestava fazer. Sua insistência diária me incomodava tanto, que uma vez lhe joguei na cara que só estava interessado em me comer e ele rebatia que se fosse por isso, teria me largado faz tempo, já que não estava conseguindo.

Comecei com um dedo e após conseguir enfiá-lo, recomeçava com dois. Eu fazia isso durante a semana e nos finais de semana, quando meu namorado vinha me visitar, tentávamos transar. Nosso relacionamento passava por uma situação bastante delicada, pois ele estava cada vez mais impaciente. Reclamava que eu não estava me empenhando nos exercícios o suficiente, pois, parecia que estava enfiando seu pau num muro de concreto, já que não entrava de jeito nenhum, só escorregava para os lados. O sexo anal também já não supria mais, pois eu só aguentava uma vez por fim de semana e ele não se satisfazia com apenas uma transa no dia.

Certa vez, após mais uma tentativa sem sucesso, ficou tão nervoso que se levantou da cama bruscamente e deu um soco violento na parede! Me assustei muito, nunca  tinha o visto tão descontrolado. Resultado: quebrou o dedo mindinho. Corremos para o hospital mais próximo, ele teve que engessar a mão e eu tive que lidar com as suas reclamações. Ele dizia que a culpa de tudo aquilo era minha, por EU não funcionar. Como se eu fosse um eletrodoméstico com defeito. Não sei porque não terminei com ele ao ouvir isso. Cinco anos mais nova, primeiro namorado, me deixei ser manipulada de tal maneira que eu mesma me sentia culpada por toda aquela situação.

Então, quando finalmente deu certo, não senti nenhuma emoção com o evento. Só pensava: “Ufa, minhas enfiadas de dedo surtiram efeito”. Sequer guardei a data. A minha primeira vez acabou não sendo especial quanto eu queria que fosse de tão pressionada que me sentia em tempo integral para que aquilo desse certo. No dia seguinte, quando fomos transar de novo, não tivemos o mesmo sucesso da noite anterior e novamente tive que ouvir os resmungos dele, que não aceitava que àquela altura houvessem regressos.

Mas, claro que ele já não estava mais com tanta paciência. Ficávamos juntos somente aos finais de semana e eu não conseguia fazer sexo anal mais de uma vez. Ele era um homem cinco anos mais velho, que, ao contrário de mim, não era virgem e tinha as suas necessidades. Sem contar que, desde o princípio, ele não gostou nada de saber que eu era virgem, pois, segundo suas próprias palavras, sabia que “isso” lhe daria trabalho.  – E eu achando que o homem se sentia honrado quando a moça era virgem. – Mal sabia ele, que o trabalho seria ainda maior do que o que ele imaginava. 😅

Vencendo o Vaginismo

Aos poucos, nossas transas foram sendo mais bem-sucedidas. Mas, eu não conseguia sentir prazer nenhum durante as penetrações. Eu me masturbava, achava que estava gostando, quando, na verdade, eu estava enganando a mim mesma. Não era possível que aquilo era o prazer sexual que todos falavam. Quanto tempo mais demoraria para eu começar a achar aquilo incrível? Em tudo que eu lia a respeito, dizia que a partir da terceira transa as dores davam lugar ao prazer, mas, de maneira alguma isso acontecia comigo. Passaram-se meses, até que cheguei à conclusão que o problema deveria ser eu. Vai ver eu que não gostava de sexo afinal. 🤷🏼‍♀️

Porém, antes de decretar o meu fracasso sexual, determinei que precisava fazer uma última tentativa para saber se o problema era eu ou o meu namorado. Eu precisava transar com outra pessoa. Mas, como poderia se eu namorava com ele? Nosso relacionamento tinha pouco tempo (em torno de um ano e pouquinho) e ainda não tínhamos definido que seria aberto.

A oportunidade surgiu! Brigamos e saí para a balada com uma amiga. Essa minha amiga era muito popular e tinha uns amigos gatos endinheirados. Dois deles tinham casa no condomínio Arujazinho (que pelo que soube se tratava de um condomínio caro) e nos convidaram para um churrasco no dia seguinte. Saímos da balada quando o dia já tinha amanhecido e passamos na casa dela – de carona com eles – , só para pegarmos algumas coisas.

Particularmente eu não estava muito afim de ir, por dois motivos: primeiro que estava cansada, não tinha o costume de virar a noite daquele jeito; segundo que eu sentia que a minha vida não era aquela, de baladas e churrascos. Tentei convencê-la a não ir, pois preferia que dormíssemos e depois assistíssemos um filme, mas, ela estava tão empolgada e irredutível que não quis deixá-la ir sozinha.

