Pernoite com o Fenomenal

Querido diário…

Ja Que delícia viver mais uma aventura com este homem! ❤️ E desta vez foi ainda mais emocionante, já que peguei um voo até Porto Alegre só para encontrá-lo. Assim como ele veio para São Paulo a trabalho quando saímos pela primeira vez, agora ele viajara para o Rio Grande do Sul. Eu nunca tinha ido para Porto Alegre, então fiquei animada duas vezes! 🤗

Ao pisar no aeroporto de Congonhas, imediatamente me lembrei da minha última viagem marcante e a nostalgia foi muita. Tinha me esquecido da sensação de prazer que um aeroporto pode nos remeter, dependendo da viagem que nos espera. Talvez por estar empolgada com esta, me lembrei de uma outra que me fez a mulher mais feliz desse mundo, que foi quando realizei o meu sonho de conhecer os Estados Unidos, ano passado. Ahh como eu queria ir pra fora de novo, apesar daquele voo horroroso de dez horas.

Adoro olhar para fora da janela quando o avião está subindo. A cidade vista de cima parece uma grande maquete e conforme vai ficando cada vez mais alto é como se as pessoas que aqui habitam, já não existissem. Carros se tornam formigas, pessoas seres invisíveis, montanhas e rios não mais tão infinitos assim. Logo a vista de cima parece uma grande pintura, como se você estivesse vendo o planeta Terra de fora.

Como eu tinha sido muito inteligente em esquecer de levar os meus dois carregadores (do celular pessoal e do de trabalho), poupei a bateria que estava sendo gasta comigo ouvindo música e peguei o livro que escolhi para me acompanhar nessa viagem. “Ninguém é de Ninguém” da querida Zibia Gasparetto. Comprei este livro há mais de um ano – quando ainda morava em Guarulhos – e assim como muitos outros comprados e ganhados, estava intocado na minha estante, esperando pelo seu momento. A propósito, aproveito para destacar um trecho do livro que gostei muito: “O segredo para a felicidade é escolher a comédia e largar o drama” (pág 26).

Li umas boas páginas do livro, até que de repente se apagaram as luzes do voo. Eu sei que poderia usar aquelas lanternas individuais do teto, mas quis poupar o meu vizinho de ter que lidar com uma luz na sua cara. Peguei meu celular e aproveitei para ouvir mais um pouco de música, enquanto ainda tinha bateria. Vou trazer aqui abaixo a música que ouvi naquele momento. Parte da trilha sonora da minha viagem, ainda que uma música um tanto romantizada para a ocasião.

De repente aconteceram umas coisas estranhas durante o voo, fazendo com que a minha trilha sonora trouxesse mais drama ao momento. Turbulência. As vezes o avião descia muito rápido de modo que senti aquele frio na barriga de quando estamos numa montanha russa. Fiquei com um pequeno medinho da morte. Olhei para as pessoas ao lado e algumas também demonstravam um sutil olhar assustado.

E com tanta coisa importante para eu pensar caso eu morresse, fui pensar no tanto de relato que já estava pronto, salvo nos rascunhos do blog, especulando se a pessoa de minha confiança que tem a senha de todas as minhas redes sociais de trabalho, teria a malícia de revisar o conteúdo e postar do mesmo jeito, como aqueles artistas que mesmo depois que morrem continuam lançando coisa nova rs.

Daí reparei que constantemente uma luz piscava lá fora. “Deve ser a luz do avião”, pensei enganadamente inteligente, até que reparei melhor que tais luzes piscavam em pontos diferentes das nuvens. Quase não acreditei quando descobri que aquilo eram raios. Eu tinha visto a previsão de Porto Alegre, de frio e chuva, mas ainda assim achei impressionante aquele pisca pisca constante. Não havia intervalos entre uma piscada e outra e pensei: para onde será que todos aqueles raios oriundos de uma nuvem enorme e sinistra estavam sendo direcionados? 🤔

Enfim o avião pousou e fiquei feliz por isso. Feliz por não ter morrido com aqueles sacolejos e mais feliz ainda por estar cada vez mais perto o momento de reencontrar aquele homem e passar a noite inteira com ele. ❤️ Troquei a música que ouvia para “Season Of The Witch” da Lana Del Rey, que já havia se tornado a nossa música tema desde o nosso primeiro encontro.

