Cliente 100 – “O Centenário”

Quarto 214. Assim que entrei, após vê-lo, a segunda coisa que me deparei foram essas velas na mesa! Quando ele soube que seria o 100, teve o cuidado de preparar algo para que fosse especial, olha que fofo!! <3  Fiquei toda boba e já peguei o celular para tirar foto! Falei que só faltava ter acendido as velas, mas daí ele justificou que não o fez pelo quarto ter detectores de incêndio e apontou para o teto enquanto explicava, verdade, eu não tinha pensado nisso. De qualquer forma, com vela acesa ou não, adorei a surpresa! 🙂

Me sentei na cama e vendo que ele não tirava os olhos da TV (não era filme pornô), perguntei se era a primeira vez que saía com uma GP, ele respondeu que sim e logo voltou a prestar atenção no canal. Como continuou me ignorando, perguntei se estava nervoso ou tímido e me surpreendi com sua resposta negativa rs. Já estava quase decidindo que ia assistir TV com ele, quando num estalo, se voltou para mim e começou a me beijar! 😛

Logo me deitou na cama e aos poucos foi me despindo. Depois de um tempo de beijos, me deitei por cima dele, já me preparando para chupar seu pau. Quando tirei sua cueca, pensei “tadinha de mim”, pois mesmo não estando totalmente duro, se via que era bem dotado rs. Entretanto, meus receios foram infundados, pois em todo nosso tempo juntos, seu pau não endureceu o suficiente para transarmos. 🙁 Apesar dele não admitir, percebi que estava um pouco nervoso e depois me confessou que a situação era “estranha”. Depois que o chupei, ele me chupou também (muito bem, aliás) e depois voltamos aos amassos.

Durante as tentativas de “animá-lo”, meu celular civil começou a tocar. Eu não atendo ligações nos atendimentos, então fingi não escutar. Porém, comecei a ficar preocupada pois a pessoa insistia demais, comentei com ele que meu celular estava tocando muito, para ver se ele me dava uma brecha para atender, afinal sei que tem cliente que detesta isso, mas ele foi super tranquilo, disse que achava que era a TV e falou que eu poderia atender se quisesse. Vendo que ele não tinha mesmo se importado, pedi licença e falei que só ia atender mesmo porque pela insistência deveria ser mesmo importante, como era.

A menina que trabalha comigo ligou para questionar se eu tinha levado a chave embora (cuja chave eu teria que ter deixado, para ela poder abrir no dia seguinte), procurei na minha bolsa e realmente tinha pego por engano. Droga. No dia seguinte eu estaria de folga, então isso queria dizer que eu teria que ir até meu trabalho do mesmo jeito, já que ela não teria como abrir sem a chave. Acordei isso com ela e voltei para ele.

Após uns três minutos, meu celular tocou novamente. Era a menina de novo, dizendo que também não conseguia fechar a loja, pois precisava da chave pra fechar determinada parte. Droga!! Dessa vez não teria como escapar, falei para ela me esperar que eu ia levar a chave, ia demorar um pouco até eu chegar, mas não teria jeito. Ao desligar me voltei para ele toda sem jeito, dizendo que ia precisar encerrar nosso encontro e ofereci duas opções:

• Ele poderia me aguardar e retomávamos quando eu voltasse;

• Encerrávamos ali e acertávamos por um valor menor.

Quando dei as opções, ele me devolveu o poder de escolha e fiquei sem saber o que dizer, pois na verdade, nenhum dos dois para mim era vantajoso, só tinha se passado cinquenta minutos desde que cheguei e até eu voltar ficaria tarde para eu ir embora depois. Então, enquanto decidíamos o que fazer, meu celular tocou outra vez! Eu já estava ficando sem graça, mas não podia ignorar a ligação. A menina disse que tinha dado um jeito de fechar e falou então só para eu ir no dia seguinte levar a chave, fiquei mais aliviada.

Voltei aos beijos e amassos com ele, mas devido aos imprevistos e até mesmo por ele já não estar conseguindo se “animar” antes, acabamos ficando só conversando e trocando carícias. Ele era uma graça e muito, mas muito compreensivo. Disse que acompanhava meu blog há alguns meses e que quando dei aquele tempo, achou que nunca fosse conseguir me conhecer. Também revelou que esperava que eu fosse feia de rosto rs, apesar de eu eu parecer muito bonita pelas fotos rs. Conversamos muito e ele me pareceu ser uma pessoa muito bacana. Depois fui me banhar, ele também (mesmo que não tenha rolado nada), e fomos embora juntos até a recepção.