Chegando lá, o churrasco aconteceria só mais tarde e todos se ajeitaram para dormir. Minha amiga sumiu com um dos carinhas e eu fiquei sozinha com esse, que, por acaso, era o dono da casa em que estávamos (ele devia ter uns trinta e poucos anos). Nós havíamos trocado algumas palavras durante a balada e ele pareceu ter se interessado por mim. Conversamos a respeito de assuntos diversos e eu sabia que em algum momento ele tentaria me beijar, só me restava decidir se corresponderia ou não. 

Durante esse curto espaço de tempo em que flertávamos, refleti rapidamente e vi nele a grande oportunidade que eu precisava para testar se eu gostava de sexo. E quando aconteceu de nos beijarmos, não freei suas passadas de mão, até que conforme foi esquentando, me pegou no colo e me levou para uma imensa sala de cinema. Pois é, ele tinha sala de cinema dentro da própria casa rs. 🤭

Continuamos com os amassos, ele colocou o pau pra fora e comecei a chupar, totalmente envolvida com o momento. Ele também me chupou, mas eu só estava interessada no evento final. Estava explodindo de tesão e não aguentava mais esperar! Não usamos camisinha e também não me recordo a posição exata da sua primeira entrada, só lembro que não senti uma dor sequer! Quando ele me colocou de joelhos na poltrona da primeira fileira e me pegou de quatro, senti uma sensação indecifrável de prazer! Me sentia uma vagabunda por estar transando com um estranho naquela posição, mas, ao mesmo tempo me sentia ótima por isso! Até então nunca tinha sentido nada daquilo transando com o meu namorado. Pude então concluir, com grande alívio, que o problema não era eu. Eu gostava de sexo, demais até!

Ele não chegou a gozar, pois, fomos interrompidos por um de seus amigos que apareceu sem aviso prévio na sala e nos pegou no flagra em pleno ato sexual. (Me senti super constrangida por isso.) Alguém estava o chamando no portão para avisar que o churrasco havia começado e como não tínhamos ouvido, esse amigo veio lhe avisar.

Após o pessoal ir na frente, percebi que ele queria voltar a transar, mas, sutilmente me esquivei, falando que também já queria ir para o tal churrasco. Eu já havia concluído o meu teste e apesar de ter sido muito bom, aquela interrupção me tirou do clima. Ele não insistiu e então fomos em seu carro para a casa desse outro amigo onde a minha amiga também já estava. Ele deve ter me achado uma qualquer por ter transado com ele na maior facilidade – ainda sem preservativo – , tendo o conhecido em menos de 24 horas. Mas, mal sabia ele que era nada mais, nada menos que o segundo homem que eu transara em toda a minha vida.

E o namoro?

Não terminei com o meu namorado (anos depois, somente). Ele acabou descobrindo a minha pulada de cerca, mas, relevou (até parece que ia largar o osso tão fácil depois de todo o sacrifício que foi para conseguirmos transar rs). Contudo, transar com ele nunca foi 100% gostoso para mim, pois, de fato, as características do dote do seu parceiro influenciam (e muito) no seu prazer.

O dele era grande demais para a minha menina. Grande tanto no tamanho quanto na grossura e só quando tive a oportunidade de fazer com outro, que pude comparar. Sem contar que, por conta de todo o estresse que passamos durante o processo do meu vaginismo, meu tesão por ele diminuiu consideravelmente. Como manter o tesão por alguém que só te pressiona e por vezes te trata mal?

Contudo, reconheço que ele aguentou bastante coisa ao meu lado. Estaria sendo injusta se dissesse que ele foi um péssimo namorado, pois, tudo que aconteceu também foi novidade para ele e na medida do possível deu o seu melhor. Ainda estávamos juntos quando entrei nessa profissão. Ele me apoiava inclusive, mas, estou falando demais… isso já é assunto para outro post… 😉

Eu, Tu e Ela

Ahhh… essa foi a primeira vez que me vi do outro lado. Não o lado da acompanhante, mas, sim, o da “acompanhada”. O lado da que divide o seu homem com outra. A que cede a curiosidade interior e se permite experimentar. E agora? Será que vai funcionar? Será que vou me frustrar? É o tipo de experiência que só vivendo para saber. Estaria mentindo se dissesse que não gostei. Gostei sim, é claro. No entanto, é praticamente impossível, nessas situações, não surgir o menor átomo de ciúme. E o meu surgiu quando eu menos esperava.

