Princesas do Ménage à Trois – Parte 2

Querido diário,

Desta vez nosso ménage foi com um cliente conhecido meu, já relatei sobre ele aqui no blog, o Sugarman, que aproveitou a oportunidade para conhecer a Manu também. Fomos encontrá-lo em seu apartamento. Assim que chegamos no seu andar e o elevador se abriu, ele já nos esperava com a porta aberta. Nos recebeu com um beijo caloroso em cada uma e então nos serviu um espumante.

No trajeto até a sua casa, estávamos jogando conversa fora pelo instagram e rolou uma conversinha boba sobre ele ser bom cozinheiro. Coincidentemente eu e a Manu não tínhamos conseguido jantar antes do encontro, por conta da chuva repentina que nos atrasaria, então ele ofereceu de nos mostrar seus dotes culinários naquela noite. 😛 O assunto do jantar surgiu antes mesmo de engatarmos alguma coisa. Tínhamos como opção um bacalhau que ele cozinhara mais cedo e tirou da geladeira para nos mostrar, ou cozinharia uma pasta ali na hora. Não queríamos dar trabalho, então escolhemos o bacalhau que já estava pronto e seria mais rápido. No entanto, antes de comermos, agora sim partimos para a ação primeiro. 😈

Como um educado anfitrião que é, mostrou todo o seu apartamento para a Manu e quando passou pelo quarto, ao ouvir meu comentário, em que eu dizia que a sua cama eu só conhecia de vista – já que sempre transávamos na sala – , acrescentou que naquela noite transaríamos todos nela. Hummmm. Já ficamos por ali mesmo, Manu começou a se despir e fui tirando minhas poucas peças de roupa também. Iniciou-se as preliminares infinitas, aquelas que não necessariamente vão resultar numa transa e nunca terão fim. Ora chupava a bucetinha da Manu, ora a minha, ora as duas chupavam o pau dele, ora nos beijávamos, ficamos um bom tempo nesse revezamento gostoso. Em torno de meia hora depois (ou mais), fizemos uma pausinha para o jantar.

Todo gentleman, serviu a refeição em cada prato, levou ao microondas e enquanto eu e a Manu jantávamos – ele não quis comer com a gente – o assistíamos tocando bateria. Sim, ele tem uma mini bateria na sua casa!! Essa foi novidade! Depois que terminamos de comer – a propósito, ele realmente cozinhava muito bem! – , ele quis que experimentássemos tocar também! Rs. Tivemos ali um momento de descontração de um jeito diferente, rs. Eu nunca tinha tocado bateria na minha vida e acho que a Manu também não! 😁

Depois, aos poucos, os papos sobre música foram cessando e voltamos a putaria. 😈 Retomamos aquelas preliminares deliciosas, até que ele decidiu por comer a Manu, que era a novidade no quarto. 👄 A colocou de quatro com aquela bundinha arrebitada e enquanto ela me chupava, fincou nela bem gostoso, até gozar. 😏💦💦 À essa altura não nos restava mais tanto tempo – combinamos 2h – apesar dele insistir para que ficássemos.

Agora vamos para a segunda parte da história! 👀

O Ménage que virou outro Ménage!

Ele ficou insistindo muito para que ficássemos por mais algumas horas. Manu não poderia de jeito nenhum, quanto a mim, aproveitei para ouvir a sua proposta. Ele disse que uma ‘namoradinha’ dele chegaria em meia hora, que ele adoraria fazer uma festinha com a gente. Me ofereceu uma quantia descabida, que me fez preferir voltar para casa, até que, diante da minha iminente partida, concordou com o valor que eu achava justo para aquela demanda de uma última hora, altas horas da noite. Assim sendo, Manu se foi e continuamos ali, firmes e fortes, eu e ele. ❤️

Fiquei na dúvida se sua ‘namoradinha’, por acaso, também era uma acompanhante, mas ele se limitava a dizer apenas ‘namoradinha’, sempre que eu tentava adquirir maiores informações, rs. Ele sequer a preparou para o ménage, lhe enviou uma mensagem dizendo que tinha uma surpresa esperando por ela, apenas isso. Me orientou que não gostaria que ela soubesse que sou garota e que era para eu dizer que trabalhava com ele, no escritório de advocacia. Prazer, Sara, advogada. 😎 Também pediu a minha ajuda para que a deixasse mais a vontade. “Mas você não disse que ela gosta de uma festinha?” Perguntei desconfiada e ele desconversou, reforçando que contava com a minha ajuda, rs.

Quando o elevador chegou com a moça, ele tinha ido em outro cômodo fazer não sei o quê e sobrou para mim recepcioná-la. Seu nome era Júlia, estudante de moda, ruiva, muito novinha, cara de 19 anos. Ela vestia uma calça jeans preta larga, tênis, apenas a parte de cima era mais atraente, uma tomara que caia preta com fenda trançada. O seu cabelo era a coisa que mais chamava atenção nela: longo, liso, um tom de ruivo que apesar de não ser natural, era lindo do mesmo jeito. Fiquei encantada por ela!

Ele voltou, fez as devidas apresentações e fui colocada numa tremenda saia justa, quando ela fez mais perguntas das minhas funções no trabalho dele. Torci para que ele interviesse e respondesse por mim, já que foi tudo invenção dele, mas vendo que ele não se manifestaria, tive que improvisar de última hora e só falei “criminalista”. Rapidamente retomei a posição de quem faz as perguntas e sem dar chances para que ela perguntasse mais alguma coisa, voltei a perguntar coisas sobre ela. 😅 Ele serviu espumante para ela também e fomos todos para a sala.

Adorei a garota. Pelas fotos que ele mostrara, esperava que fosse espalhafatosa e realmente festeira, mas ela era muito na dela, diria até um pouco tímida. Vagarosamente a putaria foi desenrolando, conforme ele foi conduzindo, já que eu ela estávamos no maior papo. Ele a deixou nua e se abaixou para chupá-la, com ela ainda de pé. Aquela cena foi muito tentadora e quando ele saiu de lá, precisei fazer o mesmo. 👅 Ela era mesmo uma delícia!

Depois ele nos conduziu para o sofá e me chupou deliciosamente por algum tempo, com ela ao meu lado, também sendo masturbada por ele. O danadinho dava conta das duas! Depois falou para ela me chupar também. Júlia avisou que talvez sua performance não fosse muito boa, que não tinha muita experiência, mas achei que foi na medida! Depois foi a minha vez de chupá-la mais um pouco, enquanto ele se masturbava assistindo. Como eu estava ajoelhada numa almofada, ele encontrou uma brecha de me pegar naquela posição mesmo, me penetrando comigo de quatro. Humm que delícia! 😛

Estocou por algum tempo até que fizemos uma pausinha e então foi a vez dele ser agraciado pelas duas. 😈 Ela no pau e eu nos mamilos dele (tinha esquecido que ele curtia, até me pedir para dar uma atenção neles), depois invertemos, fui para o pau, ela nos seus mamilos, com ele extasiado sempre repetindo o quanto estava gostoso e o quanto queria que continuássemos. Ficamos um bom tempo assim, nas preliminares infinitas que ele tanto gosta, até que ele mesmo fez uma pausa para ir ao banheiro.

Nesse momento aproveitei para conferir o horário e já tinha estourado meia hora do nosso novo combinado de 2h. Perguntei para ela até que horas tinha combinado de ficar com ele, cogitando irmos embora juntas, mas seria dali uma hora e apesar de estar gostoso, decidi abandonar o navio, pois estava começando a ficar com sono e cansada.

