Cuidado com Bookers!

Querido diário…

Eu nunca te contei, mas por um período, enquanto acompanhante, eu tinha um desejo latente em ser agenciada por Booker. Mesmo que ele ficasse com um percentual do encontro, pois imaginava ganhos mais interessantes, além da oportunidade de me relacionar com clientes de poder aquisitivo maior, que talvez não se arriscassem contatando uma gp diretamente, sem um intermediário lhe garantindo total anonimato.

No entanto, apesar de ter muitos bookers à solta por aí, só tive duas experiências e uma delas foi bem traumática (hoje já superada). A primeira experiência foi mais light. Uma mulher. Ela queria marcar um almoço para conversarmos, mas foi logo quando comecei, minha agenda bombava, eu não conseguia uma brecha para encontrá-la e sempre priorizava os meus clientes. Ela insistiu por um tempo, até recomendou que eu ocultasse o valor do meu cachê no meu site, recomendações essas que ignorei. O blog é meu e eu deixo disposto a informação que eu quiser, pensei. Ela acabou desistindo e não me contatou mais.

A segunda experiência que tive já foi mais intensa. Presencial.

Quem me acompanha há mais tempo, deve lembrar de uma postagem que fiz com o título “Despedida de Solteiro”. Foi um post muito acessado, em que relatei a minha participação nesse tipo de evento com outras acompanhantes. Infelizmente a postagem não está mais disponível no blog, as meninas que estiveram presentes já não atendem mais e vez ou outra me enviavam mensagens para que eu removesse os seus nomes. Para evitar de ficar editando toda hora, preferi ocultar.

Nessa despedida, conheci uma garota que não foi citada em tal relato, pois no evento em si não tivemos nenhuma interação. Era uma ruiva, com um ar de sabichona. Ela falou sobre um booker que a agenciava e vendeu a ideia como se fosse a coisa mais incrível do mundo. Para ser agenciada por ele, bastava apenas uma visita no seu apartamento para que ele me conhecesse e se gostasse de mim, estaria no esquema! Confesso que no fundo achei um pouco estranho que fosse somente isso e questionei mais alguns pontos, mas a ruiva foi muito enfática, dizendo que ele era gay, e que no mínimo seria divertido ir lá conhecê-lo. Se a própria estava dizendo isso, confiei.

Na época eu ainda residia em Guarulhos, mas já morava sozinha, e não tinha muita manha de andar em São Paulo. Até então, só encontrava os clientes nos hotéis Lido, Gloria ou Metrópolis, por estarem localizados próximos a estações de metrô. Não tinha o hábito de usar Uber (coisa que só comecei a fazer mais tarde, quando me mudei para São Paulo). Combinamos que eu iria até o apê dele por minha conta (no Morumbi) e na volta ele chamaria um Uber pra mim, até Guarulhos.

Cheguei no apartamento dele por volta das 19h ou 20h, não me recordo ao certo, só sei que já tinha anoitecido. O prédio, na época, me pareceu bem sofisticado, assim como o apartamento dele, que possuía até uma jacuzzi na varanda. Ao me receber tive a impressão dele ser bem articulado, carismático. Me ofereceu uma bebida (cuja garrafa ele abriu na minha frente), bebericamos, conversamos, ele me mostrou algumas partes do seu apartamento, disse que era dono de uma marca de maquiagem e ainda me mostrou alguns mimos que eu ganharia quando fosse embora (bolsa e maquiagem).

Após um tempo de conversa na varanda, com a jacuzzi atrás de nós borbulhando naquela luz verde que emergia de dentro da água, e uma música agradável de fundo, ele começou a ficar mais à vontade. Tirando sua roupa. Não ficou completamente nu, mas ainda assim foi estranho uma pessoa se despir daquele jeito sem nenhum contexto. Depois quis me mostrar o restante do seu apartamento e chegamos no quarto. Ele se sentou na cama e percebi que queria algo a mais comigo.

Sendo bem sincera com você, não vou ser hipócrita dizendo: “Teste do sofá? Que coisa imoral! Jamais faria!” O problema aqui é que: eu fui enganada! Aquela ruiva aliciadora disse que ele era gay! Não disse que eu precisaria mostrar quaisquer “habilidades”. E sério, se ela tivesse sido transparente quanto a isso, eu talvez aceitaria da mesma forma, mas iria outro dia, em outro momento, mais preparada para aquilo.

Naquele dia eu tinha atendido três clientes e três era o meu limite diário. Mais do que isso minha xana ficava assada, me impedindo de trabalhar pelos próximos dias. Então não é que eu não estava disposta a transar com ele se fosse preciso, eu não estava disposta Naquela noite. Me senti ludibriada e não estava preparada fisicamente, nem psicologicamente para isso.

Ele tentou me beijar, me seduzir, mas não rolou. Não me forçou, mas via-se que ele não estava gostando da rejeição. Nosso encontro minguou e no seu comportamento pude perceber que se eu não queria dar para ele, então não fazia sentido a minha presença ali, reduzida a uma grandiosa insignificância. Não me deu os tais mimos, chamou o Uber pra mim e me acompanhou até a portaria do prédio.

