Cliente 33 – “O Fechado”

Quarto 155. Estava sem camisa, de bermuda, mais alto que eu, a primeira vista me pareceu japonês, mas depois revelou ter pais coreanos. Logo que entrei senti um forte cheiro de cigarro, perguntei se ele fumava, respondeu que não, mas fiquei desconfiada se não estaria mentindo, pois o cheiro estava muito forte. Comentei “nossa, que cheiro de cigarro!” e ele respondeu “ah é normal”. Assim que fechou a porta, voltou para a cama e ficou lá deitado a minha espera. Perguntou da onde eu estava vindo, achei estranha a pergunta assim do nada, respondi que do trabalho, e ele: “onde você trabalha mesmo?” Oi? Achei a pergunta muito evasiva, uma vez que minha vida pessoal não tem a menor relevância, quase que não o respondi, mas não quis ser grosseira então o respondi bem vagamente. Aí já emendou uma pergunta na outra perguntando desde quando faço programa, novamente achei estranho assim do nada, mas respondi e perguntei-lhe o por quê da pergunta, respondeu que era só curiosidade. Perguntas respondidas, fui beijá-lo. Eu já estava sentada na cama, e quando fui beijá-lo não se esticou nem um pouquinho para o beijo, me causou uma leve impressão de que ele não quisesse beijo na boca, e acho que foi isso mesmo, pois ele não pareceu muito empolgado e mal colocava a língua na minha boca, mas pude sentir gosto de bala na sua (não fumou né? Rs). Começou a puxar minha blusa e calça, então me levantei para tirá-los. Voltei para a cama somente de calcinha e sutiã e me sentei em cima dele, ele mal me deixou voltar a beijá-lo e já foi tirando meu sutiã. Terminei de tirá-lo e me abaixei para beijá-lo, enquanto o beijava ele passava as mãos nos meus seios, estava gostoso sentir suas mãos em mim, mas não prolonguei o beijo e desci para o seu pau. Ele me deixou um bom tempo o chupando, uma única vez que parei de chupá-lo e subi para lhe beijar, ele não pareceu tão recíproco então entendi que só queria que eu o chupasse mesmo. Algumas vezes empurrava minha cabeça mais fundo ou inclinava o próprio corpo na minha direção, mas nada violento. Em certo momento pediu que eu chupasse “o saco” dele (sim usou esse termo). O obedeci e caprichei, seu pau e suas bolas estavam bem limpos, não tinham cheiro de nada. Certa hora quando levantei a cabeça para olhá-lo, ele aproveitou desse momento para dizer que eu chupava bem, seu elogio não me pareceu sincero, pois ele nem sequer gemia (eu sei que isso não quer dizer nada, mas se somou as suas outras atitudes) e não parava de coçar seu braço enquanto eu o chupava. O chupei por bastante tempo e estava me perguntando se estava lhe agradando, ele não dizia nada. Também não me chupou em nenhum momento (nem mesmo nos seios) mas não fiquei chateada por isso, apenas uma observação. Enquanto o chupava, me indagando internamente se ele estava gostando, de repente pediu para eu pegar a camisinha. Mais uma vez o obedeci. Após empacotá-lo perguntei se eu poderia ir por cima, ao que ele consentiu. Comecei a cavalgar e a princípio estava muito mecânico, o silêncio era sepulcral, até que me dei conta de gemer rs, não que não estivesse bom, mas ele estava tão fechado durante minhas performances, que até eu estava me fechando rs. Então após alguns segundos comecei a gemer, e após um tempo cavalgando ele educadamente perguntou se podia me pegar de quatro. Respondi que sim, claro, e após eu me posicionar, ele me reposicionou da forma como queria. Incrivelmente me deu muito mais tesão quando ele me pegou naquela posição do que quando eu fui por cima, pude ver toda a cena pelo espelho ao nosso lado, o que só aumentou o meu tesão ainda mais, quase comecei a me masturbar mas estava pressentindo que não duraríamos muito naquela posição, e acertei, logo ele pediu para eu me virar de frente. Me virei e ele me pegou gostosamente no frango assado, realmente o clima tinha melhorado e estava cada vez mais gostoso. Pouquíssimo tempo depois ele gozou. Após gozar, se deitou e eu permaneci deitada, só abaixei minhas pernas. Como ainda tínhamos bastante tempo (tínhamos fechado 1:00 apenas, mas a foda foi bem rápida) perguntei se ele queria mais, que eu poderia chupá-lo novamente, mas ele respondeu que não conseguiria de novo. Conversamos brevemente, ele tinha 32 anos, casado e comentou estar com peso na consciência… (Está explicado aquela frieza toda rs). Após um tempo me ofereci para tirar a camisinha do seu pau e depois que tirei fui tomar banho. Assim que terminei voltei para o quarto enrolada na toalha, ele se levantou e foi para o banho também. Olhei no relógio e ainda tínhamos 20 minutos. Eu não sabia se me vestia, ou se o fato dele ter ido tomar o banho seria por que se revitalizou. Vesti somente a lingerie e quando ele terminou, perguntei se poderia me vestir ou se ele ia querer mais pois ainda tínhamos vinte minutos, ele educadamente respondeu que tudo bem eu me vestir pois estava “satisfeito”. Sendo assim me vesti e já fui me preparando para ir embora. Enquanto pagava meu cachê perguntou se eu havia ido de metrô, confirmei e perguntei se ele também, ele respondeu que sim. Me perguntou se eu achava que naquele horário o metrô estava mais tranquilo, e não, ainda eram 18:20 o horário de pico (ao meu ver) prevalecia, sendo assim me pagou e voltou a deitar. Me despedi e me fui. Segunda vez que um cliente me libera antes do tempo (sendo a outra vez com o cliente 1). Pelo menos hoje não cheguei atrasada na faculdade rs.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.