Enquanto me acompanhava até a saída, novamente ele tentou me convencer a ficar, desta vez virar a madrugada, mas tive que recusar, não estava preparada fisicamente para uma noitada daquela, rs. Intenso ele! Sugeri marcarmos uma outra data, tinha adorado a Júlia e com certeza repetiria a festinha.

Já na rua, ao entrar no Uber, vivi uma enorme coincidência. Vocês acreditam que era o mesmo motorista que me levou na ida?! Fiquei abismada! Rs. O mais engraçado ainda é que só percebi quando ele encerrou a corrida. Ao ver o nome para o qual faria o pix, minha memória acusou que já tinha visto aquele nome antes e foi quando rimos da coincidência. 😁

– Eu fiquei na dúvida se era você, porque você estava com a sua amiga. – Ele disse.

– Hahaha. Pois é, ela foi embora antes, rs.

Olha, em anos, nunca aconteceu de eu pegar o mesmo motorista, que dirá no mesmo dia! Rs.

Essa noite foi mesmo uma caixinha de surpresas… 😏

Princesas do Ménage à Trois – Parte 1

Querido diário,

Quem me acompanha de longa data sabe que tenho uma parceira de crime, ela mesma, Manu Trindade. E estávamos nós numa tarde tediosa de domingo, quando tivemos um insight maravilhoso para apimentar nossa semana e, claro, a de vocês também.

Lançamos a semana do Ménage à Tróis, em que vocês poderiam sair conosco juntas por uma condição jamais praticada antes: leve 2, pague 1. Trocadilho infame, se me permitem. 😏

A aceitação foi além do que esperávamos e alguns sortudos aproveitaram para se deleitar com mais horas, assim, a primeira hora sairia mais acessível do que normalmente. Conhecemos pessoas novas e houve peculiaridades discutidas pós-encontro por nós, que vou acrescentar nos relatos que vocês amam.

Espero ter sucesso na narração e que vocês se sintam parte disso, no quarto com nós duas, quem sabe… 😈

Vamos ao primeiro da lista!

O Carioca Teimoso

Fomos encontrá-lo no flat em que estava hospedado. Enquanto nos servia vinho, até contou que teve que sair para comprar uma terceira taça, todo empenhado em nos receber. Entre alguns goles de vinho e uma conversinha boba, os beijos foram desenrolando rapidamente. Ora beijava eu, ora beijava a Manu, ora beijávamos os três. Delícia! Não muito tempo depois fomos todos para a cama.

Começou dando um trato na Manu, chupando sua pepeka, enquanto eu me deliciava nos peitos dela. Após fazê-la gozar, voltou a beijá-la e quis ficar mexendo com seu dedinho lá, na pepekinha dela. Manu, com delicadeza, falou que não gostava de ser dedada, mas ele continuou com o dedo lá, dizendo que isso lhe dava muito tesão fazer. Mais uma vez Manu alertou: “Mas eu não gosto”, ao que ele, novamente, não respeitava o seu pedido, insistindo nas suas preferências, “Eu já falei que eu não gosto”, Manu respondeu um pouco mais firme, mas ainda gentil, e nessa hora me manifestei também, falando para ele que a pepeka fica ainda mais sensível depois que gozamos. Parecia que estávamos lidando com uma criança, que teimoso!

Depois Manu quis voltar as atenções para mim, anunciando que me chuparia, sendo interceptada por ele, que disse: “Está querendo roubar o meu papel?” e então ele me chupou. Sua chupada até que estava bem gostosa, mas lá vinha ele querendo me dedar também. Como já mencionei em outra postagem, me dedar é algo que gosto ou não de acordo com a minha vibe naquele encontro, como também dependendo do jeito que o cara faz. O dedo dele era muito áspero e sua dedada definitivamente não era uma coisa gostosa de sentir. Falei que também não gostava e novamente ele insistiu. Que fixação por dedada gente!

Depois também demos um belo trato nele, as duas ao mesmo tempo no seu pau. Uma nas bolas, outra no membro, depois as duas juntas no membro, quase nos beijando enquanto o chupávamos. Após muitas preliminares, chegou o momento de uma das duas sentar nele. Perguntamos qual ele queria primeiro e respondeu dizendo que fecharia os olhos e que deixaria para nós escolhermos. 🙄 Olha, em anos atendendo em dupla com a Manu, essa foi a primeira vez que tivemos que escolher entre a gente, rs, e confesso que é muito melhor quando o cara sabe o que quer, homem decidido é afrodisíaco! Nós termos que fazer ‘par ou ímpar’ foi um tanto quebra clima, rs.

Manu foi primeiro. Me deitei ao lado dele e fiquei me masturbando, enquanto assistia aquela transa de camarote. De repente ele começou a apertar os seios da Manu de um jeito muito forte, com movimentos bruscos, isso me assustou um pouco, achei que ela fosse reclamar, mas continuou imbatível na sentada, daí ele foi ainda mais ousado e deu um tapa na cara dela. Novamente me espantei, Manu disse “devagar” e continuou pleníssima na atividade, focada em não atrapalhar o possível orgasmo dele, que, na verdade, estava bem looonge de acontecer, mas não sabíamos disso.

Ele tentava arrancar putaria das nossas bocas, mas estava exaustivo e forçado as suas tentativas, gostamos de trocas que vão fluindo naturalmente. Teve uma hora que a Manu, enquanto sentava nele, disse: “Para de falar e mete”, kkkk. Depois trocaram de posição e ele foi por cima. Estocou por bastante tempo, até que decidiu vir para mim. Pequena pausa para trocar o preservativo e então veio no papai e mamãe, perguntando: “Como será que a princesinha gosta?” Daí estocou bastante, até que se cansou e fui por cima. Felizmente não fez comigo o mesmo que fez com a Manu, não apertou os meus seios daquele jeito violento e nem levei tapa na cara, ainda bem, não sei se teria a mesma plenitude que ela.

O cara não gozava de jeito nenhum e logo entendemos o perfil de cliente que ele era, aquele que quer fazer valer cada centavo. Chegou um momento que também me cansei e aí revezei com a Manu, desta vez ele a pegou de quatro. Metia forte, com intensidade e não chegava lá, incrivelmente um encontro de 1h conseguia ser mais exaustivo que um de 3h. Chegou um momento que a Manu não aguentou mais e pediu que fizéssemos uma pausinha, pedido licença para ir ao banheiro. Me vendo ali, sozinha com ele naquela cama, pensei “Não vou ser esfolada também não” e parti para o que tenho de melhor: meu boquete. Apostei nele e foi sucesso! Finalmente aquele homem gozou, faltando pouquissímos minutos para o tempo acabar. Esse aproveitou até o caroço!

O do Ritual

Carinhosamente o apelidamos assim, devido ao seu apartamento. Quando ele abriu a porta, atrás dele só se via um grande breu, fiquei até um pouco insegura de entrar onde eu não enxergava nada. Quando chegamos na sala, a iluminação estava mesmo escassa, poucas velas, estrategicamente posicionadas nos cantos, iluminavam fracamente o ambiente. Como se tudo isso já não fosse estranho o bastante, um incenso fedido queimava. Sabendo que a Manu detesta incenso – eu até gosto, mas aquele realmente tinha um cheiro ruim -, fiquei aflita por ela. Daí ela se manifestou, pedindo que ele apagasse, devido a sua “rinite” rs. Ele não apagou, mas prontamente tirou de lá, levando para a cozinha.