Eu disse para ele que podíamos marcar outra data, que naquele dia eu já tinha atendido e não estava disposta (preocupada ainda em dar satisfações) e ressaltei que a garota disse que ele era gay. Ele manteve a cordialidade, mas o que veio a seguir me mostrou que ele só estava mantendo a pose.

Nos despedimos e me encaminhei até o Uber que ele tinha chamado. Um minuto depois que a corrida iniciou, ele a cancelou, comigo dentro do carro. Achei aquilo tão baixo. Na hora me bateu o desespero e lhe enviei uma mensagem, perguntando porque ele tinha feito aquilo. Ele respondeu o seguinte: “Se você não tem obrigação de transar comigo, então também não tenho obrigação de pagar a sua viagem”. Ainda recebi mensagens malcriadas da ruiva por eu ter revelado que ela o apresentou como gay, sendo que a errada, por ter mentido, era ela!

Eu comecei a chorar dentro do carro, assustada com a situação. Eu não tinha o hábito de pegar Uber e desembolsar mais de R$ 100 numa corrida pra mim era uma fortuna (ainda é na verdade, rs). O motorista foi super bonzinho, tentando me acalmar, devia ter achado que era um namorado meu me sacaneando, não fazendo a menor ideia de que eu era uma gp e que quem chamou a corrida foi um booker criminoso. Por sorte eu tinha dinheiro na bolsa, dos atendimentos do dia. Paguei a viagem com dignidade, mas fiquei realmente muito transtornada com toda aquela situação.

Eu jamais havia sido tratada com tal desrespeito, por ninguém e tampouco pelos clientes, ao contrário, era mimada e paparicada, então aquela situação pra mim foi a pior experiência possível. Hoje, quando olho pra trás, não acho mais tão assustador assim, mas na época foi muito. Era o meu segundo ano como acompanhante, cabaço em muitas coisas, fiquei traumatizada de lidar com outros bookers. Ainda fiquei me culpando, pensando: “Se eu tivesse dado pra ele, nada disso teria acontecido”.

Na época fiquei com muita vontade de soltar o verbo aqui, nessas páginas, igual eu sempre fazia com os clientes desagradáveis ou com as postagens do “Cuidado Ao Abordar Uma GP”, mas eu não sabia o alcance do meu blog, temia chegar até ele e sofrer alguma retaliação, visto que ele tinha o meu endereço no seu aplicativo do Uber.

Quatro anos depois, em junho deste ano, descubro que ele foi indiciado por tráfico de mulheres! Saiu numa edição do Fantástico a reportagem:

 

Na época me culpei por não ter dado certo, mas a vida se encarrega de todas as coisas. Ainda bem que não rolou! Me ralei no chão para evitar que um acidente maior acontecesse e o machucado fosse mais profundo.

Por essas e outras que decidi lançar o serviço de Coach para garotas iniciantes. Acho que muito da minha experiência como acompanhante poderia ter um propósito ainda maior, tive muito crescimento pessoal e financeiro, nesse período de quase 6 anos. Sempre existiu a prostituição e sempre vai existir! É a profissão mais antiga do mundo! Modelo ficha rosa, acompanhante, messalina, garota de programa, puta, meretriz, muitos nomes, pequenas diferenças, a atividade principal continua sendo a mesma. Então por que não ensinar a essas mulheres os traquejos da profissão? Principalmente as novas, sem que elas precisem penar para entender como funciona esse mercado. Dicas para que situações recorrentes sejam evitadas e que “ossos do ofício” também possam ser encarados de forma mais amena possível.

Eu tive sorte, não tive traumas. Mas quem garante que com todas também será assim?

 

3 comentários em “Cuidado com Bookers!

  1. Concordo plenamente com a sua postura e vou além o seu próximo livro de coaching vai ser um serviço de utilidade pra muitas mulheres que desejam iniciar como gp. A prevenção ainda é a melhor solução, evitando assim que muitas mulheres venham a ser prejudicadas e exploradas! Vc a cada dia nos surpreende mais e mais!! 👏🏼👏🏼

  2. Sara Müller,

    Lembrei dessa reportagem. Jamais poderia imaginar que você conheceu esse crápula.

    Que bom que esse sacana foi desmascarado.

    Que bom que esse babaca ficou no vácuo com Sara Müller.

    Uma linda e experiente gp me ensinou: “foda adiada é foda perdida”. 😅

    Esse cara perdeu o que poderia ter sido a melhor foda da vida dele… não teve paciência… dançou. Hahaha

    Amei esse seu relato. É muito bom conhecer cada vez mais sobre suas vivências… preferia que fosse num bate papo tomando um drink com você.
    🥰🥰🥰

  3. Caramba, Sara! Aí da bem que você teve esse “livramento” desse cara..e as atitudes dele com você também mostram o tipo de criatura que estava, ainda bem, com você não conseguiu nada.

Deixe um comentário

You have to agree to the comment policy.