11 comentários em “Cliente 100 – “O Centenário”

  1. Huahua ri muito com a situação da chave e da brochada…
    Dizem que a primeira vez agente nunca esquece, mas a realidade é que a primeira brochada agente nunca esquece kkk O porcaria pra ferir o orgulho de um macho kkk
    Bom, pelo menos serviu pra ver que não sou só eu que brocho…
    O cara devia ser bem tranquilão mesmo pq foi super compreensivo com a historia da chave e pareceu não se abalar com a brochada… Quem me dera ser assim kkk.

      1. Que bobagem isso de brochada. Tirando o efeito do álcool, ou o estresse físico, ou até mesmo o estresse psicológico (situações que você jamais deve tentar fazer sexo) a falha só ocorre quando você escolhe a mulher errada. A mulher errada para você, não quer dizer que não seja a certa para outro.

        Quando você sente que não era o que você esperava, se você for honesto com você mesmo vai falhar sim. Se você sente tesão por alguém e esse tesão é correspondido não vai falhar nunca.

        Quando o caso é com uma GP então você tem que avaliar se ela realmente lhe oferece tudo que você espera dela. A escolha é sua.

        Já me aconteceu algumas vezes de parar tudo nos primeiros 15 minutos, pagar e ir embora. Já me aconteceu também de parar e não pagar porque ela não cumpria o combinado. Não tem nada de errado e muito menos de anormal nisso. Uma GP profissional mesmo entende que ela não tem que gostar porque ela vendeu seus serviços. Tem que ser agradável mesmo não gostando do parceiro e tem também o direito de desistir.

        Não espere pela Sharon Stone e nem tente ser o Richard Gere para ela. A sedução e o prazer estão muito acima da aparência física. E não seja tão critico com a brochada. Lembre-se sempre foi um erro seu, dela ou de ambos. Vai acontecer sim e se repetir. Aprenda com esses momentos.

      2. Caro Afonso, muito obrigado pela aula sobre brochada kkk
        Sei que devemos aprender com os erros na vida… No meu caso brochei pq estava nervoso (ou seja, razão psicologica) e pode ser que o amigo centenário ai tbm kkk…

        No outro post vc disse que não podia sair com a Sara e bla bla bla… Pensei que era do time que nunca saiu com uma GP, mas pelo oq falou nesse post parece que vc já foi putanheiro experiente… Aposentou ? kkk

  2. Caramba,

    Uma pena que o centésimo cliente tenha tido o encontro marcado por tantos imprevistos, por outro lado, sorte que estava bem acompanhada quando isso ocorreu, não deixa de ser especial pois acima de tudo mesmo nessa confusão toda ele foi compreensivo… Espero que role um repeteco e o centenário consiga desfrutar 100% da sua companhia, ele merece. 🙂

  3. Não aposentei não Weasel e adoro GP. Sou do tempo do La Licorne, Liberty Plaza, KILT (na Nestor Pestana) e alguns outros famosos recantos. Hoje substituídos pelo café Photo e outros. Longe de terem o mesmo conteúdo dos que os citados outrora tiveram. Adoro meninas bonitas e espirituosas que sabem o que querem, porque eu sei o quero.

    Disse que não poderia sair porque venho lendo os relatos e não me considero no contexto dos conteúdos e acho que nem ela no meu. Isso não quer dizer que não goste da leitura e de me envolver no clima. Confesso que fico tentado, mas não creio que seria oportuno. Fazer sexo por fazer eu já fiz muito na vida e hoje me disponho a me envolver em momentos muito especiais.

    Fiz o comentário da brochada porque vocês mais jovens levam isso muito a sério. Não existe nada mais gostoso de apreciar que uma mulher sensual (leia que eu não disse bonita). Não vejo esses encontros como mais uma marquinha no caderninho e sim como algo a ser lembrado com muito carinho. Já me aconteceu de sair com uma menina. Passar horas com ela bebendo alguma coisa, conversando e sequer me passou pela cabeça fazer sexo com ela. Jamais me esqueci dela e nem vou.

    Aprenda que muitas vezes o prazer não está em fazer, mas sim em participar dele. O orgasmo nem sempre é o apogeu do sexo.

    Grande abraço.

    1. Estou aprendendo essa coisa de que o melhor sexo não é NECESSARIAMENTE meter 1H sem parar no c* da garota e gozar 1 litro estilo ator pornô… kkk

      “Fazer sexo por fazer eu já fiz muito na vida”
      E ainda reclama !? kkk

      Respondi vc lá no facebook… Até mais, Weasel.

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.