Como a sala estava sem ventilação nenhuma e o cheiro do incenso impregnado, sugeri irmos para um cômodo mais arejado. Ele indicou que fôssemos para o seu quarto e no caminho passamos por um corredor em que de uma das portas abertas, saia uma iluminação vermelha, muito sinistra. Imaginem, o apartamento aquele breu, um quarto com uma penumbra vermelha estranha, tava tudo muito suspeito. Ao passarmos pelo tal cômodo, com ele vindo atrás de nós, acrescentou: “Eu sei que parece estranho, mas eu sou do bem”. O que me fez pensar, se ele sabia que aquilo soaria estranho, então por que deixou aquela luz vermelha acesa?

O seu quarto parecia o lugar mais normal, até você reparar no grande quadro de uma mulher, posicionado de frente para a cama. Ele explicou que era uma monja. No escuro a pintura parecia sensual, misteriosa, mas com a luz acesa, você via que a fisionomia do rosto da mulher não era tão amigável e sua vestimenta se assemelhava a de uma freira.

Enfim os três no quarto, o beijei primeiro e quando passei minhas mãos pelo seu corpo, mesmo por cima da roupa, percebi o quanto ele estava suado e comentei, de um jeito manhoso, que ele estava suadinho, rs. Daí ele explicou que veio do trabalho andando e que se quiséssemos ele poderia tomar banho. Mas é óbvio que queríamos isso, estávamos ali cheirosinhas pra ele, não esperávamos menos do que isso em troca.

Daí ele se ausentou para se banhar e eu e a Manu nos olhamos com aquele olhar cheio de significado, como quem analisa em silêncio toda a situação; apartamento escuro, incenso fedido, luz vermelha, homem suado, a premissa não estava muito boa, mas felizmente seria só 1h.

Ele voltou, dessa vez tinha passado até perfume. Após alguns beijos, chupou uma de cada vez, começando primeiro comigo. Não gostei do seu oral, parado, sem movimento. Em determinado momento instiguei para que também chupasse a Manu. Depois voltamos nossas atenções para ele e o deixamos alucinado, enquanto as duas se deleitavam no seu pau ao mesmo tempo. Só paramos quando ele pediu, encarecidamente, para comer uma de nós duas.

Desta vez não perguntamos a preferência e já fui sentando, para compensar a iniciativa da Manu no outro encontro. Dei uma bela atiçada durante a sentada para que ele gozasse comigo, temendo que fosse longo e demorado como o outro, mas obviamente ele também queria experimentar a Manu, e falou num tom como se quisesse, inclusive, me fazer ciúmes por escolher gozar com ela kkkk. A pegou logo de quatro, fincando forte, enquanto ela me chupava. “Olha como eu gozo com ela”, ele dizia, tentando me provocar, sem o menor sucesso, rs.

Depois que gozou, nos conhecemos mais, conversando até o término do tempo. Perto de irmos embora vimos a sua sala com a luz acesa. Gosto bastante peculiar de decoração. Parede azul escura, muitas pinturas de mulheres, via-se que era um homem fascinado pelo feminino. Interessante.

This is it.

E assim foi dada a largada! 😁

Dominadora x Submissa

Querido diário, 

Hoje estou aqui para compartilhar dois encontros muito diferentes que tive há alguns dias. Sempre tem uma primeira vez para tudo nessa vida! Sem mais delongas, vamos ao que interessa!

Fetichista Number 1

Combinamos no motel Swing, encontro de 3h. No seu whatsApp não tinha foto dele, então foi um tiro no escuro aceitar um date tão longo, com quem eu nunca saí e não tinha a menor ideia de como seria. O tipo de imprudência que não recomendo. Para variar, quando eu já estava chegando no motel, ele se atrasou, devido a uma perua pegando fogo no trajeto e diante de uma situação inédita, em que eu não teria onde esperá-lo, tive que improvisar e pedir que me fizesse o pix do encontro antecipadamente, para que eu me sentisse segura de pegar um quarto. Ele o fez e peguei uma suíte com hidro, afinal, três horas juntos merecia.

Quando chegou, eu estava distraída enchendo a banheira e até levei um susto, quando o vi subindo a escada, vindo ao meu encontro. Ele era muito diferente do que eu estava esperando. Aparência muito jovem, mais magrelo que eu, parecia até menor de idade. Muito tímido também. Particularmente não curto muito esse perfil de cliente, prefiro os mais maduros e experientes, mas procurei me adaptar, afinal, ele estava pagando. 

Sugeri começarmos pela hidro para quebrar o gelo, ele aceitou e fez-se aquele silêncio, enquanto tirávamos a roupa. Eu que tinha que ficar puxando assunto. Quando ele se sentou ao meu lado, senti um forte cheiro de cecê. “Qual o problema dessa juventude que não sabe usar um desodorante?!” Pensei decepcionada. No entanto, fingi que nada aconteceu, pois, se tem uma coisa mais constrangedora do que sentir um cheiro ruim durante o encontro, é ter que abordar o assunto.

– Você veio de casa? – Perguntei na esperança de que ele dissesse que não, algo que justificasse ele não ter tomado banho. 

– Sim. 

Mal conversamos e ele já estava duro. Bom sinal. Entre uma tentativa de conversa e outra, nos beijamos, comigo o masturbando por dentro da água. Durante a conversa, descobri que ele era realmente muito inexperiente, só teve duas transas na vida, sendo uma em 2020 e outra em janeiro deste ano, com outra acompanhante. Quase virgem praticamente. 

Quando as coisas começaram a esquentar pra valer, fomos para a cama. Seu oral até que era bonzinho, não me faria gozar, mas pela sua inexperiência estava se saindo muito bem! Seu pau, felizmente, estava limpinho e era grandinho. Quando partimos para o abate, confesso, foi um pouco exaustivo, pois ele não gozava nunca. Tivemos que fazer uma pausa para recuperar as energias. 

Bastante tempo conversando, até que fomos para o segundo round. Fui por cima, papai e mamãe, de quatro, de bruços, comigo por cima de novo de costas para ele e nada de gozar. O jeito foi me render a punheta. Em determinado momento, enquanto eu o alisava, passei a mão pelo seu pescoço e quando eu seguia descendo para o seu peitoral, fui surpreendida com ele pegando a minha mão e levando-a de volta para o seu pescoço. Humm… logo entendi que ele gostava de dominação.

Assim sendo, após um tempo lhe masturbando, com meus braços já cansados, conduzi para que ele mesmo se masturbasse e me concentrei no seu pescoço. Fui apertando cada vez mais forte, ao que ele me dava sinais para que eu avançasse. Ele gostou tanto que até revirava os olhos. Aos poucos fui ganhando mais autonomia e segui explorando aquilo. Mordi sua orelha, puxei seus cabelos, tudo isso enquanto uma das mãos continuava lá, fincada no seu pescoço, enforcando cada vez mais forte.

Após longos minutos desse jeito, era notável que ele estava curtindo muito e prestes a gozar, mas esse “prestes” não chegava nunca. O telefone do quarto começou a tocar – provavelmente para nos avisar do término do tempo da suíte – mas nenhum de nós ousou interromper. Cheguei à conclusão de que alguma coisa estava faltando para ele chegar lá e que eu precisaria inovar. Fiquei pensando o que mais eu poderia criar de diferente, até que, ousadamente, enquanto continuava o enforcando, proferi as seguintes palavras, bem baixinho, no pé do seu ouvido: 

– Goza logo caralho, senão eu te mato!