O primeiro round foi incrível. A garota era linda, também me excitava e era muito safada. Eu e ele sempre nos demos muito bem na cama e ela embarcou na nossa energia. Perseguida com perseguida, rolou aquele encontro das flores. Sequer me enciumei ao vê-lo penetrando outra, pelo contrário, aquela visão foi plano de fundo das minhas siriricas solitárias. O segundo round que foi punk, me arrependi de ter fechado duas horas, pois, naquele momento, o queria só para mim.

Sabe quando você sente que a brincadeira foi boa, mas que já basta? Então, eu não queria continuar. Mas, infelizmente, a continuidade foi algo inevitável e segui com o script, ainda que eu quisesse rasgá-lo e jogá-lo fora. Mais do que isso, queria que o meu homem adivinhasse os meus pensamentos por telepatia. No  entanto, está para existir um hétero capaz dessa proeza ainda rs. Será que dos casais que já atendi, também rolou esse conflito interno com as mulheres? 🤔

É… ménage à tróis não é para qualquer um não. Contudo, de fato ajuda os casais, porque o ciúme apimenta. Vê-lo com outra foi gostoso e estranho. Gostoso até certo tempo e estranho como um todo. Me fez ver o quanto gosto dele e o quanto quero aquele brinquedo só para mim. Gozando só comigo, beijando somente a minha boca, tocando só o meu corpo. Será que sou possessiva? Ou apenas uma grande egoísta, por não querer dividir o meu doce com mais ninguém? E que doce… me lambuzo toda nele. 😏

Se eu repetiria? Quem sabe daqui um zilhão de anos, quando o romance estiver desgastado? Quando ambos nos esquecermos do quão sensacional éramos juntos ou quando a paixão entre nós for apenas uma lembrança turva em nossos pensamentos? Só sei que, no atual momento, prefiro apenas compartilhar o que é dos outros a dividir o que é meu outra vez. 

Se alguma mulher que já fez ménage à tróis – com outra mulher junto – , estiver lendo isso, por favor, me deixe saber o que sentiu também? Para o homem sei que é maravilhoso estar com duas mulheres, mas, e para a mulher? Como é dividi-lo? Tirou de letra?

 

Nota da autora: Ménage à tróis é uma experiência única na vida de um casal. A perspectiva que tive com a minha própria vivência, não quer dizer que seja essa a minha visão em relação aos outros casais que já fizeram ou que me procuram para isso.

 

A Maldade Disfarçada – Parte 2

Meses se passam e aquele mal continua te perseguindo

Um comentário aqui e outro lá, sempre te diminuindo

Como eu queria que essa pessoa superasse e seguisse com a sua vida

No entanto, sente imenso prazer tentando acabar com a minha

 

Quando vai entender que a minha intenção não foi me aproveitar?

Mas, que chegou num ponto que estava insuportável continuar?

Ninguém gosta de ser manipulado, ainda mais em troca de dinheiro

Preferi voltar a minha antiga vida, mesmo trabalhando o dia inteiro

 

Muitas coisas eu só tenho a lhe agradecer

Eu reconheço isso, não precisa me ofender

Sei muito bem do quanto me ajudou

Mas supere de uma vez por todas que acabou!

 

Me atacar anonimamente pra quê?

Eu sei que é você!

Por acaso almeja fazer um acordo?

Que eu te devolva tudo que me destes e mais um pouco?

 

Sabe muito bem que não funciona assim

Ainda que eu queira para finalmente me livrar de ti

Mas percebo que nada do que tenho foi de graça

Pois tive que lidar e suportar a sua pessoa complicada

 

A maneira como você se comporta agora

Só me mostra que fiz bem em ter pulado fora

Age como uma criança mimada que não sabe levar um não

Ao invés de superar logo essa situação

 

Então por favor busque uma outra mulher

Uma que aceite fazer tudo o que você quer

Uma que tope esse compromisso

E que nunca se sinta sufocada por isso

 

If I Were a Boy

De repente eu estava pensando nela

Aquela amiga linda que parece a Cinderela

Enquanto por um homem eu era chupada

Era justamente nela que eu pensava

 

Imaginei um erotismo completamente lésbico

Como surgiu isso, para mim foi um mistério

Me imaginei chupando aquela xana

E a fazendo gozar na sua própria cama

 

Me assustei verdadeiramente com aquilo

Pensar em uma mulher de maneira sexual nunca aconteceu comigo

De repente a achei tão atraente

Vivenciei cada detalhe daquele possível prazer, através da minha mente

 

Daí eu queria ser um homem para ter aquilo

E poder fazer com ela da maneira mais orgânica possível

Te confesso que não julguei meus pensamentos

Só fechei os olhos e aproveitei o momento

 

Na ausência de um pênis de verdade, me imaginei com aquela cinta

Fazendo o papel do homem, ainda que eu seja super feminina

Pensar nos seus gemidos durante aquela imaginária penetração, me deixou alucinada

