“O Inconveniente”

– Louco pra te ver. Sentir você. Você está em casa? Tira uma foto pra mim? Te beijaria inteirinha.

– Estou vendendo fotos agora, quer comprar? Podemos combinar o encontro para amanhã. Que tal?

– Sério? Eu topo. Está vendendo fotos mesmo? Qual horário poderia ser o encontro? Onde?

– Você pode dar uma pesquisada sobre algum motel ou hotel próximo a você. – Se tratava de um cliente localizado em Guarulhos.

– Ok. Uma foto só. Please. Não precisa ser sem roupa.

Obviamente que ignorei seu pedido. Uma das coisas que qualquer acompanhante, que tem site, Twitter e Instagram, com diversas fotos, mais detesta é que lhe peçam fotos personalizadas no WhatsApp. Ainda mais depois de você dizer que fotos exclusivas precisam ser compradas.

Cinco dias depois ele reapareceu.

– Oi… boa noite. Sem lugar para atendimento ainda?

– Atendo em hotéis e motéis como já mencionei antes.

– Eu sei… mas já está atendendo? – Se sabe, então pra que pergunta?!

– Sim.

E nada mais disse.

Dois dias depois ressurgiu.

– Quero te ver. Tem agenda para amanhã?

– Boa noite. Você pesquisou o motel?

– Não. Teria que ser os hotéis que você utiliza.

– Eu costumo ir em motéis. Você pode escolher o hotel que for melhor para você.

– Você está sem local? Não teria uma alternativa?

– Nunca tive local, sempre atendi em hotéis e motéis.

– Conseguiria arrumar um local para nós?

– Essa parte é por conta do cliente.

– Vou procurar na internet.

No dia seguinte ele me enviou mais mensagens. Comprou duas fotos pelo meu site (aquele tipo de foto explícita, caseira, mas com a mesma qualidade de uma foto profissional, que só envio com exclusividade para quem comprar) e combinamos sobre o envio das mesmas para ele. Depois disso retomamos a negociação para que o nosso encontro acontecesse. Para ele seria muito mais conveniente que eu fosse até Guarulhos e concordei, mediante a taxa de deslocamento, é claro.

– Te pago como? – Perguntando sobre o acréscimo do Uber de ida e volta.

– Somado ao cachê no dia do encontro. Quanto tempo gostaria?

– 1:30 faria por R$ 600? – Broxante demais quem pede desconto.

– Não valeria a pena pra mim ir até Guarulhos e ainda cobrar menos.

– Mas seria 600 + o Uber.

– Não concedo desconto pelo cliente estar pagando o Uber, arcar com o meu deslocamento é o mínimo pelo tempo que perderei com a locomoção indo para uma região tão distante de onde costumo atender.

– Tudo bem. Entendo.

– Posso deixar marcado?

– Ela está com pelinho?

– Sim.

– Muito ou pouco? Eu gosto com.

– Pouco.

– Delícia, combinadíssimo.

E daí acertamos mais alguns detalhes, como horário, preferências pela roupa que eu usaria… até que ele me solta essa:

– Seu atendimento é completo? – Como é possível que à essa altura da conversa, a pessoa ainda não tenha se informado sobre o meu atendimento?

– Não faço anal e não finalizo no oral. Quando te mandei as informações do meu cachê, explicava também sobre o meu atendimento. Você não leu?

Ele respondeu com apenas um emoji de uma rosa.

Mais um dia se passou.

– Oi Sara. Tudo bem? Tudo certo para amanhã?

– Boa noite, sim, tudo certinho.

– Vai chegar meio dia?

– Foi o que combinamos.

– Ok.

Motel Point em Guarulhos, Suíte 5. Eis aqui mais um exemplo de como pessoalmente as relações são muito melhores e mais gostosas do que por mensagem. Tivemos um encontro bastante agradável. Ele me tratou super bem, rolou uma química legal, aproveitamos bastante nossa intimidade, usamos e abusamos das preliminares e a transa caminhou para o seu ápice. Depois que gozou, nos banhamos e ainda tínhamos tempo para um segundo round. Infelizmente ele não pôde ficar mais e precisou abandonar o encontro antes que o nosso tempo terminasse. Foi gostoso. Voltei para minha casa com aquela deliciosa sensação de missão cumprida.

Uma semana depois ele me contatou novamente.

– Oi, bom dia… Você está bem?

– Oii! Bom dia. Estou sim e você? 😊

– Morrendo de saudades de você. Quanto você cobraria para fazer um vídeo para mim?

– Como você quer o vídeo?

– Ah… queria uma sugestão. Mas queria um que me faça ir novamente te ver.

– Que tal um vídeo me masturbando e falando umas putarias?

– Ótimo. Você já tem esse vídeo?

– Sim.

– Quanto faria pra mim?

– R$ 250 e a duração do vídeo é de 6 min. – Passei o valor tabelado, afinal, já é mais em conta que o vídeo Personalizado, em que cobro de R$ 350 à R$ 400, dependendo das exigências do comprador.

– Não mereço um desconto? – Só pelo fato de pedi-lo, não. Não merece.