Nem eu acreditei na minha ousadia! Kkkk.

J U R O  P R A  V O C Ê S, poucos segundos depois ele gozou!!

Evitei qualquer pensamento de julgamento, até porque eu também curto uma pegada no pescoço, mas isso foi algo completamente inédito, além das minhas habilidades. Foi um improviso que deu certo, mas poderia ter dado muito errado.

– Eu não sabia que eu curtia essas coisas. – Ele disse. 

– Está se conhecendo.

– Eu também não sabia que você fazia essas coisas.

– Eu improvisei… Da próxima vez trago umas algemas. – Falei brincando, não cogitando de fato um segundo encontro. 

Não repetiria, não por ele, mas não acho que eu seja a pessoa mais indicada para ele explorar esse caminho. Sou muito carinhosa, não faço a linha dominadora. De qualquer forma, fiquei feliz de ter contribuído para o seu autoconhecimento. 🙂

Fetichista Number 2

Outro dia me deparei com outro cliente peculiar.

Enquanto negociávamos a data, aproveitou para me fazer o seguinte pedido:

– Você realiza fetiches?

– Qual seria?

– Calcinha usada para eu cheirar durante a transa. Se possível, usada por três dias seguidos para ficar com muito cheiro da sua florzinha. Cheiro de suor dela, dos hormônios dela.

– Não rola, rs. Usar a mesma calcinha por três dias vai contra os meus princípios de higiene.

(Talvez se ele tivesse oferecido um adicional extremamente generoso, quem sabe, eu teria pensado no assunto, rs.) Num primeiro momento não vi o pedido com bons olhos e fui encontrá-lo já desconfiada de que fosse um pervertido.

E era mesmo.

Este foi num hotel pelo Centro. Ele disse que sempre teve vontade de me conhecer, que me acompanha desde antes de eu parar e voltar, enfim, finalmente deu certo. Bem mais velho que o Fetichista Number 1

Partindo logo para a parte que interessa, me chupou divinamente, retribui e então fomos para o abate. Mais um que demorava a gozar. Transamos em várias posições e ele seguia imbatível, querendo que eu falasse putaria. Durante a transa ficava me fazendo perguntas, querendo que eu dissesse o que eu gosto, mas eu não conseguia imergir nesse mood, sei lá porque, preferia só gemer, não estava inspirada. 

Daí em determinado momento, após muito bate estaca, tive que dar um toque para que ele se concentrasse em gozar, pois minha pepeka já estava ficando sensível. Quem já saiu comigo sabe que não sou de reclamar, então para eu chegar nesse ponto é porque realmente estava too much. Daí ele disse para ficarmos de pé então. Me pegou de costas e pediu que eu repetisse algumas frases que claramente remetiam a estupro e gravidez indesejada. (!) Num primeiro momento achei aquilo espantoso, mas conforme fui falando e repetindo… fui gostando. (!)

Eu devo ser tão doida quanto ele, pois me excitei com aquilo. Acreditam? Gostei de fantasiar que ele estava me comendo a força, ainda que não estivesse sendo grosseiro e quisesse apenas me ouvir falando aquelas coisas. Entrei na onda e de repente eu não estava mais repetindo o que ele pediu, mas sim criando as minhas próprias frases, como se eu não estivesse gostando, mas eu estava super curtindo. Aí sim, quando fui além do que ele pediu, gozou rapidinho. E eu também gozei, me masturbando, enquanto ele me comia. Curti muito esse mood submissa.

Loucura, não?

Desta vez, o autoconhecimento veio até para mim!

O que vocês acham disso? 👀

Viagem a Paris – 1º Dia

“Oi querida, eu tenho uma ideia maluca… o que você acha de umas férias, você, eu e Emma, na Europa, em julho ou agosto, por alguns dias? Pagarei as passagens e todas as despesas e podemos nos divertir juntos? Para mim, o melhor é de 13 a 18 de julho.”

Assim começou a primeira centelha da viagem que realizaria um grande sonho meu! Um cliente gringo, em comum com a Emma, fez a proposta mais esplendorosa que já recebi nessa vida! Uma viagem para a Europa com tudo pago, mais o cachê dos encontros. O que mais eu poderia querer? 🤩

Confesso que num primeiro momento não dei muita bola. Sabe quando a coisa é incrível demais, ao ponto de você não ousar se empolgar, até que de fato se concretize? Já recebi muitas propostas de viagens internacionais que ficaram só na conversa, então, dessa vez, me contive para não ser iludida.

Mas eu não fazia a menor ideia do que essa mensagem se tornaria em alguns dias! 

-Oie. Nossa que ideia sensacional! Seria incrível!! 😍 Já falou com ela?

-Ótimo …. Mandei uma mensagem para ela e ela também está feliz.

Como não estaria?! 😂

O grupo Eurotrip foi criado no WhatsApp e os preparativos da viagem foram desenrolando rapidamente! ✈️

-Espanha, Paris ou Veneza? – Ele perguntou pra gente. 

-Paris ou Espanha – Respondi.

-Paris ou Veneza – Emma respondeu. 

Paris foi unânime! ❤️

Fotos de passaportes foram enviadas, passagens emitidas, a viagem iria mesmo acontecer! Eu não estava acreditando! Até o dia chegar, sempre dava aquele medinho de alguma coisa dar errado e a trip ser cancelada. Fui vivendo os dias como se nada de importante fosse me acontecer e a ficha só caiu mesmo um dia antes! 

Na véspera da viagem aconteceu uma coisa inédita. Eu estava no Uber voltando pra casa e mesmo com o carro em movimento, do nada, uma joaninha pousou no vidro do carro! Quer presságio melhor do que esse?? 😍

Enfim o grande dia chegou! ❤️ Eu tinha me esquecido de como é gostoso viajar! 🥹  Se bem que essa viagem teve um gostinho especial, pois era pra um destino que eu sempre quis muito conhecer!!

Um cliente muito querido se ofereceu para me levar até o aeroporto e me fez companhia até o horário do embarque. A Emma chegou um pouco depois e se juntou a nós no restaurante. Era a primeira viagem internacional dela e foi engraçado vê-la indignada com a moça do raio X, jogando fora seu shampoo de lavagem a seco e a minha água, com mais de 100 ml, passando despercebida, rs. 

Ele comprou as poltronas que tinham somente dois assentos, então foi bastante confortável viajarmos sem mais ninguém do nosso lado. Assistimos Pânico 6 juntas, literalmente, rs 

e então dormimos. Quero dizer, ela dormiu, eu só cochilei. Toda vez que eu pegava no sono mais profundo, a descarga do banheiro me acordava. Nem tudo é perfeito, rs. 

P A R I S ! Após onze horas de voo, chegamos! Que emoção estar em solos europeus! 🤩 O cliente contratou um serviço de transporte particular para nos buscar no aeroporto, então, após pegar a minha mala, que havia sido despachada, e fazermos vários videozinhos para futuros reels condizentes com a viagem, fomos ao encontro do cara que nos levaria até o hotel. O mesmo segurava um celular com o meu nome escrito na tela, na saída do desembarque. 