E meus dedos, melados, foram cessando aos poucos, me deixando completamente extasiada com aquela gozada

 

Devo salientar que não sou lésbica, pelo contrário, sou viciada em pau

Mas me surpreendi ao extremo com essa imaginação perigosa e tão sensual

Espero que ela não se assuste quando ler isso

Foi a primeira vez que algo desse tipo aconteceu comigo

Think about

Não saia comigo esperando que eu escreva sobre você depois

Saia para fugir do feijão com arroz

Saia porque realmente me quer

Por apreciar de verdade este tipo de mulher

 

Faz um tempo que ela não escreveu mais relatos

Isso não quer dizer que os encontros tenham sido um marasmo

Mas quem realmente gostou de estar comigo, não vai se importar

Se sobre o nosso encontro eu não relatar

 

Não estou aqui para avaliar a performance sexual de ninguém

Se é isso que você espera, então, nem vem

Estou aqui pelo nosso prazer

E não para sobre você depois escrever

 

Chega a ser chato quando me perguntam isso

O encontro acaba e ele só quer saber qual será o seu apelido

Como se um post sobre si estivesse incluso no pacote

Mas que pena, hoje não será o seu dia de sorte

 

Ela cansou de escrever sempre sobre o mesmo

Quer poder divagar também sobre seus pensamentos

Mas, sem deixar o erotismo de lado

Sendo ela mesma, não um produto comprado

 

Houveram vezes em que me pediam justamente o contrário

Para que aquele momento fosse preservado

Eu não gostava quando me pediam isso

Hoje é o tipo de coisa que até aprecio

 

Sei que desde o começo esse sempre foi o meu diferencial

Mas, sair comigo por isso, não pode ser o motivo principal

Saia por querer curtir junto aquele momento

Sem se preocupar com o que depois os outros estarão lendo 

 

Se eu não escreverei mais sobre os encontros não saberei dizer

Continue me acompanhando que você vai saber

Mudar a minha forma de escrever não foi o suficiente

Sinto que posso ser ainda mais diferente

 

Amo escrever e essa sempre será a minha paixão

No entanto, quero ser guiada pelo meu coração

Saia comigo pelo prazer que eu possa te proporcionar

E não pelo texto sobre si que eu deveria relatar

 

“O Abonado”

Pessoas com muito dinheiro são mesmo um tanto estranhas. Como se escondessem algum segredo em suas entranhas. Esse atendimento foi a domicílio, o que poderia ter sido um perigo. Me surpreendi com a aparência do lugar, muito incrível as coisas que o dinheiro pode comprar. A porta de entrada para o seu apartamento era o próprio elevador, muito chique, me senti na casa de um imperador. E que vista era aquela lá de cima? Via-se São Paulo inteira, a coisa mais linda. Claro que, por fora não me deixei impressionar, ainda que por dentro eu estivesse a admirar.

Ele serviu vinho seco para nós e estranhamente eu mal ouvia a sua voz. Fomos para o sofá a fim de conversar, mas ele era muito quieto, só queria escutar. De repente as taças foram pousadas na mesa e então começamos a nos beijar. Mas como era o seu beijo? Isso já não consigo me lembrar. Após um tempo desci para lhe chupar e enquanto eu fazia, ele pareceu não se impressionar. Ficou igual uma estátua enquanto eu chupava, como se eu ali ajoelhada, não significasse absolutamente nada.

Depois nos encaminhamos para o quarto e mais uma vez ele ficou parado. Não tocou nos meus seios, nem na minha vagina, como se o meu corpo fosse uma espécie de alienígena. Vez ou outra me apertava com seus dedos, seria essa uma demonstração estranha de desejo? Após encapá-lo, comecei a cavalgar e rapidamente fiz aquele homem gozar. Foi a transa mais rápida que se pode imaginar, eu sequer pude aproveitar.

Se levantou para tirar a camisinha e se lavar, depois voltou a se deitar. Te fiz alguns carinhos para agradar, até que ele começou a cochilar. Enquanto um cafuné eu te fazia, ele se virou de costas e adormecia. Fiquei mais algum tempo nessas carícias e então anunciei que me vestiria. Chamei o Uber para ir embora e ele me acompanhou até a porta. Confesso que o achei um pouco estranho, mas talvez isso seja um engano. Apenas um encontro não dá para decifrar, como se fosse uma preliminar. Se sairei de novo não saberei, mas provavelmente não haverá uma segunda vez. 

