Publicado em Clientes Desagradáveis

Cliente 347 – “O Exaustivo”

Eis aqui mais um rapaz persistente que tentava sair comigo desde abril. Quarto 222. Conversamos bastante a princípio, até que começamos a nos beijar. Durante os beijos, ele se direcionou para a mesa e se sentou em cima dela, de modo que eu ficasse em pé entre as suas pernas abertas. Comigo a sua frente, lhe beijando, ele aproveitou para despir a minha blusa e chupou deliciosamente cada um dos meus seios. Depois, fui descendo para seu pau e o chupei por um bom tempo, inclusive fiz beijo grego, que ele havia perguntado a respeito por mensagem e eu lembrei que ele curtia.

Após muito tempo lhe chupando, ora brincando com seu pau na minha bochecha, ora passando a minha língua teatralmente pela sua cabecinha, me puxou para mais beijos e após mais alguns amassos, pediu pela camisinha. Eu ainda estava de saia e calcinha, no caso tirei só a calcinha. 😏

Após encapado, ele me virou de costas e ousadamente tentou colocar “apenas a cabecinha” no meu rosinha. Ele já tinha feito carícias lá enquanto nos beijávamos e me deixei levar. Certa altura, falei que ia pegar o lubrificante, mas o sexo anal não engrenou, acredito que pela posição e também por seu pau não ser tão pequeno assim. Era mais grossinho e raramente consigo fazer anal com esse tipo de dote.

Após algumas tentativas sem sucesso, fui direcionando seu pau para a minha menina, pois lá atrás já estava começando a arder com as demasiadas tentativas. Ele foi um pouco teimoso e mesmo eu dizendo que não, quis tentar outras vezes, até o momento que me impus de maneira mais enfática e ele entendeu que era caso perdido.

No primeiro round transamos na cama com ele por cima de mim, estava muito gostoso e tentei me masturbar, mas devido à urgência dos movimentos e a proximidade dos corpos, não consegui. Não houve variação de posições nessa primeira transa, apesar de ter sido bem duradoura. Ambos estávamos ofegantes e cansados quando enfim ele gozou.

Pausa para o banho. Mais algum tempo papeando e novamente repetimos o processo do primeiro round. O chupei por um tempão e dessa vez consegui masturbá-lo enquanto também fazia beijo grego.

Quando novamente encapado, o segundo round ele quis começar por ali, na mesa mesmo. Me sentou nela e estocou com tanta força e vontade que meu corpo sambava para frente e para trás naquele móvel duro. Durante suas investidas, tentei me arrumar de maneira que eu ficasse confortável, desafio esse que não consegui concluir, aliás, fiquei com os ossinhos do quadril doendo por uns quatro dias.

Depois ele me levou para frente do espelho e me pegou por trás, comigo de pé, inclinada para a frente. Aquela posição foi ainda mais desconfortável, pois conforme ele ganhava força e velocidade (já começou na velocidade 3), ficava mais difícil eu me manter na posição. Minhas pernas começaram a ficar bambas e acabei pedindo arrego, estava ficando selvagem demais.

Daí fomos para a cama e ele me pegou de quatro. Novamente tentei me masturbar, mas ele começou a abrir suas pernas cada vez mais, obrigatoriamente fazendo com que as minhas também se arreganhassem junto com as dele. Depois trocamos para papai e mamãe, comigo lhe ajudando nos movimentos, e ele gozou a segunda assim.

Quando a transa terminou, juro para vocês, senti as batidas frenéticas do meu coração. Parecia que eu tinha corrido km. Minha respiração extremamente ofegante demorou uns bons minutos para se estabilizar.  Fazia muito tempo que eu não tinha uma transa tão exaustiva assim. Foi gostosa, mas ao contrário dele eu não consegui gozar nenhuma vez.

Fiquei algum tempo arriada ali na cama com ele deitado do meu lado (se eu pudesse até teria dormido), até que de repente o safadinho pegou a minha mão e colocou no seu pau de novo, que estava mole, como se quisesse que eu o reanimasse. Sorrateiramente me levantei nesse exato momento, pois o cara da rádio já tinha anunciado o horário, nosso tempo tinha acabado (combinamos 2 horas) e mesmo ele tendo proposto estendermos o tempo, não era uma coisa que eu queria e aguentaria.

Fui para o banho antes dele e antes de escovar os dentes, me sentei ao seu lado na mesa para comer um pão de mel trufado delicioso que eu havia levado na bolsa. Daí ele propôs que continuássemos, mas recusei pois, além de ter outro compromisso depois, minha xana já estava doendo de tanta fodelança. Ele insistiu, pedindo que eu ficasse apenas o chupando, mas como eu disse tinha compromisso depois e não aceitei.

Sendo assim, terminei de comer e continuei me arrumando para ir embora. Ele permaneceu no quarto e no momento em que abriu a porta para mim, fez aquela pergunta que toda acompanhante detesta:

– Na próxima vez você me faz um desconto?

Levei na esportiva e respondi sorrindo:

– Desconto pra você? Que me deu mais trabalho? Rs.

– Mas foi um trabalho bom…

“Você que pensa”, foi a minha vontade de responder. Com a xana ardendo e meus ossos do quadril doendo daquela mesa dura, ainda sem gozar nenhuma vez, definitivamente não tinha sido tão bom assim não.

– Você é contador… e contador ganham bem. – Apelei para sua profissão.

– Tô falando sério, vai.

– Eu também rs.

Esse final foi um tanto desagradável, eu ODEIO que me peçam desconto. Acabei soltando um “vou pensar” apenas para me livrar daquele assunto. E ele não satisfeito com a minha resposta, ainda insistiu de novo, como se um “vou pensar” já não fosse o suficiente. Me virei para ir embora, ao mesmo tempo em que pensava: “vou pensar uma ova”. Se for pra vir com esse papo de novo, é bom que nem me procure mais.