Cliente 28 – “O Cabaço”

Esse cliente foi agradável, tão agradável que até me levou presente, mas infelizmente sua performance não foi tão boa assim rs. O ruim de relatar no blog é isso, pois na maioria dos casos sei que a pessoa vai ler, mas não posso deixar de ser sincera, como venho sendo em todos os relatos. Quero que ele saiba que não deixaria de sair novamente (apesar dele ter dito que não sairia de novo com GP, pois achou a experiência “estranha”) por conta do que irei relatar, afinal ele só precisa de mais prática (bastante inclusive rs).

Eu fui sua primeira experiência com garota de programa e disse ter sido estranho, não por mim, mas por todo o contexto de pagar alguém e entrar em um hotel sozinho. Mas vamos ao início. Quarto 214. 19 anos (afirmou que não era virgem). Abriu a porta somente de toalha e me beijou ali mesmo sem fechar a porta. Nos beijamos e infelizmente não gostei muito do seu beijo. Ele beijava como se fosse selinho, mal enconstava já voltava, só que repetidamente, tentei engatar um beijo profundo, fazendo-o beijar do meu jeito, mas não adiantou.

Enquanto eu colocava minha bolsa na mesa, dizia que eu era linda e vinha querendo me beijar. Logo de cara percebi que eu que teria que conduzir quando na verdade gosto do contrário. O encaminhei para a cama e nos beijamos lá. Também não fiquei de cerimônia pois percebi que com ele não era preciso, então não o chupei muito e já fui colocando a camisinha, meninos nessa idade não sabem o que é uma boa preliminar mesmo.

Comecei a cavalgar e nesse instante ele que só ficava dizendo “linda” pra cá e “linda” pra lá, começou a me chamar de “cachorra” e “vai cachorra” hahaha. Soava mais engraçado que excitante na verdade. Fui cavalgando no meu ritmo e quando comecei a acelerar (o que foi bem rápido na verdade) seu pau escapou e me machucou! Quando fui ver, ele já tinha gozado!! (Como assim? Em quê momento?! Não fazia nem 5 minutos que tínhamos começado a transar!) Levemente frustrada, fui encher a banheira e falei para ele ir lavar o pau no chuveiro, na verdade eu que tinha que direcionar tudo, pois depois que gozou ficou parado na cama esperando as coordenadas.

Ele foi, eu enchi a banheira (quarto com hidro) e joguei shampoo para fazer uma espuma. A banheira estava meio doida e do nada parou de encher sozinha. Apertei um botão que acreditei ser o de ligar a hidro e era, mas nesse momento subiu um cheiro estranho de esgoto, será que era do encanamento?! Achamos estranho, mas parece que depois se dissipou. Meio receosa entrei na banheira mesmo assim e ficamos um tempo conversando.

Após um tempo comecei a me sentir sufocada naquele calor e sugeri de voltarmos para o quarto. Daí ele quis me chupar e permiti toda empolgada. Rá! Nem sei porquê me empolguei, é claro que o oral dele também deixaria a desejar… Tentei dar uns toques dizendo: “mais forte”, “mais rápido”, “mais pra cima”, “mais no clitóris”, mas não adiantou. Continuava sem graça. Ele disse que era a segunda vez que chupava uma xana e que antes tinha nojo. Aff que coisa mais broxante de se dizer! –‘ Como o oral não estava agradando, peguei a camisinha e falei para me pegar no papai e mamãe, queria ver se pelo menos meter ele sabia. E não, também era uma negação! Rs.

Ele mal se mexia, parecia que não estava conseguindo meter, cheguei a sugerir outra posição pois parecia que ele estava com dificuldade de meter daquele jeito, mas aí, adivinhem! Ele já tinha gozado de novo!! Não entendi nada, sendo que ele nem chegou a meter direito. Mais uma vez frustrada rs. Falei para que fosse lavar o pau de novo e fiquei deitada na cama.

A terceira transa até que me empolguei. Ele me pegou de quatro, mas novamente não estava dando certo, escapava e ele não conseguia manter o ritmo. Deitei de bruços e falei para ele vir por trás, comecei a me masturbar nessa posição pois até estava sentindo “algo” dentro de mim. Quando ele gozou, eu estava quase lá, e ele simplesmente parou! Eu me enfureci e quase gritei ao dizer: “continua!!” rs. Até que essa transa ele aguentou mais.

Depois dessa bateu soninho nele e eu nem me dei ao trabalho de pedir que fosse lavar o pau. Ficou arriado do meu lado e aproveitei para ficar deitada sem fazer nada também. Ele ficava me olhando com uma cara de admiração que me preocupava, perguntei à ele: “o que foi?” e ele “nada, só estou te admirando”. Ai ai.

Tentei fazer com que aceitasse pedir algo para comermos (estava incluso no quarto), já que ele não estava disposto para transar e não tínhamos nada para fazer (tinha fechado 2:00), mas ele não quis.

Como ficamos alguns minutos deitados e até fechamos os olhos por algum tempo, me desanimei de transar e queria que o tempo acabasse logo, já tinha dado o que tinha que dar, e nem ele estava aguentando mais pelo jeito. De repente ele foi lavar o pau e voltou todo empolgado. Ah não. Meu sangue já tinha esfriado, eu não estava mais no ritmo rs. Falei que ia tomar uma banho (faltavam 20 minutos) mas ele não me deixou sair da cama, estava querendo mais e eu não aguentava mais a forma como beijava, nada estava mais me empolgando na verdade. Aceitei que metesse de novo e fui por cima.

Nesse momento eu cheguei no meu limite. Cavalguei de uma forma que nunca cavalguei antes, eu pulava nele, dessa vez que eu queria ele não gozava nunca! Hahaha. Pulei tanto que me cansei, não tinha mais forças para nada e me irritou que ele também não queria meter, queria que eu fizesse tudo sozinha, viu que eu estava cansada e nem tomou a frente na transa! Dessa vez ele não gozou. Eu simplesmente parei de meter e fui saindo aos poucos. Fomos tomar banho juntos.

Durante o resto do tempo (que já estava chegando ao fim), fiquei lendo o segundo relato que tinham feito de mim, li em voz alta com ele do meu lado. Quando meu celular despertou, já começamos a nos vestir. Ele me entregou um ovo de páscoa da Cacau Show. Achei fofo. A transa foi péssima mas ele era boa pessoa rs.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.