Pelos olhos dele

Querido diário…

Recebi um presente… Um presente incrível e inesperado que gostaria de compartilhar aqui. Eu tive o privilégio de conhecer a perspectiva masculina de um dos encontros que relatei nessas páginas. Não é um relato postado no Gpguia, mas sim, enviado para mim, carinhosamente, por e-mail. O que o torna ainda mais íntimo e especial. E levando tudo isso em consideração, cheguei a conclusão que o melhor lugar para deixar registrado todas as suas doces e apimentadas palavras, só poderia ser aqui… no meu blog. ❤️

Será que alguém aí acertará no final a qual encontro se refere? Me deixem saber os palpites nos comentários depois! 😜

40 minutos antes do nada…

Esta história começa com uma viagem a São Paulo. “Quarenta minutos antes do nada”, como diria Nelson Rodrigues. Uma viagem despretensiosa de trabalho, que me faria dormir por lá. Surgia, então, uma possibilidade, a busca por uma pessoa que pudesse viver comigo uma experiência diferente. Aquela que todo escorpiano gosta: uma bela aventura sexual.

Após um périplo pelos sites de acompanhantes – um enxurrada de curvas, músculos, tatuagens tribais e silicones – uma mulher chamou de forma visceral a minha atenção. Aquela escultura real se materializava em duas palavras: Sara Müller.

O coração acelerou quando o contato foi feito. Após algumas mensagens trocadas, um balde de água fria é jogado em minha cabeça. Sara não teria tempo para aquela noite, chamei muito em cima da hora. A frustração tomou conta, mas foi rapidamente substituída pelo desejo e pela vontade de transformar toda utopia em um encontro real.

O destino marcou sua presença quando, antes mesmo de voltar para o estado em que resido, recebi uma ligação de um cliente que significaria a volta para São Paulo na semana seguinte. Para não perder tempo, entrei em contato com a Sara imediatamente. “Vou para SP na semana que vem e preciso de te conhecer”. Foram as minhas palavras. Obviamente não fui tão direto assim, mas, por sorte, consegui a atenção da Sara, que confirmou o tão esperado encontro.

A semana seguinte custou a chegar. Eu só conseguia pensar nas horas que teríamos juntos no (nome do motel ocultado para não entregar o jogo tão já rs), motel indicado por ela, já que eu não conhecia nenhum em SP. Chegado o tão esperado dia, dois eventos me separavam daquele encontro: uma reunião e um almoço de negócios. Com a reunião correu tudo bem, apesar da minha verborragia, certamente por conta da empolgação do encontro que teria a seguir. Já no almoço, uma comida extremamente pesada pedida pelo cliente, me fez pensar que talvez eu não tivesse condições de aguentar um sexo agitado depois. Ledo engano. Graças a Deus!

Bem… como algumas horas ainda me separavam de Sara, ao fim do almoço, resolvi passar em determinado shopping para comprar umas bebidas para o encontro. Chego ao motel, me sirvo de um (nome da bebida ocultado para dificultar) e resolvo avisar à Sara que já estava por lá. Sou surpreendido com uma proposta para antecipar o encontro em meia hora, que foi prontamente aceita por mim.

O telefone do quarto tocou, fui avisado da chegada da Sara. Corri para o andar de baixo para recebê-la, mas, a recepcionista parecia não compactuar com meu galanteio e resolveu abrir a porta da garagem para ela. Resultado: tivemos um encontro repentino já na escada do quarto. Após um rápido cumprimento, convido-a para entrar e vou atrás dela acompanhando a sua subida pela escada. Que mulher. Que corpo. Que sensualidade.

Chegamos ao quarto e resolvo servir as bebidas. Pego a garrafa do espumante, que sorrateiramente tenta me aplicar um golpe que me impediria de conhecer melhor a Sara. Antes mesmo de tirar o arame por completo, a rolha explode e rápido como Mike Tyson me esquivo de um golpe fatal. Ou seria rolhal? Hahaha.

Superado o episódio, era preciso limpar um pouco a sujeira causada pelo espumante. Naquele momento, resolvo ir ao banheiro limpar minha mão, no mesmo instante que ela decide ir jogar os detritos da garrafa no lixo. A proximidade dos nossos corpos fez com que eu imediatamente roubasse um beijo dela. Havia uma atração muito forte, algo inexplicável entre nós.

Após um brinde, nova sessão de beijos, que se encaixavam perfeitamente. Explodia uma vontade de explorar aquele corpo lindo e esguio. Comecei a tirar seu vestido para desvendar aquele mistério. Rapidamente tirei seu sutiã e me deparei com os seios mais lindos que já vi. Pareciam terem sido feitos para mim. Mergulho de boca neles, que ao tocar meus lábios, arrancam meu melhor sorriso. Deito a Sara na cama e resolvo, ainda de roupa, explorar cada parte daquele corpo com os meus lábios. Aquela pele lisa e alva me enche de tesão, pareceu que meu pau rasgaria a minha roupa.