Carro chique, banco de couro, água para cada uma, me dei ao luxo de cochilar no trajeto de uma hora até o hotel. Falei: “Amiga, me acorda quando tiver coisas interessantes pra ver”. Acordei de repente com ela fazendo vídeo do Arco do Triunfo, “êêê nem me acordou!” Ela tinha esquecido. 😒 Saquei o celular e comecei a fazer vídeos também, rs. Vi a Torre Eiffel pela primeira vez durante esse trajeto de carro! Já bateu de novo aquela emoção! Como ela é grande e linda!!

Chegamos no hotel Villa M. Lindíssimo! O cliente teve muito bom gosto! 👏🏻👏🏻 Até os corredores dos quartos tinham cheiro bom. Durante a negociação da viagem, a Emma, sabiamente, insistiu para que ele pegasse dois quartos. Se fosse uma viagem de casal era uma coisa, mas como estávamos em duas, três pessoas no mesmo quarto não seria bacana. O que foi mesmo ótimo para termos nossa privacidade, pois, certas intimidades acabam com a magia (se é que vocês me entendem, rs). Além da importância de podermos fazer nosso skin care noturno, sem nos preocuparmos com maquiagem o tempo inteiro. 

Tínhamos combinado entre a gente de revezar para dormir com ele, mas acabou que não foi preciso, pois como sempre tínhamos bastante coisa para fazer no dia seguinte, ele nos liberava para dormirmos mais descansadas em nossa cama. 

Chegamos no hotel antes dele, que só nos encontraria a noite. Daí no check-in foi preciso acertarmos um valor. Ele já tinha nos avisado que precisaríamos cadastrar um cartão de crédito por norma do hotel, mas quando ele chegasse trocaria para o cartão dele. Até aí tudo bem, porém, o hotel queria que acertássemos 600 euros. Uma pequena fortuna, rs. O cliente nos reembolsaria, é claro. 

Dividimos a quantia entre a gente, passei metade no meu cartão, mas quando passou o cartão de Emma, deu que estava bloqueado. O atendente do hotel foi condescendente ao perceber a aflição instaurada com aquele bloqueio – a Emma tinha avisado na administradora do cartão que estaria em viagem internacional e não era para ter acontecido isso – e nos liberou para o quarto, mesmo com apenas metade do valor acertado.

A suíte era linda demais, uma vista incrível, mas o prazer da chegada foi sabotado pelo tal bloqueio do cartão. 🙄 Ela ficou super encanada com aquilo, se sentindo desamparada financeiramente, ao que eu tentava acalmá-la, dizendo que ele pagaria todas as despesas, não teria por que se preocupar com dinheiro naquele momento. 

Quando percebi que as minhas palavras não estavam surtindo efeito, me propus a ajudá-la e como eu tinha 50 minutos de ligação para qualquer lugar, cedi meu celular para que ela ligasse no banco e resolvesse. O cartão de crédito dela é do banco Pan, diga-se de passagem, o PIOR banco para você fazer negócio, fujam! 

Enquanto ela ligava – estava no viva voz – fomos arrumando nossas coisas e com o passar dos minutos comecei a me irritar por ela, com aquela ligação. Foi uma saga muito inútil aquele atendimento. 

Primeiramente demorou para a ligação ir para o atendente. Quando finalmente foi atendida, após contar toda a situação e o atendente fazer as devidas confirmações dos dados dela, o mesmo disse que o sistema estava passando por uma atualização, que aquilo não era com ele e que a direcionaria para o setor certo. Juro pra vocês, ela passou por QUATRO atendentes, todos diziam A MESMA COISA! 

Todo esse processo levou mais de uma hora de ligação! Eu já estava irritada com aquele banco. E ela toda calma e paciente falando. Eu já resmungando de fundo que não era pra ela aceitar outra transferência! Daí ela começou a falar para o atendente que o anterior já tinha dito a mesma coisa, que era a quarta vez que ela estava sendo transferida e tal, mas o discurso do outro lado continuava o mesmo. Sério, que merda de banco era aquele?! 😤

Enquanto ela aguardava o quarto atendente tentar fazer alguma coisa, falei pra ela mudar de banco assim que voltasse para o Brasil, pois estava muito inconveniente aquela situação. A gente em Paris, as duas com fome, pendente de subir no restaurante do rooftop do hotel, depois, talvez, até explorar os arredores, antes da chegada do cliente, no entanto, estávamos presas no quarto, tentando resolver uma questão burocrática, de uma administradora incompetente, que além de ter bloqueado a porra do cartão, mesmo ela avisando da viagem, ainda tinha um atendimento péssimo para resolver aquele transtorno. Sério, eu estava possessa! E com fome, meu humor muda completamente. 

No final das contas, o atendente não resolveu merda nenhuma, orientou que ela retornasse a ligação em 24 horas e lá se foi nossa primeira hora no hotel. Enfim subimos para comer, e a leva de trapalhadas não parou por aí. Sem saber, pegamos o elevador de serviço e saímos numa área do rooftop não muito glamurosa kkkk. A atendente nos olhou com uma cara como se estivéssemos perdidas (e estávamos mesmo kkkk) e nos conduziu para o lugar certo. 

O restaurante não servia mais comida naquele horário, mas novamente foram condescendentes com a gente e abriram uma exceção. Super fofos! Pedi steak tartare com batatas e um drink e a Emma bife de chorizo e o drink igual ao meu. 

Quando terminamos de comer, o cliente já havia chegado no aeroporto de Paris, mas estávamos mega cansadas da viagem e ele foi super bacana de deixar que dormíssemos um pouco. Sendo assim, após comer, voltamos para o quarto e dormimos por uma hora. Depois nos arrumamos para encontrá-lo, que nos aguardava no lobby do hotel. 

Fomos jantar num restaurante x que não lembro o nome. Não era o que ele tinha planejado, disse que perdemos a reserva por conta do horário, então ali era um plano b. Achei um pouco chato que em nenhum momento ele mencionou que tinha feito reserva em algum restaurante, para que tivéssemos nos arrumado mais rápido. Ele quis ser gentil em não nos apressar, mas eu preferia que ele tivesse dito, para que tivéssemos a oportunidade de comermos num lugar melhor. 

Acabamos jantando uma pizza, que confesso a vocês, não gostei muito. Tinha um certo glamour por ser uma pizza num restaurante em Paris, mas se eu comesse aquela pizza no Brasil teria detestado, rs. Sou um pouco crítica com comida, ascendente em touro. 🤷🏼‍♀️ (Entendedores entenderão, rs.)

Depois fomos andando até uma praça que tinha ali perto, onde tiramos algumas fotos,

e então, ele chamou o Uber para o hotel. Daí subimos os três direto para o quarto dele. 🔥 Nesse momento fui presenteada com um perfume que ele disse que me daria no nosso último encontro solo, mas que não tinha conseguido comprar a tempo (o Poison Hypnotic da Dior, meu perfume preferido ❤️) e uma camisola bem sexy da Victoria Secret para a Emma. Adoro clientes generosos que dão presentes! 😍

Começamos a nos beijar 👄, ele sempre dando a devida atenção para cada uma. Chupou os meus seios, também os da Emma, ficamos alguns minutos nessa troca de carícias a três, ainda de pé, até que fomos todos para a cama. Chupou a bucetinha da Emma, que aparentemente gozou, e então veio para a minha. Tava uma delícia o oral dele, mas em encontros de dupla é mais difícil eu gozar, pois fico me sentindo pressionada com plateia, rs. Ele ficou mais tempo na minha pepeka, determinado a me fazer chegar lá, mas não rolou. Eu até pensei em fingir para ele não cansar tanto, mas ele mesmo desistiu após um tempo. 

