Cliente 2 – “O Estranho”

Quando saí do hotel, após a minha “estréia”, pensei que seria um desperdício fazer todo o trajeto de volta, já que gastei mais tempo no percurso do que no programa em si. Lembrei que o cliente de terça-feira (que também tinha marcado no mesmo local) havia pedido para antecipar para segunda, se fosse possível, e lembrei de um outro que queria para terça. Então resolvi ser prática, adiantei o de terça, para poder atender um outro em seu lugar.

Dei um tempo em uma lanchonete, enquanto ele se encaminhava para lá. Devia morar nas redondezas pois chegou rapidamente. Esse havia fechado por 1:30, e pela foto do “whats” não me pareceu muito interessante. Dessa vez, quarto 113. Já foi me encaminhando para a cama com poucas palavras. Me deitou e começamos a nos beijar. Tentei abrir sua blusa, mas ele não deixou, nas duas tentativas que fiz, tirou minha mão com delicadeza, foi quando compreendi que não queria ficar sem roupa. Ele não fazia muita coisa, apenas me alisava e me olhava. Não pronunciava sequer uma palavra! Estranhamente me perguntou se eu ficaria com ele, se não fosse pagando. Extremamente carente. Tirei sua bermuda jeans e cueca, afim de lhe fazer um bom oral. Não era muito dotado, e infelizmente seu pau tinha um cheiro ruim. Não chupei muito, pois ele reclamou de dor. Estranhei e voltei a deitar ao seu lado e dessa vez tirei meu vestido. Ele colocou meu braço em volta dele, de uma forma que eu o estivesse abraçando. O outro braço direcionou ao seu pau, para que eu lhe masturbasse. Enquanto eu o fazia, ora me olhava, ora olhava em meus seios. Nada dizia. Trocamos alguns selinhos aleatoriamente durante esse tempo. Virei de costa para ele, e fiquei me esfregando em seu corpo para ver se se animava a fazer ou falar algo além daquele silêncio e punheta. Ele se animou um pouco e me deus alguns tapas de leve no rosto me chamando de “safada”, questionando se havia gostado do pau dele. Resolvi que seria a hora de transarmos e perguntei se ele gostaria naquele momento. Ele concordou e fui buscar a camisinha. Quando tentei colocar, seu pau foi amolecendo simultaneamente. Não conseguimos penetrar. Ele me deitou novamente a seu lado e voltamos para a masturbação. Quando faltava 30 minutos para encerrar o tempo, o lembrei do horário e que queria que ele gozasse para mim antes do tempo acabar. Ele obediente, dali a pouco gozou em minha mão. Ofereci de tomarmos banho juntos, já que ele havia melado sua própria perna, e ele recusou, dizendo que havia tomado banho ao sair de casa. Mais uma vez estranhei pois além de ter se sujado de porra, o cheiro do seu pau denunciava o contrário.

Um comentário em “Cliente 2 – “O Estranho”

Deixe uma resposta

You have to agree to the comment policy.