Chupei levemente sua buceta para sentir o sabor do seu sexo, mas logo virei a Sara de bruços para seguir explorando aquele corpo maravilhoso. Lambo da nuca até seu pé, também aliso e beijo sua bunda. Naquele momento, puxo a Sara para a beirada da cama, para que eu pudesse namorar com a sua buceta. Que prazer chupá-la. Ficaria minha vida ali se fosse possível. Senti que a Sara chegava perto de gozar, mas algo a impedia. Mistérios de mulher.

De repente, ela notou que eu ainda estava de roupa e partiu para cima de mim. Em um golpe de mágica, me deixou nu e como um bezerro abocanhou meu pau e começou a chupá-lo de uma forma maravilhosa. Com pressa mas com delicadeza, como se o meu fosse o melhor pau do mundo.

Ali notei que não conseguia ficar longe dela, precisava ficar sempre perto. Então, mesmo em pé, me inclinei para que eu pudesse senti-la bem perto de mim. Que delícia era aquele nosso mundo particular. Resolvo chupá-la mais, até para não gozar rapidamente.

Após alguns minutos sou convidado a entrar. O tesão era imenso para ambos, mas o ritual da camisinha me atrapalhou. Para recuperar a concentração, ou melhor, a ereção, volto a chupar a sua menina. Em poucos minutos já me encontro de camisinha e me preparo para mergulhar no que viria a se tornar, no futuro, o melhor sexo da minha vida.

Na primeira gozada ficamos somente no ppmm com o coração na mesma batida e respiração na mesma cadência. Aquilo era a síntese do paraíso. O orgasmo de ambos veio ao mesmo tempo e virou tudo de ponta a cabeça. Que mulher. Que sexo. Que sintonia! Ali senti que não teria como acabar aquilo somente em um encontro.

Para reduzir a temperatura, fomos para a piscina. Nadamos afastados, mas quando nos aproximamos, nos beijamos e rapidamente fiquei excitado. Senti ali uma energia incrível. Somente trocando olhares, senti o meu pau encostado na sua buceta. Eles eram, naquele momento, nosso único ponto de contato. Como se tivéssemos uma relação umbilical de dois amantes. Nossas almas se alimentavam do nosso sexo. Senti uma vontade de penetrar ali mesmo, mas sabia que não poderia. Acho que ela sentiu a mesma coisa e para frear o impulso, me chamou para a cama.

A volta para o quarto se inicia com um meia nove de lado maravilhoso! É tão gostoso sentir aquela menina se encharcar na minha boca!! A excitação toma conta e Sara toma a iniciativa! Depois de encapar, ela resolve ir por cima e me presenteia com uma cena linda que vou querer ver muitas vezes na vida. É um privilégio tê-la cavalgando em mim.

Resolvo puxar a iniciativa para mim, coloco ela de ladinho e fazemos um sexo muito gostoso assim. Na sequência, sem sair de dentro dela, a viro de bruços e peso meu corpo por cima do seu, alternando entre estocadas fortes e lentas. É tão lindo ver meu pau se esconder dentro da xana da Sara.

Para encerrar voltamos a nossa melhor posição: ppmm. Ali chego novamente ao orgasmo e caio extasiado ao seu lado. Vamos nos banhar, um por vez, enquanto conversamos para nos conhecermos melhor. Terminei o encontro com um desejo de conhecer ainda mais aquela mulher incrível!

Fui para o aeroporto com uma certeza: aquilo que era para ser uma aventura, se tornou algo muito maior! Transcendeu qualquer planejamento! São Paulo, me aguarde, estarei cada vez mais presente!

Que delícia… !!

Não relato mais os nossos encontros (a seu pedido, que prefere que esses momentos sejam preservados), mas, continuamos saindo. Bom… só tenho a agradecer por mais esse presente e por toda a gentileza de quando estamos juntos. ❤️ Muito obrigada pelo carinho, adorei o relato!! 👄

Repeteco com o Retrô!

Querido diário…

Já disse que amo repetecos né? Amo! Mesmo aqueles que talvez eu não venha mais a relatar. O que não é o caso deste, gosto de compartilhar as coisas que sinto na presença dele. 

Ainda não tínhamos feito praticamente nada, apenas trocado beijo de cumprimento, e naquele momento, em sua cozinha, que ele começou a me apalpar docemente, pude sentir toda a energia que emanava dele, sendo transmitida através do toque da sua mão no meu corpo. Mais do que isso, foi também gostoso ouvir o que ele tinha para me dizer:

– Sabe que sou muito grato por você fazer isso?