Voltou a nos beijar e então desci para chupá-lo, enquanto ele continuava beijando a Emma. Depois de um tempo fazendo o meu delicioso boquete, ele parecia bastante empolgado, então peguei a camisinha e já fui sentando. Não demorou muito para que ele gozasse. 💦💦 Depois já nos liberou para o nosso quarto, pois teríamos que acordar cedo no dia seguinte, que a programação seria Arco do Triunfo e demais pontos turísticos. 

Voltamos para a suíte, fizemos o nosso ritual de skin care, Emma colocou sua touquinha de cetim para dormir, ainda ficamos um pouco no celular, postando algumas coisas da viagem em nossas redes sociais, e então capotamos. 💤 

E assim foi nosso primeiro dia! ✨ 

“O Estúrdio”

Querido diário,

Esse cliente parecia muito potencial. Bonito na foto, pelas conversas nada de estranho, fui confiante de que seria um encontro pra lá de gostoso.

O primeiro ponto de atenção surgiu quando eu estava a caminho do motel. Nosso último contato foi quando ambos disseram estar indo para lá, daí, no trajeto, lhe enviei uma mensagem perguntando se ele tinha carregador de IPhone (saí de casa desprevenida e não queria ficar sem bateria na volta). A minha mensagem não entregou. ⚠️

Faltando poucos minutos para o horário combinado, minha mensagem continuava sem entregar e nada dele dar sinal de vida com o número da suíte. Que aflição me dá estar quase chegando no motel e o cliente ainda não ter mandado o número do quarto, sério! 😮‍💨 Acho que isso é o tipo de coisa que incomoda toda acompanhante que atende em motel. Eu sempre peço para o cliente chegar um pouquinho antes, justamente para evitar esses conflitos. Enfim.

Decidi ligar para ele. Eu estava a 5 minutos do motel, precisava saber se levaria um cano para já alterar a rota e ir para casa. Ele atendeu, disse que estava chegando, mencionei as mensagens não estarem entregando e ele deu uma desculpa qualquer, sem sinal, acho. 

Cheguei no motel, ainda nada dele. 🙄 Um carro entrou antes de mim e  perguntei para a recepcionista se era o tal Fulano, ela disse que não e perguntou o meu nome, ao que respondi, ela me indicou qual suíte ele estava. Ufa, pelo menos ele deixou avisado na recepção, menos mal!

Quando entrei no quarto, aquela pessoa bonita da foto tinha envelhecido uns dez anos. Eu não sei porque algumas pessoas não usam foto atual no WhatsApp, precisa aceitar que envelheceu e ter orgulho do que está se tornando, não simplesmente parar no tempo. Seria muito mais honesto saber o que vou encontrar de fato. 

A comunicação inicial foi meio estranha, ele parecia um pouco introvertido, por um instante fiquei na dúvida se realmente era a mesma pessoa que agendou comigo. 

Ele colocou uma música eletrônica, outro ponto de atenção, acho estranho música eletrônica pra transar, me remete a transa frenética. A última vez que um cliente colocou, não tive uma boa experiência. 

Começamos a nos beijar e ele beijava MUITO mal! Ficava rodando a língua num looping eterno, o movimento perfeito se ele estivesse lambendo um seio ou chupando uma pepeka, mas pra beijar ficava péssimo. Beijo ruim me broxa demais, não consigo imergir no encontro. 😩 Tentei conduzir para que beijasse do meu jeitinho, mas foi inútil. Que agonia beijar daquela maneira!! 

Percebi também que ele tinha um hábito estranho de ficar apertando o pau na calça, enquanto me beijava. Alto nível de excitação, talvez? Já fiquei com a sensação de que seria uma loooonga transa. 😮‍💨

Aos poucos as roupas foram saindo e quando vi seu pau, me espantei demais com o tamanho. 🫣 Tinha a grossura de uma lata de coca. Mas notei uma coisa mais estranha ainda, da metade pra cima era muito mais grosso e da metade pra baixo um pouco menos. Outra peculiaridade muito esquisita, mas que só reparei quando coloquei a mão, é que na parte mais grossa, era também mais flácida, não ficava totalmente rígida, enquanto na outra metade sim. 

E como se tudo isso já não fosse estúrdio o suficiente, notei uma bolha no seu pau! A luz do quarto estava azul, não consegui ver direito, mas uma era uma bolha saltada. Perguntei o que era aquilo, ele respondeu num tom como se aquilo não fosse nada demais, dizendo: “não sei, um machucado”. Achei suspeito. Falei que só iria chupar com camisinha. 

Em outro momento ele voltou naquela questão e disse que não era DST, reforçou que era machucado. Perguntei como machucou e respondeu que não sabia. Como alguém vive tranquilamente com “machucado” na parte íntima e não busca saber o que tá acontecendo?! 🤔 Suspeito. Nem de camisinha eu chuparia.

Ele ficava o tempo inteiro se masturbando e se entretendo com o meu corpo. Me colocou de quatro e ficou me apreciando, enquanto se masturbava, intercalando com chupadas na minha pepeka. Seu oral foi muito bom, devo reconhecer, mas como falei antes, com aquele jeito de beijar, chupando eu sabia que seria incrível, rs.

Depois que gozei, voltei minhas atenções para ele, peguei um preservativo e já fui me preparando para sentar. Levei uma Preserv Extra Grande por precaução, e ainda assim não foi grande o suficiente para aquela giromba. Só consegui colocar na cabeça e pedi sua ajuda para desenrolar o resto. 

O pau dele, de fato não ficava plenamente rígido naquela parte mais grossa, o que dificultava minha sentada. Após algumas tentativas, sugeri que ele viesse por cima, mas nem assim estava rolando, então tive que ficar segurando seu pau enquanto ele metia, tentando dar um suporte ali para que entrasse. 

Foi uma transa muito desconfortável pra mim. Além de ser muito grande e grosso, ainda tava mole. Ele tinha que forçar bastante pra conseguir manter o movimento e com a minha mão ali, não era uma transa fluída. Após algum tempo naquele bate estaca horroroso, tentei estimulá-lo a gozar, dizendo: “Goza pra mim”, ao que ele respondeu: “então deixa eu meter em você”. Como era?? Rebati: “Você já não está fazendo isso?” e ele disse que não estava conseguindo enfiar o pau inteiro por conta da minha mão. É sério que ele não via que sem a minha mão ali, ele sequer conseguiria enfiar a cabeça, com aquela Maria mole dele que só ficava rígida da metade pra baixo? Francamente. 

Externei o propósito da minha mão estar ali e ele não gostou de ouvir que seu pau estava mole. Tirei minha mão então, e adivinhem? Óbvio que não conseguiu enfiar nada se a base estava flácida. Ele bufou como se o pau dele tivesse amolecido somente naquele momento pelo que eu disse, saiu de cima de mim e tirou a camisinha. Que clima uó. Eu só queria ir embora. 

Voltamos para a punheta. Ele se masturbava com uma mão e com a outra também masturbava a mim. Não estava fluindo. Eu não sabia mais o que fazer para ele gozar. Bati punheta pra ele também e determinado momento perguntei:

-O que você quer fazer? Continuar assim ou coloco outra camisinha?

