Mala

Cuidado ao abordar uma GP

Boa tarde.

Eu fico impressionada em como o meu feeling raramente erra. Já na primeira mensagem que esse senhor (disse ter mais de 60) me enviou, percebi que não nos daríamos bem.

O cara não dá nem um “boa tarde” e já vem questionando algo que está muito bem explicado quais as razões no meu blog. Ainda assim, lhe respondi educadamente:

Sua resposta foi:

Primeiro, como já disse mil vezes aqui no blog, DESTESTO que me chamem de “amor”! Não existe maneira mais artificial e forçada de se dirigir a quem você não conhece. Segundo, não venha me chamar de “agressiva” apenas porque não concordei com as suas ideias. Em nenhum momento fui agressiva com ninguém, apenas fui direta. Terceiro, o que me importa como é o seu pinto?! 🙄

Quando li isso achei que estivesse de brincadeira com a minha cara. Afinal quem nos dias de hoje NUNCA andou de metrô?! Carros blindados? Por acaso é uma celebridade?! Achei que fosse um adolescente dando um de riquinho pra cima de mim e perguntei logo a sua idade. Foi quando revelou ter mais de 60. Provavelmente um velho ricaço acostumado a ter tudo na mão do jeito que quer. Meio a contragosto continuei negociando o local e a conversa migrou para o WhatsApp:

Se o cara quer que eu lhe abra uma exceção do local, então o mínimo que pode fazer é me mostrar uma foto sua. Ele relutou, disse que também preservava pela sua segurança, que tinha muito mais a perder que eu, e sentenciou que nos hotéis que atendo não daria para ele. Em contrapartida, falei que não teria como eu abrir exceção do local se sequer sei o rosto da pessoa que irei encontrar, e novamente sugeri que procurasse outra Gp. Três minutos depois ele me enviou sua foto. Finalmente chegamos a um acordo, e ele ficou de me avisar o dia, assim que consultasse a sua agenda.

Achei que já tivéssemos resolvido essa questão, mas hoje pela manhã nos desentendemos novamente. Assim que acordei havia mais mensagens dele. Perguntava se poderia me pegar na estação Santos Imigrantes (havíamos combinado na estação Pinheiros), e também perguntou se poderia ser num sábado de manhã. Além de também ter me enviado um vídeo. Lhe respondi:

Não sabia que pedir com educação para que não fizesse algo, fosse sinônimo de agressividade. Ignorei a sua justificativa do vídeo e respondi que poderia quarta-feira que vem. E veja o que ele respondeu:

Oi??

Lhe perguntei porque estava com essa impressão, e eis a sua resposta:

Foi a gota d’água pra mim.

Francamente. A pessoa acha que só porque está pagando tem que ser tudo do jeito dela? De que adianta ter tanto dinheiro se é um inconveniente que nem pagando consegue algo?

Aguardei alguns minutos para lhe dar o direito de resposta – que não veio – e então o bloqueei. Se já está sendo desagradável por mensagem, imagine pessoalmente.

Cliente 59 – “O Repetitivo”

Fazia algum tempo que tentávamos marcar mas nossos horários não coincidiam. Quando agendamos pela primeira vez, eu precisei desmarcar (que a propósito ele não gostou muito) e no segundo agendamento quem precisou desmarcar foi ele. No dia desse nosso encontro, eu estava com a voz totalmente rouca (início de gripe) e até queria desmarcar novamente por conta disso, mas me contive, pois do jeito que não aceitou muito bem da primeira vez, com certeza acharia que eu não estava o levando a sério.

Quarto 106. 60 anos. Assim que cheguei no hotel, me deparei com ele me aguardando no saguão, me sobressaltou pois achei que já estivesse no quarto. Nos encaminhamos juntos para lá, e quando entramos ele começou com suas perguntas repetitivas. Primeiro ele perguntou se eu tinha gostado dele. Bom, esse é o tipo de pergunta que eu não gosto que me façam, afinal, sou uma garota de programa, jamais que ao me fazerem tal pergunta a resposta será negativa, concordam? Se eu gostar ou não gostar do cara, a resposta sempre será “sim“. Para mim, é o tipo de pergunta de homem inseguro, que precisa ouvir da outra pessoa, o quão ele é bom. Como se já não bastasse ele fazer essa pergunta narcisista, quando respondi que sim, ele acrescentou na pergunta: “Muito?” Respondi que sim novamente, mesmo sem ter certeza da resposta dessa segunda, e ele ficou questionando: “Como muito, se nem me tocou ainda?” Ah gente, faça-me o favor! Além de ficar fazendo perguntas artificiais, fica me exigindo justificativas?! Vamos logo transar pelo amor de Deus!!