– Isso o que? Ser acompanhante? – Perguntei cautelosa.

– Sim. Porque eu jamais poderia me aproximar de você sem ser dessa maneira. Se eu te visse num barzinho, por exemplo, não seria apropriado eu me aproximar.

Pensei um pouco a respeito e realmente, por conta da nossa diferença de idade (ele tem 63), seria bastante inusitado ele me dar uma cantada em outro contexto.

– Então, sou muito grato por poder ter você dessa maneira. – Ele finalizou. 

E eu também. Era muito grata por ter clientes tão gentis e queridos, assim como ele, que de alguma maneira ficavam ainda mais felizes com a minha presença. 😈 Nos beijamos para selar aquele momento de revelações íntimas e seguimos para o quarto, com passos curtos, já que ele continuava me abraçando ternamente por trás.

Já na cama, me deitou, nos despimos e começou a me namorar, deitado por cima de mim, beijando os meus seios e depois descendo para a minha menina. É gostoso ficar com ele. Sabe aquela pessoa que aprecia o seu corpo como se você fosse uma obra de arte? Me sinto uma boneca de porcelana nas suas mãos. Carinhoso, dedicado, que sente prazer em dar prazer. Me chupou mais do que qualquer outra coisa. E como no nosso primeiro encontro eu estava em período menstrual, agora ele conheceu a minha menina pela primeira vez. 🤗

Também o chupei depois, mas os meus mimos eram coadjuvantes perto dos carinhos dele. Enfim encapamos e ele veio por cima, no papai e mamãe. Rapaz disposto, começou na maior energia, mas como ninguém é de ferro, seu menino acabou ficando meia bomba após um tempo de atividade. Pedi que se deitasse, tirei a camisinha e voltei a chupá-lo, terminando por finalizar na mão, assim como no nosso primeiro encontro. ✊🏻💦

Durante a pausa conversamos bastante sobre algumas coisas do seu tempo de mocidade e certa altura, perguntei, um tanto receosa, se ele se importaria de reduzirmos o tempo do encontro de 2h para 1:30, já que acabei chegando um pouco atrasada e se eu fosse cumprir todo o horário combinado, correria o risco de não chegar a tempo para a minha aula.

Claro que, eu jamais proporia isso se ainda estivéssemos no fio da meada, mas ele parecia bastante satisfeito para engatarmos um segundo round. Dito e feito, ele foi super compreensivo e até destacou que eu estava fazendo o certo. Sua generosidade foi tanta que me acertou por 2h mesmo assim, que, obviamente, ficará de crédito para o próximo encontro! 😌

P de Paixão

Vou lhes contar uma história intrigante. Porém, não se enganem, não será um romance. Até poderia ser, pois o amor rende relatos interessantes, só que hoje será sobre uma relação ardente entre dois amantes. Que homem. Desses que conseguem te conquistar desde a primeira chupada. Isso mesmo, chupada. Pensou que eu diria desde a primeira olhada?

Eu baguncei com a sua vida, assim como ele bagunçou com a minha. Seguimos juntos nessa lida, sem sabermos qual será a nossa saída. Interessante, de fato um homem muito interessante. Desses que conseguem ser extremamente excitantes. Reunindo numa só pessoa todas as qualidades sexuais que considero importantes.

Dezenas de mulheres sabem como é raro encontrar tanta compatibilidade. Uma relação é mais que afinidades, envolve também sexualidade. Beijo, chupada, pau e pegada, são as quatro vertentes que te deixam desarmada. E se ele for bom em cada uma delas, se prepare para viciar mais que Nutella. Beijo bom, chupada boa, pau gostoso e sexo incrível? Esse é o tal pacote completo que está difícil. Máquina do sexo? Não, isso seria muito complexo. Prefiro dizer máquina sensual de prazer, aquela que te faz enlouquecer.

Romance é legal, mas o ato sexual é ainda mais especial. Principalmente se a transa for ao natural. É o ápice da intimidade e confiança, como se coreografassem a mesma dança. Você se entrega e o outro se deixa entregar a um momento que mais tarde te fará pensar. Quando as sensações forem realçadas, você não vai querer saber de mais nada. Tudo ficará mais intenso e profundo, transformando em coisa de outro mundo, todo aquele prazer mútuo que estão vivendo juntos. 

