Cliente 101 – “O Educado”

Quarto 211. Fui encontrá-lo totalmente no escuro, não havia foto no whats e acabei nem pedindo por alguma descrição preliminar. No entanto, ainda bem que mais uma vez não tive nenhuma surpresa desagradável, quem abriu a porta, mostrando só a cabeça timidamente no canto dela, foi mais um adorável japonês. <3

A princípio ele se mostrou um pouco perdido, dizendo que não sabia como guiar “a coisa”, já que não costumava sair com garota de programa. Comentei que não havia muito segredo e logo comecei a beijá-lo. Rapidinho ele pegou o jeito e todo safadinho começou a passar a mão pelo meu vestido, já querendo tirar hehehe. O encaminhei para a cama e lá ficamos nos beijando por algum tempo, reparei que ele gostava bastante de beijo na boca, aliás.

Quando resolvi chupá-lo, após muitos beijos, ele pirou! E estou falando sério, nunca me senti tão lisonjeada com tantos elogios! Ele não parava de repetir a todo momento que eu chupava muito bem e chegou certo momento que eu nem agradecia mais, senão não conseguiria chupar rs.

Outra coisa que ele fazia bastante era agradecer, dizia “obrigado” muitas vezes por eu estar chupando ele tão bem! Como assim obrigado? Eu estava ali para isso, ele não precisava agradecer! Rsrs. Revelou que não estava acostumado com uma chupada daquelas e diversas vezes pediu que eu parasse senão iria gozar. Também teve um momento que pediu que eu engolisse seu pau todo e devagar enfiou tudo na minha boca. Confesso que essa é uma tarefa bem difícil, pois quando a cabeça do pau chega na garganta dá aquela ansiazinha, quem é mulher sabe, os olhos lacrimejam e eu procuro pensar em qualquer outra coisa, pra ânsia não ir além.

Quando o fiz, ele adorou, novamente me agradeceu e ainda pediu desculpas, mas que sempre teve vontade de fazer aquilo. Fiquei contente de poder realizar uma vontade íntima de um cliente. 🙂

Depois de bastante sexo oral nele (bastante mesmo, já que ele tinha adorado), peguei a camisinha para transamos. Começamos comigo por cima e cavalguei bastante com ele me ajudando algumas vezes. Depois ele me pegou de quatro e bombeou por bastante tempo, até que cansou, retirou o pau e começou a me chupar.

O oral dele era mesmo fantástico!!! Talvez fosse tão bom quanto o meu foi para ele. Chupava de um jeito peculiar que não sei como explicar, estava muito bom! Quase gozei, um quase bem quase mesmo, senti a vontade se aproximar e acho que se ele tivesse continuado mais um pouco, sem sombra de dúvida teria gozado.

Depois voltei a ir por cima e enquanto eu cavalgava pela segunda vez, ele começou a se sentir desconfortável, dizendo que seu pau estava sensível. Retirei o preservativo e voltei para o oral. Ele disse que não estava acostumado a fazer com camisinha, deduzindo que o atual desconforto fosse por conta disso.

Depois ficou de pé na cama, comigo o chupando com seu pau na altura da minha boca. Ele perguntou se poderia gozar daquele jeito (acrescentando que me avisaria), e respondi que sim, sem o menor problema contanto que me avisasse. 😉

E assim foi, chupei bem gostoso até ele anunciar que ia gozar. No momento em que interrompi, ele segurou seu pau e gozou nos meus seios e coxas, saiu bastante porra dali. 💦

Depois nos banhamos juntos (banheiro com duas duchas) e voltamos para a cama. Havia se passado 1 hora e ainda tínhamos 30 minutos. Mesmo com tempo sobrando, percebi que não estava disposto para uma segunda transa, então sugeri de comermos algo, já que estava incluso na acomodação. Ele que não tinha almoçado no dia, aceitou de bom grado e pediu o mesmo que eu, o delicioso nhoque à bolonhesa que adoro! <3

Enquanto comíamos, ele disse que há dias estava com vontade de comer nhoque e aproveitei a revelação para brincar com um “humm matei a sua vontade duas vezes” rs.

Ficamos conversando bastante sobre seu trabalho e ao final, no momento de pagar o meu cachê, ele disse alarmado “nossa! O recepcionista me ligou perguntando se eu tinha esquecido alguma coisa no outro quarto e só agora lembrei!”. Ele tinha ficado em outro quarto, e antes de eu chegar, pediu para trocar, devido o ar condicionado não estar funcionando. Quando ele trocou, o recepcionista ligou no quarto questionando sobre ter esquecido algo e na hora ele disse que não.

Rapidamente acionou a recepção, voltando atrás em sua resposta, retificando que tinha esquecido sim, mas que só naquele momento tinha lembrado. Adivinhem o que ele tinha esquecido? Exatamente, o meu cachê. :/ Enquanto o recepcionista verificava, ele começou a dizer que caso não encontrassem teria que sacar. Nesse momento lembrei das histórias que já tinha ouvido, sobre esse golpe do “preciso sacar”, onde o cara jogava a menina pra fora do carro e não sacava nada. Claro que mesmo lembrando disso, não acreditei que fosse o caso, sei que podemos nos enganar com as pessoas (ainda mais uma pessoa que está saindo pela primeira vez), mas costumo ter um feeling muito certeiro, e ele parecia ser super do bem. Não falei nada até que tudo se resolvesse, apenas fiquei na torcida para que tivessem encontrado o dinheiro e assim evitando futuros transtornos.

Sim, haviam encontrado e poucos minutos depois, bateram na porta e entregaram o meu cachê com um papel grampeado, escrito “Achado quarto 176”. Ufa!

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.