Mais um mês…

Boa tarde meus amores.

Já estamos na metade do ano, dá pra acreditar? A vida passa mesmo muito rápido, impressionante.

Bom… estou escrevendo esse post para conversar um pouco com vocês. Eu estou passando por um processo maravilhoso de autoconhecimento e gostaria de poder compartilhar isso. E é mesmo tão incrível em como o universo conspira com a gente, que até ganhei um livro muito peculiar, de um dos meus clientes, sem que ele sequer soubesse qual assunto está me interessando no momento:

Eu até poderia dizer que foi uma coincidência, mas defendo a ideia de que coincidências não existem rs.

Falando em clientes… novamente estou atrasada nos relatos. 🤦🏼‍♀️ Estou com 13 relatos pendentes, desde o dia 13 de maio (gente, que tanto número 13! Acho que vou jogar na mega rsrs). E como estou passando por um processo de mudança, confesso que continuar escrevendo sobre os encontros da forma como escrevo, está se tornando obsoleto e mesmice para mim. Há 4 anos usando a mesma abordagem, uma hora a gente cansa né? Rs.

Não quero deixar de escrever sobre os encontros, até porquê sei que muitos clientes que saem comigo, aguardam empolgados por esse feedback, além de também ser um dos meus diferenciais, mas estou querendo escrever de maneira menos técnica e mais poética (de certa forma ainda mantendo o erotismo). Entendem? Não vejo mais graça, nem sentido em relatar que um cara transou comigo e que “oh meu Deus foi muito bom”. Quero escrever sobre o que eu senti naquele momento de maneira mais profunda, como foi para mim viver mais aquela experiência, o que aprendi com aquilo, enfim, algo assim. Vocês concordam que seria interessante eu adquirir uma abordagem diferente nos meus relatos? Ou preferem que eu mantenha tudo como está, pois em time que está ganhando não se mexe? Rs. (Realmente quero saber a opinião de vocês nos comentários!!)

Esse mês eu já comecei a ousar um pouco, quando postei este desabafo (para visualizar só clicar em cima da palavra destacada) e fiquei imensamente feliz com o retorno de vocês, de todos aqueles que participaram nos comentários. 😍

A verdade é que já faz alguns meses (desde fevereiro mais especificamente) que vivo um pesadelo e aquele post foi como uma pequena explosão que aconteceu dentro de mim. Como muitos que me acompanham sabem, eu tinha um sugar daddy, mas a relação começou a se tornar abusiva. Pessoas com muito dinheiro acham que podem te controlar, te  manipular ou até mesmo comprar um sentimento. E se tudo isso já não é ruim o bastante, fica ainda pior quando começa a aparecer a falta de respeito e as ofensas, por a pessoa não estar conseguindo o que queria com tudo aquilo.

Eu sou adepta da filosofia que se algo não te faz mais bem (seja o que for), você deve sair fora. Mas e quando a outra parte não entende que o fim é a melhor opção, uma vez que aquilo já não está mais sendo bacana para ambos? É nessa hora que o cordeiro se transforma em lobo. A pessoa continua te perseguindo, cria inúmeras contas fakes nas redes sociais com o intuito de continuar te acompanhando, sem ser bem-vinda (tanto no profissional, quanto no pessoal), faz ameaças envolvendo terceiros e ainda fica te difamando por aí…

“Ahh porque a Sara é uma pessoa ingrata, aproveitadora, tudo que ela tem foi graças ao meu dinheiro.” Errado. Tudo o que tenho foi fruto do meu trabalho. Pois a relação sugar para mim nada mais foi que um trabalho. Nada foi dado de graça, se me deu é porque naquele momento estava usufruindo do que eu estava lhe oferecendo em troca. Ponto. Não sou falsa e jamais fingiria um sentimento amoroso que eu não estava sentindo em troca de dinheiro. Eu tinha sim, muito carinho e gratidão. Apenas isso.

Mas o fato é que dinheiro nenhum no mundo compra a nossa paz, então cheguei no meu limite, dei um basta e infelizmente uma mente doentia não consegue simplesmente seguir com a sua vida e partir para outra. Continua fazendo o inferno porque é um ser que não tem luz. Aliás, cuidado você que estiver lendo e que em algum momento cogitou se cadastrar no Meu Patrocínio. Meu ex-sugar daddy não veio de lá e se isso acontece com alguém que você de certa forma já conhecia, imagine com um total estranho. #ficaadica. 😳

Mas enfim, vamos voltar a falar de coisas boas. ✨

Mês que vem estarei de férias (escolares) e se por acaso eu não conseguir colocar os relatos em dia até lá, saibam que de julho não passará!! 😀

PS.: Não esqueçam de opinarem sobre a minha proposta de mudança no estilo dos textos! Apesar de estar muito afim de mudar, posso manter o mesmo padrão de escrita se assim preferirem, vocês que mandam aqui!

Grande beijo! 💋

 

… e deixo vocês com uma música que estou ouvindo muito no momento…

12 comentários em “Mais um mês…

  1. Ola Sara tudo bem?
    Sobre essa mudança de escrita que vc quer fazer, posta uns dois relatos nesse novo formato e espera o feedback.. Eu apoio a mudança, mudar sempre é bom
    Bjs Sarinha😘😍

  2. Acho que você não precisa mudar totalmente a narrativa mais crua, vamos assim dizer, e sim acrescentar mais nuances e sentimentos…e porque não, erotismo também…
    Isso pode até te ajudar como escritora, uma vez que, exercitando novas práticas, você pode até começar ir para o lado da ficção, que é sempre mais desafiador do que relatos ou contos…não que os dois últimos sejam fáceis, é claro…

  3. Finalmente seguirá meu conselho? Você provavelmente não se recordará, mas já tinha te feito esse desafio. Um relato puro e simplesmente descritivo é quase um relatório técnico. Tem um propósito específico, porém é frio, diferente dos encontros, onde cada um tem sua forma, química na personalidade, no temperamento ou no transa. Creio que isso é o que realmente será lembrado, um olhar, uma risada espontânea, um tapa, uma palavra amiga. Que a escrita siga o fluxo dos encontros.

  4. Acho q vale a pena a mudança sim! Será muito interessante.
    Faça um teste. Nos próximos relatos escreva da forma que vc está pensando no momento e espere um Feedback.
    Somos seus fãs! Te daremos um retorno com nossa opinião! Mas tenho ctz q será muito interessante!

  5. Eu acho uma boa… talvez você podia criar personagens para os caras dos encontros. Não seriam mais relatos, mas histórias. Nós sempre contamos um pouco de nós. A partir dessas migalhas, deixe a imaginação voar. Também é interessante pra quem te vê saber como você o imagina.

  6. Está na hora de você evoluir para melhor, as melhores leituras (clássicas e modernas) que tive foram aquelas que traziam detalhes do que se passa na cabeça dos personagens. Das percepções, da descrição mais detalhada de coisas que às vezes passam batido para os outros, no final, ser escritor é imaginar o que está pensando, sentindo o personagem e colocar isso em palavras, e quanto maior e melhor for o seu vocabulário, é de se esperar também que os relatos fiquem mais interessantes.
    Eu também estava começando a ficar entediado desse formato, nada aprendemos se nada mudarmos, certo?
    Abraço.

  7. Faça essa mudança e aguarde o feedback, Sara! Temos que escrever do jeito que nos de prazer. O autor sabe que seu personagem é livre pra tomar o rumo que quiser. Por que não mudar e aproveitar as benesses da evolução se elas estão a nossa porta? Aproveite, menina! Bjo! 😘

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.