Olho ele me tocando com a sua língua e logo imagino me cutucando com a cabecinha. Eu deveria saber aproveitar melhor cada sensação, mas é muita excitação, não consigo controlar o meu tesão. Senti-lo entrando dentro de mim é algo inexplicável. Nossa disposição é mesmo inesgotável. Tão exato quanto atingir uma variável. Tão gostoso ainda que não tenhamos chegado ao orgasmo. É como se não existisse vida fora daquelas quatro paredes. Por algumas horas só consigo focar nele. Contas para pagar? Textos para decorar? Livros para estudar? Compromissos para honrar? Nada me importa, só quero gozar. Naquele momento só tenho olhos para ele e ele para mim. A paixão é mesmo assim. Intensa como se não houvesse um fim.

Foda-se que a nossa vida não é aquela. Paralelamente serei a sua branquela. E daí que vai demorar um tempo para me reencontrar? Não pensemos nisso e só vamos aproveitar. É o proibido que eleva a nossa libido. Então continue assim, seja um bom menino. Sexo casual é uma coisa que nunca sai de moda. Mas como poderia se é uma coisa tão foda? Então lá estava eu indo ao seu encontro mais uma vez, toda animada na maior altivez. Naquela expectativa pelo que me aguardaria, pois já te conhecia e sabia que não me decepcionaria. É muito mágico quando ele me possui por inteira, ahhhh como eu adoro ser a sua ninfeta.

Preliminares. Carregada de olhares complementares e mensagens subliminares. Ele começa roçando despretensiosamente na minha buceta, como se não quisesse enfiar muito mais que só a cabeça. Fica naquilo só para me provocar, igual quando cavalgo sem freios querendo fazer ele gozar. Uma explosão gostosa que ainda não pude sentir, ahh como eu quero o seu líquido quentinho dentro de mim. O que não quer dizer que o seu gostinho ainda não conheci. Certa vez ele tentou me avisar, mas ao invés de parar, prossegui. Com um sabor diferente de tudo que eu já tinha experimentado, enquanto descia pela minha garganta, ele ficava ainda mais encantado.

Você sabia que a paixão costuma ser mais arrebatadora que o amor? Estou falando sério, não se trata de um rumor. Enquanto o amor te tranquiliza e consola, a paixão te agita e desola. Paixão pode virar amor em algum momento ou ser confundida com um e morrer sem ressarcimento. Pode acontecer de acabar, mas nisso não quero pensar. Gosto de idealizar que eternamente irá durar, porque a paixão chega sem avisar. Te queima até arder e quando menos se espera já não aquece mais você.

“O Condutor”

Querido diário…

Esse encontro foi de última hora, ainda bem que deu certo. Combinamos no hotel Mercure num desses domingos de agosto. Já dentro da suíte, ele foi conduzindo tudo. Logo de cara percebi que ele não fazia o tipo carinhoso, o que não foi ruim, me deixou excitada do mesmo jeito (vai entender rs).

Trocamos alguns beijos e então pediu que eu me despisse, se afastando um pouco para me olhar. Não foi preciso um striptease, mas, tirei as peças devagar e sensualmente. A essa altura eu já estava descalça – tratei de tirar o salto logo que entramos no quarto -, visto que ele era mais baixo que eu e me despi começando pelo vestido. Depois o sutiã e por último a calcinha. Daí ele apreciou a vista mais um pouco e então deu a segunda instrução: Pediu que eu me deitasse.

Deitei de pernas abertas e fiquei me masturbando enquanto ele assistia ainda de pé, até que ele também se deitou e pediu que eu o chupasse. Nesse momento, lembrei que por mensagens ele havia perguntado se eu fazia beijo grego e então pedi que viesse com seu corpo mais para a beirada da cama. Fiquei por bastante tempo lhe fazendo esses dois mimos (na frente e atrás), até ele pedir para transarmos.

Peguei o preservativo e o meu brinquedinho. Encapei e começamos comigo por cima. Após um tempo, pediu que eu cavalgasse de costas para ele e nesse momento consegui gozar, meu brinquedinho deu conta do recado. 😋 Foquei nas cavalgadas depois disso, até ele pedir que eu ficasse de quatro. Algum tempo assim (até voltei a me masturbar), depois pediu para me pegar de frente, no frango assado. E para finalizar, pediu para gozar nos meus seios. Ele ficou de pé no chão, se masturbando comigo ajoelhada à sua frente esperando a explosão, mas, no final das contas, foi eu que finalizei aquela punheta pra ele. ✊🏻😏

Depois fui tomar um banho. Ainda tínhamos metade do tempo (combinamos 1h), contudo, ele já havia deixado claro que estava satisfeito. Conversamos um pouco e aproveitei para lhe fazer uma massagem nos pés. Engraçado que durante toda a nossa transa, ele sequer tirou sua blusa de manga comprida. Estranho. vai ver ele estava com frio rs.