Cliente 61 – “O Tatuado”

Quarto 119. Mais um japonês, 40 anos (mas pareceria ser mais novo) e todo tatuado. Entrei, coloquei minhas coisas na mesa e logo começamos a nos beijar. Percebi que ele era muito quieto, e apesar das suas tatuagens causarem outro tipo de impressão, ele me pareceu realmente muito tímido! Certo momento enquanto nos beijávamos meu celular pessoal tocou, e pedi licença para pelo menos ver quem era, pois poderia ser algo importante, dei uma rápida olhada na tela mas era apenas a caixa postal da operadora. Dei um “recusar” e voltei para ele. Fui tirando sua camisa e depois a calça, também aproveitei para tirar meu sapato e meia fina, mas permaneci de vestido. Depois ele se sentou na cama e me sentei por cima dele, de frente, enquanto o beijava ainda mais. Depois pedi que se deitasse e ainda em cima dele, tirei meu vestido. Depois de um tempo o beijando comigo por cima dele, desci para seu pau, mas não estava muito duro, e brinquei com ele que se não endurecesse eu iria achar que ele não gostou de mim, ele apenas respondeu com um “hum?” como se não tivesse me entendido, e nas duas vezes que comentei isso, fazendo a “dengosa magoada” ele respondia igual com esse “hum?”. Esse relato não terá muitos detalhes nem firulas, pois o que fizemos durante todo o programa nada mais foi que roçar o pau dele na minha xana. Tentei chupá-lo duas vezes, mas em nenhuma vez seu pau estava duro. Como ele parecia bastante empolgado, me beijando, chupando bastante meus seios, passando a mão na minha bunda e me conduzindo no “esfrega-esfrega”, cheguei a conclusão que mesmo que não tivesse ficado duro, ele devia estar gostando de mim sim. Eu tive um orgasmo clitoriano enquanto ficávamos roçando seu pau na minha xana, e brinquei com ele que não era justo somente eu gozar, para ver se conseguia incentivá-lo a ficar ereto, mas mesmo assim não adiantou rs. Perto do tempo acabar (faltavam uns vinte minutos) pedi para que ele mesmo se estimulasse, pois o tempo estava acabando e queria que ele gozasse também. Ele começou a mexer no próprio pau, mas ainda assim não estava ajudando muito. Eu tentei bater punheta para ele também, mas seu pau só ficava “meia bomba”. Depois me sentei em cima dele e fiquei o arranhando de leve enquanto ele se masturbava. Percebi que mesmo eu fazendo isso, ele estava demorando muito para gozar, e só depois de um tempo que tive a grande ideia de pegar o dedo indicador dele e colocar na minha boca, fiquei chupando aquele dedo fazendo caras e bocas como se fosse seu pau, e poucos segundos depois disso, ele logo gozou! Como eu estava sentada nele, sua porra espirrou no meu quadril, um pouco acima da bunda, na verdade ele gozou tão pouco, que se eu não tivesse sentido realmente um liquidozinho em mim, teria jurado que ele não tinha gozado! Rs. Perguntei se ele já tinha gozado naquele dia e ele disse que sim, mesmo assim achei que tinha sido muito pouco mesmo! Passei a mão no líquido e até cheirei, para ter certeza que era porra e o líquido não tinha cheiro de nada (geralmente porra tem aquele cheiro de candida) estranhei mais ainda, mas não tinha como ser outra coisa além de porra, não é mesmo?! Rs. Depois ele tomou banho, fui em seguida e fomos embora juntos até o metrô.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.