Dei uma leve congelada do lado de fora do aeroporto enquanto esperava o meu Uber e durante essa espera constatei como de fato taxistas são implicantes. Até com eles mesmos arrumam encrenca. O cara que trabalhava chamando os passageiros para os táxis brancos, começou a brigar com o motorista do táxi laranja, dizendo que ele não podia estacionar ali. Até entre eles há rivalidade, achei desnecessário tudo aquilo, como se não tivesse passageiros para todo mundo.

Não achei Porto Alegre grande coisa. No trajeto do aeroporto até o hotel Blue Tree Towers Millenium não havia nada de extraordinário na vista. O motorista justificou que a parte boa era do outro lado e avaliou que aquela parte da cidade era similar a parte feia do centro de São Paulo. E era mesmo.

Enfim cheguei no hotel, me identifiquei na recepção e o recepcionista, incrível e solicito que conseguiu um carregador de Iphone para mim, me escoltou até o quarto em que o Fenomenal me aguardava.

Que delícia revê-lo. Desta vez não vestia roupa social, mas ainda assim estava elegante, com aquele suéter. Me deu um beijo de língua delicioso depois que entrei e a porta se fechou atrás de nós, mas, não foi um beijo afobado que desencadeou numa transa selvagem. Pelo contrário, foi apenas um beijo de saudade e então nos afastamos para conversar como pessoas civilizadas, com ele novamente me servindo um Moscatel (desta vez não teve nenhum acidente com a garrafa rs). 

Vez ou outra nos topávamos pelo quarto e acabávamos nos beijando de novo, mas tudo era feito com bastante calma e no seu tempo, o que apreciei bastante, afinal tínhamos doze horas pela frente, para que pressa? Nos sentamos no sofá e engatamos uma conversa enquanto eu bebericava o meu vinho e ele seu saquê. Sabe aquela conversa fluída que começa em determinado assunto, depois vai para outro nada a ver e as conversas parecem nunca ter fim de tão agradáveis que são? É muito gostoso conversar com pessoas inteligentes. Claro que não foi só conversa a noite inteira, mas essa prosa do início do encontro foi a mais marcante.

Certa altura, me sentei em seu colo de frente para ele, momento em que nos beijamos de um jeito mais sensual, me deixando cada vez mais excitada, coisa que ainda não tinha acontecido com os beijos anteriores da noite. Entre um beijo e outro, até li para ele o rascunho do nosso primeiro encontro (que ainda não tinha sido postado) e foi muito gostoso relembrarmos de cada detalhe juntos. Aquele texto gigante que devo ter lido em não menos que dez minutos, fazendo as devidas entonações, arrancando risos dele e alguns olhares de cobiça em determinadas partes. Acho que já posso começar a investir em audiobook rs.

Enfim fomos para a cama, onde tudo desenrolou de maneira ainda mais maravilhosa. Ele queria me chupar primeiro, mas fui mais esperta e o encurralei sem cueca. Primeiro eu, depois ele e então os dois, num delicioso 69. Nos chupamos bastante naquela noite. As preliminares foram longas, como se não houvesse amanhã. E quando finalmente encapou e me penetrou, eu já estava quase subindo pelas paredes.

O primeiro round foi no papai e mamãe. Ele aguentou bastante, ainda que diversas vezes reduzisse a velocidade quase parando, quando eu queria sentir alta voltagem. Gozei maravilhosamente com o auxilio do meu brinquedinho e em todas as vezes que transamos, ele sempre deixava para vir depois de mim, o que gostei bastante. Homem que não é egoísta na cama já é muito bom, vindo de cliente então é de tirar o chapéu. 👏🏻

Quando terminou, foi no banheiro se lavar e jogar o preservativo fora e ao retornar, sugeri que pedisse algo para comermos. Já era 23h (eu cheguei por volta das 19h) e eu estava morrendo de fome (ainda mais depois de toda aquela atividade). Acabamos escolhendo um penne e nesse meio tempo quase transamos de novo. Digo quase, pois, quando as coisas começaram a esquentar outra vez, demos uma segurada por conta da comida estar prestes a chegar a qualquer momento. No entanto aquela comida não chegava nunca, nos atrapalhando duas vezes. A fome de comida e a fome de sexo.