Nos despimos e após ambos estarem apenas com as roupas de baixo (devo ressaltar que ele permaneceu de meia o tempo todo) Começamos a nos beijar, e ele ficou me perguntando todo dengoso: “o que você vai fazer comigo?” Como assim o que eu vou fazer com ele?! Não seria transar?! Comecei a chupá-lo e novamente ele ficou fazendo aquelas perguntas chatas, dessa vez eram: “Você gostou do meu pau?” Respondi com um “aham” e ele: “Muito??” Gente que coisa chata!! Respondi com um novo “aham”, torcendo para que ele parasse com aquelas perguntas toscas. Ele falava comigo sempre cochichando, o que também era péssimo, porquê muitas vezes eu não entendia nada, e tinha que ficar repetindo “o quê?”. Toda hora ele pedia pra eu ficar revezando entre chupá-lo e roçar o pau na xana, até aí tudo bem, mas o que estava me irritando é que TODA VEZ que eu estava chupando seu pau, ele perguntava DE NOVO se eu tinha gostado do pau dele!! E quando eu respondia com o mesmo “aham” ele sempre acrescentava: “Muito?” Gente para quê ser tão repetitivo????! Teve um momento que eu não me aguentei e falei: “Você já fez essa pergunta!” e ele não satisfeito rebateu: “mas só por isso não posso perguntar de novo?” Respondi: “a resposta será a mesma!” Outra pergunta repetitiva que também estava me irritando era: “está com tesão?” Novamente eu respondia com um desinteressado “aham” e ele novamente acrescentava: “Muito?” Ah sim claro, estou morrendo de tesão de ficar respondendo tanta pergunta igual, tem como ficar com tesão assim, pelo amor de Deus?! Pois mesmo vendo, que aquelas perguntas repetitivas estavam me desagradando, continuou a perguntá-las no decorrer de todo o programa! Sempre que me comia ou me chupava, ficava me perguntando se eu tinha gostado dele (muito??), e se estava com tesão (muito??), o “muito?” sempre vinha embutido na mesma pergunta, eu que já estava tão de saco cheio daquilo, em alguns momentos (quando dava) fingia que nem escutava.

Mas vamos seguir a ordem dos acontecimentos, depois que o chupei, ele disse que queria me chupar também, o seu sexo oral devo confessar, era bem “meia boca” ou talvez fosse eu que já estivesse irritada pelo jeito dele. Enquanto me chupava novamente perguntou se eu estava com tesão, que cansativo!! Chupou por pouco tempo, e disse pra eu pegar a camisinha que queria “brincar” com o pau dentro de mim. O empacotei e começamos comigo por cima, depois trocamos para ppmm. Meteu por um tempo considerável e depois me pediu que ficasse de quatro. Foi super desconfortável pra mim transar de quatro com ele, pois ele deixava suas pernas muito abertas, o que me obrigava a abrir as minhas ainda mais! Eu não estava mais aguentando ficar com a perna aberta daquele jeito, mas para minha sorte, ele não meteu por muito tempo, tirou a camisinha e pediu que eu voltasse a chupá-lo.

Nesse momento ele fez outra pergunta que eu detestei, pois já tinha deixado bem claro quando agendamos, tudo que eu fazia e não fazia no meu atendimento. Ele perguntou se poderia gozar na minha boca enquanto eu o chupasse, respondi que não, e ele se calou, parecia que iria gozar mesmo assim de surpresa, então para garantir que ele tinha entendido, enquanto o chupava falei de novo: “me avisa quando for gozar, pois não finalizo no oral” ele não disse nada, como se o meu alerta fosse irrelevante, se fazendo de surdo, pois eu já comecei a pensar no que faria com o pau dele se por ventura ele desrespeitasse minha regra. Depois ele pediu para eu roçar o pau no meu grelinho e perguntou: “No grelinho pode gozar?” Quase o respondi com um grosseiro: “óbvio que não né?!” Mas só disse um “não” ríspida, e ele continuou insistindo: “não pode gozar ali perto do grelinho?” Santo pai!!! Se eu transo somente com camisinha, justamente pra porra do cara não ter contato com a minha xana, a pessoa tem titica na cabeça pra não entender o “x” da questão?! Não entrei em detalhes com ele e apenas respondi novamente que “Não!” Ele ficou calado e fiquei roçando bem artificialmente o corpo do seu pau na xana, ele pedia pra roçar a cabeça mas eu ignorei. Perguntei se ele não iria querer meter de novo, e ele disse que sim, mas que queria me ver gozando primeiro, perguntou se eu gozaria com ele me chupando e sem pensar respondi: “se você chupar direito…”, aí ele disse: “então quer dizer que  eu não chupei?” Só então me dei conta do que eu tinha dito, e para disfarçar respondi: “é que eu demoro pra gozar” (o que não é mentira). Então colocamos uma nova camisinha e já que ele fazia tanta questão que eu gozasse antes, pedi que me comece no frango assado para que eu pudesse me masturbar. Ele o fez, mas não conseguiu me esperar gozar e acelerou nas estocadas, entretanto devo admitir que antes que o pau amolecesse, ficou metendo devagar enquanto eu me masturbava e chegasse ao orgasmo. Quando terminamos ficamos conversando na cama. Ele parecia ser uma pessoa bacana, e o pós sexo foi muito mais agradável que o durante. Fomos embora juntos até a recepção.