-Quero.

-Quer o que?! 🙄

-Colocar outra camisinha. 

Faltava menos de 10 minutos para o tempo acabar. Encapei o dito cujo e pediu que eu ficasse de ladinho. Não preciso nem dizer que a transa não vingou. Chegou um ponto que eu nem gemia mais, só queria que terminasse logo. O negócio foi amolecendo cada vez mais e daí ele tirou a camisinha. Percebi que ia voltar para a punheta de novo, mas já cortei, dizendo: “Não tá rolando, né?”. Nessa hora ele desistiu da punheta e concordou. 

Levantei para ir no banheiro, fiz xixi e já emendei o banho. Quando voltei ele já estava vestido, ótimo! Me vesti também, me pagou e fui embora.

Que encontro de merda. 💩

Desaventuras Amorosas em Série – Parte 3

Querido diário,

Nem acredito que já faz mais de um mês que não nos vemos. Muita coisa tem acontecido do lado de cá, mas hoje estou aqui para atualizar esse engraçadíssimo quadro, sobre a minha terrível vida amorosa. Preparado para entretenimento de qualidade?? 😁

O NERD TÍMIDO

Quando falei na parte 2 que eu tinha desanimado do Tinder, isso ainda se mantém até hoje, no entanto, esse era um contato antigo, que não tinha desenrolado no passado. Ele ressurgiu das cinzas. Tinha ficado pendente marcarmos um encontro, mas eu não pude, depois ele viajou, a conversa esfriou e não imaginei que ele voltaria para retomar daquele ponto.

Marcamos num domingo à tarde, por volta das 15h, um restaurante que eu não conhecia, no rooftop do Shopping Light. Ele até tentou combinar algo pela zona sul, mas eu ando um tanto preguiçosa de ir para lugares distantes – quando não é trabalho – e conduzi para que fosse algo mais perto da minha residência. Ele foi bastante flexível, todo proativo em vir até mim, o que achei bastante positivo.

Bonito, mais bonito pessoalmente do que nas fotos. No entanto, não sei explicar, algo nele não me despertou uma conexão imediata. Mas, conforme a conversa foi desenrolando, descobrimos que tínhamos várias coisas em comum, como, por exemplo, o fato de ambos gostarem de steak tartare (foi uma sintonia muito perceptível ao escolhermos a entrada) e ambos terem o gênero terror como o seu preferido. Falamos sobre determinados filmes de terror que os dois já tinham assistido e até indiquei a série “American Horror Story” que ele ainda não viu e que é simplesmente a supremacia para quem é fã do gênero.

O achei simpático, bonito, parecia ser uma pessoa bacana, mas nada que me despertasse a vontade de beijá-lo. Determinado momento levantamos para ir conhecer uma parte do espaço (esse restaurante tem um vista bem legal do centro), e foi quando percebi duas coisas nele que não curti tanto. O fato dele ser exatamente da minha altura (estou numa pegada de homens mais altos) e fumar tabaco. Se fosse maconheiro ok, mas tabaco achei zero atraente, rs. 

Ficamos no restaurante até o estabelecimento fechar, umas 17h. Dividimos a conta, o que não curti muito. Sou das antigas e acho gentil quando o cara paga a conta. Conversamos bastante na saída do shopping, enquanto seu Uber não chegava, e a conversa estava tão interessante, que ele quase perdeu o carro, devido ao tempo de espera, pela sua desatenção durante o nosso papo, sério, ele teve que sair correndo atrás do motorista, literalmente, rs. Uma bela partida kkkk.

Alguns minutos depois, me enviou a seguinte mensagem:

– Aproveitando, muito agradável nosso encontro, fica o convite para marcarmos um segundo… de repente pra rachar um vinho dessa vez 🍷:)

– Vamos marcar sim. 😉 – respondi sucinta. 

Dois dias depois ele me enviou um link de um restaurante, com a foto de um steak tartare muito bonito e apetitoso.

– Esse é o steak tartare que eu comentei com você no domingo!

– Nossa achei a cara muito boa. 😋 Esse picles também instiga.

– É muuuuito bom! O picles e essa alcaparra gigante que eles colocam. Você gosta de alcaparra?

– Gosto também. 😋

Achei que fosse vir um convite para irmos no tal restaurante, mas a conversa morreu aí rs. 

Dois dias depois, novamente ele mandou algum assunto. Dessa vez um link do Instagram, com uma postagem de determinado filme.

Esse é um dos filmes que falamos domingo passado (hereditário). A propósito, essa página é legal pra dicas 👌haha.

– Ahh legal! 😃 Falando em Instagram, nem trocamos né? – Tentei trazer a conversa para um tópico mais promissor. Funcionou. Ele me passou o ig dele e já tocou no assunto sobre um novo encontro. 

– E esse fds, tem planos? Tava pensando em tirar do papel aquela nossa ideia de sair de novo. 👀

Enfim combinamos um segundo encontro, desta vez no Bar dos Arcos. Outro restaurante próximo a mim, que, por acaso, eu já conhecia de outro date. 😏

Marcamos para um sábado à noite. Ele estava cheiroso, hálito refrescante, mais atraente que no primeiro encontro. A noite prometia! Conversamos muuuuuito no restaurante. Um papo alegre, engraçado, eu com certeza o beijaria desta vez! No total foram dois drinks para cada, três entradas e uma garrafa de vinho que terminamos de beber na minha casa. Ele pagou a maior parte da conta. 

Quando chegamos no meu apê, fomos direto para a varanda, que ele queria fumar, e lá ficamos bebendo e conversando, com a minha playlist de fundo. Conversamos sobre quase todos os assuntos que se pode imaginar. Ambos compartilhamos sobre o nosso último relacionamento, soube de algumas curiosidades sobre ele, como, por exemplo, que ele ouve podcast que faz análises sobre Freud, quando está praticando exercícios no seu quarto. O mais próximo que chegamos do tema sexo, foi ele dizer que tem curiosidade em conhecer uma casa de swing. O que nada combinava com ele, me parecia ser muito conservador e certinho, eu sequer conseguia me imaginar contando para ele que sou acompanhante.

Terminamos a garrafa de vinho, ele fumou uns seis cigarros (contei as bitucas no final e fiquei espantada com a quantidade), inclusive gastou as minhas sedas (esqueceu de trazer as suas), daí sugeri uma mudança de cenário e fomos para o sofá, quis colocar um episódio de American Horror Story para ele conhecer. Até estourei pipoca, se você quer saber. Assistimos um episódio inteiro.

Quando começou o segundo episódio, eu olhei para o relógio e já era 01h25. Eu não estava acreditando que ele ainda não tinha me beijado! Quando eu decido adotar uma outra postura, de não chegar atacando, para não assustar os caras e me acharem tarada, me deparo com um cara extremamente tímido, com zero iniciativa para um contato mais íntimo. Eu me recusava a ter que tomar atitude por ele, já fiz muito, o levando para a minha casa, o próximo passo tinha que ser seu!

Comecei a ficar com sono. Soltei um: “Nossa, já são 01:25” e, como eu esperava, ele se espantou com o horário, acrescentando que já ia embora. Consenti, se não tínhamos feito nada até aquele momento, agora eu que não queria mais, minha bateria já estava descarregando. Desci com ele e quando fomos nos despedir, já fui virando o rosto para o beijo na bochecha. Se não tinha me beijado dentro de casa, onde tinha muito mais potencial de rolar algo, não seria na minha portaria que rolaria. O pior ainda foi sua frase final:

– A gente combina uma próxima vez, talvez, quem sabe.