Já lhes falei o quanto detesto quem pede desconto pra mim?

– Não posso desvalorizar o meu trabalho, que me consumiu tempo e dedicação gravando mais de uma vez até ficar o mais excitante e bem feito possível. Entendo que é muito comum as pessoas pedirem desconto em diversas coisas que compram, mas pra esse tipo de serviço é deselegante demais fazer isso. Achei que você tivesse compreendido esse ponto quando tentou pechinchar no nosso primeiro encontro e eu recusei.

– Me perdoa linda. Não fiz por mal.

O que veio a seguir foram demasiadas tentativas de agendamento, em datas esporádicas, todas sem sucesso. Muitas vezes me deixando no vácuo por falta de decisão da parte dele.

Agitou e não marcou.

Tentei conduzir para que decidisse o dia, mas novamente empacou.

Outra vez estagnou.

Limbo.

Até que…

Tudo muito bem, tudo muito bom, achei que finalmente o repeteco fosse sair, até que hoje, no dia do encontro, ele me vem com uma presepada!

Esse “Está fria comigo” me causou um leve incômodo. Eu, cheia de coisas pra resolver no meu dia, não estava com cabeça pra lidar com esse tipo de cobrança. Respondi o seguinte:

What the fuck???

Vamos analisar essa última mensagem.

Ele estava mesmo cancelando apenas por eu não ter respondido o que ele queria ouvir? É isso mesmo produção? Que nível de carência / insegurança era esse? Eu, que não vivo para os clientes fora dos encontros, que tenho uma vida particular e afazeres pessoais no meu dia a dia, fui punida pela minha total honestidade.

Sim, eu poderia ter sido mais amorzinho na minha resposta, mas achei ridículo demais aquela cobrança de atenção como se eu tivesse alguma obrigação para com ele. Por acaso é um cliente master, pica das galáxias que me leva para jantar? Que me dá presentes? Que passa horas comigo num encontro? Não. É um cara que só saiu comigo uma vez, por uma hora, que tentou pechinchar, que pechinchou para comprar um vídeo meu – que sequer o comprou – , ou seja, um cliente com um Score bem baixo, vermelho, querendo estar no verde. Definitivamente não tinha a menor condição dele se colocar nessa posição de me exigir um atendimento diferenciado, se não havia tal iniciativa por parte dele também. Ainda que fosse, nem esses clientes mais especiais possuem essa soberba de me exigir tal coisa. Pelo contrário, eles me inspiram.

O cúmulo esse tipo de situação. A minha vontade foi de lhe responder o seguinte:

“Olha C******, você sempre agita de sairmos e nunca agenda de fato. Várias vezes me chamou querendo sair e quando eu te questionava o dia e horário você não me respondia. Não acho nada bacana você marcar comigo e cancelar poucas horas antes, apenas porque não tenho como ficar conversando com você antes do encontro. Obviamente que você não é obrigado a sair comigo, mas, se você cancelar, essa será a última vez que tentarei agendar algo com você.”

Meu dedo coçou para mandar isso, mas me contive. Uma sábia amiga me disse uma vez que o que importa é o dinheiro, pouco importa responder o que me vier a cabeça e sair por cima, se no final das contas meu bolso estará vazio. Então, ainda que contra a minha vontade, tentei reverter a situação e lhe respondi isso:

“Desculpa se transpareci frieza C*****, é que estou com uma obra aqui no meu apê. Está uma bagunça e tô tentando organizar. 🥺 Nem sempre consigo ser atenciosa por msg e não temos tanta proximidade ainda… visto que saímos apenas uma vez e você sempre agita, mas não tivemos o repeteco ainda. Assim fica difícil estabelecer confiança. Adoraria espairecer essa 1 hora contigo, relaxando! Minha agenda devido a reforma aqui em casa está mais difícil, vou acabar dando prioridade a outras pessoas. Certeza de que quer desmarcar?”

Muito educada e explicativa demais com uma pessoa que não merecia, mas enfim. Ele respondeu com apenas um “sim”, o que significava que manteria o cancelamento. Lhe respondi com um “Então tá bom. Boa tarde”, que ele sequer teve a consideração de visualizar. Teria sido melhor eu dar a primeira resposta que me veio a cabeça, né? Rs.

Fiquei bastante chateada com essa situação, mas depois vi pelo lado bom. Pude fazer todas as minhas coisas que eu tinha pra fazer sem a menor pressa, por não precisar mais encaixá-lo no meu dia, e ainda me privei da companhia de uma pessoa afetada nesse nível.

Imagine ter que trocar  energia com uma pessoa tão folgada, que não é capaz de honrar um compromisso, apenas porque não fiquei de lero lero com ele nas mensagens. Isso tudo vindo de uma pessoa que já saiu comigo. Realmente não conhecemos as pessoas.

Esse tipo de cliente eu prefiro não ter. Uma pessoa que me manda 100 mensagens para que um encontro aconteça e olhe lá. Gosto de homens decididos, ponta firme, que não cancelam por pouca coisa e que respeitam o espaço do outro. Esses sim, eu quero em grande abundância.