Após mais de meia hora que havíamos feito o pedido, incentivei que ele ligasse de novo, já que aquela demora estava ficando um tanto demais. “Estamos finalizando” foi o que o atendente disse, mas a comida só chegou mais meia hora depois. Suspeitamos que não haviam computado o nosso pedido da primeira vez.

Após o banho, ele vestiu um samba canção estampado e uma camiseta branca. Tirei um sarro, pois achei que ele dormiria pelado, assim como eu, mas, confesso que no fundo achei sexy aquele seu “pijama” rs. Fiquei o atiçando a todo momento. “Vamos chamar a comida” falei toda diabinha, sabendo que a partir do momento que começássemos a fazer alguma coisa, com certeza seríamos interrompidos. Como de fato aconteceu. (Lei de murphy nunca falha.)

Quando o funcionário do hotel chegou com a comida, corri para o banheiro, que eu estava nua de novo e ele foi atender a porta de pau duro. “Comemos ou transamos?”, ele perguntou quando estávamos a sós de novo. Eu estava faminta, mas também com tesão, então escolhi a segunda opção, ainda que levemente preocupada que a comida esfriasse.

Desta vez ele me pegou contra a parede, que delícia de transa, me senti literalmente uma putinha. Depois me colocou de quatro na cama, até que voltou a vir por cima. – Assim como eu, percebi que ele também curte um papai e mamãe. – Concordamos que transar olhando no fundo dos olhos do outro e nos abraçarmos ao mesmo tempo, é de fato mais interessante àquela sensação enorme de prazer.

Dessa vez gozei me masturbando com a mão mesmo (na raça, sem brinquedinho) e poucos segundos depois que fui, ele perguntou se também podia ir. Achei bonitinho ele pedir a minha autorização. Será que teria segurado se eu dissesse que não? 🤔

Mais uma pausa e novo banho (não estou enfatizando os momentos da camisinha, apenas para poder deixar o relato mais provocante, mas isso não quer dizer que não usamos) e então nos sentamos a mesa para comer. O macarrão estava delicioso, mas ainda assim não chegamos a limpar o prato. Dentes escovados, nos deitamos na cama com a TV ligada, passando o filme: “Minha Super Ex-Namorada” em algum canal que desconheço.

Me deitei de costas para ele (a  famosa conchinha) e ele me atentou para um terceiro round. De ladinho. Já estávamos plenamente aconchegados debaixo das cobertas e desta vez o fiz se levantar para ir buscar a camisinha. Rolou uma sessão de 69 antes da sua entrada e me surpreendi com a disposição daquele homem, uma vez que parecia tão sonolento quanto eu. “Culpa da sua pele”, ele dizia. Acredito que como todas as outras transas, terminou com ele gozando no papai e mamãe. Ou será que ele não gozou nessa? Já nem lembro mais…

Enfim hora de dormir. De repente me deu um ataque de riso que gostaria de lembrar o motivo. Eu ri de chorar (juro, escorreram várias lágrimas) e estava ficando constrangedor toda aquela risadaria, uma vez que só eu estava gargalhando. Fiquei com dificuldade até para respirar e tive que me concentrar para parar de dar aquele vexame. Enfim me calei e apaguei. Acordei somente quando disparou o alarme do meu celular. Ele disse a verdade, quando mencionou que não roncava. Mais perfeito impossível. ❤️

No dia seguinte (ou naquele mesmo dia, já que quando dormimos passara da meia noite) não rolou a costumeira transa matinal, pois eu precisava voltar para São Paulo o quanto antes, uma vez que esse pernoite foi marcado de última hora e eu  precisava honrar outros compromissos. E no caminho do aeroporto, aproveitei e tirei algumas fotos para documentar melhor a viagem:

Sendo ao mesmo tempo agraciada com as suas gentis mensagens:

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.