Talvez? Quem sabe? 🤔

Aquilo ficou martelando na minha cabeça. Eu já estava puta que não tinha rolado nada, sua frase de despedida me deixou ainda mais frustrada. Voltei para o apartamento e já mandei mensagem, repetindo as suas palavras:

– A gente combina uma próxima vez, talvez, quem sabe. Rs. Que vago.

– Hahaha. É verdade, ficou vago. A conversa foi tão boa que o tempo passou muito rápido. O que queria ter dito é que eu curti esse rolê com você hoje. Por mim podíamos ter esticado, mas tb não queria te atrapalhar 🙄 kk

Achei ridículo ele falar de esticar, quando sequer teve atitude de me beijar!!

– Você não deu indícios rs. – Cutuquei.

– Poxa eu não paro de pensar nisso Hahaha. Me perdi no tempo mesmo. Enfim, mas pra não ficar vago então.. eu achei muito bons nossos dois roles.

– Tbm gostei.

– Ah então vai ter que rolar de novo hahahaha. – Qual a graça?

– Acho que precisamos rs. – Finalizei.

O fato, minha gente, é que esse cara não me chamou mais para sair! Virou uma grande incógnita entender porque não rolou nada naquela noite. Eu até pediria palpites aqui, mas essa situação é um tanto antiga e já tiveram novas atualizações!

Um mês depois, numa solitária noite de sábado, me encontrava com muita vontade de transar, me restando reciclar esse contato. 👀

– Oie, tudo bem? – Mandei.

– Hellooo. Tudo bem e você? – Me respondeu 2 minutos depois.

– Bem também. Está livre hoje? – Diretíssima.

– Huuum que pensas? Eu tô na casa dos meus pais, mas jaja tô indo pra casa.

– Sendo bem honesta com você, até hoje não entendi pq não nos beijamos aquela noite. 🤔

– Hahahaha eu tb não. Enfim, fiquei me perguntando isso também vários dias. Aprecio a honestidade.

– Pois é, uma grande incógnita rs.

– O que vc tá pensando? De repente um vinho? (Preciso te repor uma seda tb hahah 😂)

– Pensei nisso, te convidar para tomar um vinho aqui em casa essa noite e resolvermos isso. 🙈

– Fechou. Vamos marcar tipo umas 22:00? Acho que dá tempo. O que vc acha?

Enfim combinamos. Ele chegou por volta das 22h30. Achei que fosse chegar chegando, mas me deparei com o mesmo comportamento devagar da última vez. 🙄 Abrimos o vinho que ele trouxe, sentamos no sofá, conversamos e somente quando, em algum momento, o encarei sem dizer nada, que finalmente nos beijamos. Aleluia senhor! Beijo bom, gostei!

Aos poucos as coisas foram desenrolando e então fomos para a cama. Gostei bastante da sua chupada! Teve outro momento, que um masturbou o outro, por um tempo, e o achei muito habilidoso com os dedos também! Mas apesar desses pontos super favoráveis, eu achei a transa muito vazia. Protocolar. Ocorreu tudo bem, mas não teve aquela super química, sabe? Matei minha vontade, me masturbei enquanto transávamos, gozei, mas, definitivamente, não repetiria.

Quando estou transando, o momento que o outro goza é muito importante. Cada homem tem um jeito de gozar e dependendo de como ele goza, o tornará ainda mais atraente ou desinteressante pra mim. Por exemplo, acho muito sexy quando o cara urra igual um animal e explode ferozmente. É muito másculo! É excitante quando você nitidamente percebe que o outro está gozando, o comportamento dele muda, adquirindo uma intensidade ainda não vista. Quando o cara goza em silêncio é muito monótono, linear e sem graça.

Enfim, o jeito dele gozar não me apeteceu. Foi a primeira vez que vi alguém me avisar que ia gozar, dizendo o meu nome junto, “Vou gozar Fulana”. Pra que dizer o meu nome? Achei muito estranho kkkkk. Seu gemido final também foi um tanto afeminado. Não passou no teste… kkkk.

– Era para termos feito isso no outro encontro. – Ele reconheceu.

– Pois é…

– Eu não sabia se você queria.

– Eu te trouxe para a minha casa, rs.

– É, eu sei que foi um sinal, mas sei lá.

Lerdo.

Quando ele foi no banheiro tirar a camisinha – ahh, um adendo aqui, ele trouxe preservativo da mesma marca que eu uso! Primeira vez que isso acontece, do boy também usar a Skyn 👏🏻 – , aproveitei para me vestir. Percebi o seu desapontamento quando me encontrou vestida, acho que esperava que transaríamos mais. Argumentei que estava com frio – e estava mesmo – como também satisfeita do sexo, mas isso eu não disse. Daí ele se vestiu e sentamos no sofá para ver um filme que ele tinha indicado, “De Olhos Bem Fechados”. Na metade do filme, tomou a iniciativa de ir embora:

– Acho que eu vou embora… – soltou.

– Está tarde, né? – Apoiei.

Não rolou aquele beijão de despedida, apenas um selinho meia boca. Não trocamos mensagens no pós e não voltamos a sair. Mas continua lá no meu instagram, me acompanhando e curtindo as coisas que eu posto.

Ainda não foi dessa vez que encontrei o meu contatinho perfeito! 😞

Mas calma, tenho muito mais para compartilhar! Contudo, como esse post ficou enorme – 7 páginas do word – dividirei as postagens e vou soltando durante a semana. Tenho mais dois pra relatar!

Me aguarde! 😈

“O Piloto Gringo”

Querido diário,

Essa postagem é dedicada especialmente àqueles que sentem falta dos relatos de encontros! 😏 Essa semana tive alguns dates diferenciados, deu vontade de relembrar os velhos tempos relalatando! 😛

Preparados?

Nossa conversa no whatsapp começou meio estranha…

– Olá. Meu nome é **** e encontrei sua página de perfil, Você está maravilhosa! Estarei em São Paulo nos próximos 2 dias e gostaria de saber se você está disponível.

Enviei o textinho com as minhas informações.

– kkk, gosto da sua confiança!! Do you speak english?

– Não entendi. – Respondi para a sua primeira frase, ignorei a pergunta do idioma.

– Eu gosto da sua confiança, então não há necessidade de se desculpar.

– Continuo sem entender porque eu me desculparia por algo. 🤔

– Acredito que estamos tendo um problema de tradução. Eu estava tentando elogiá-la sobre sua confiança.

Que elogio mais estranho Kkkkk, elogiar minha confiança? Não tinha muito sentido naquele contexto. 😅

– Provavelmente. – respondi referente a tradução equivocada.

Enfim agendamos um encontro e fui ciente de que a comunicação seria toda em inglês quando eu chegasse. Combinamos uma duração de 2h para o dia seguinte. Fui encontrá-lo no Hotel Pullman do Ibirapuera.

Eu acho engraçado quando os clientes utilizam fotos antigas e quando chegamos, constatamos que o mesmo está um pouco mais velho. 😆 O que não necessariamente seja ruim, apenas uma observação engraçada, rs.

Ele era um senhor interessante, apesar da idade, todo bem cuidado, magrinho, mas malhado, com peitoral saltado e barriga chapadinha, valorizei. Simpático, energia leve, estava preocupado que fosse bom para mim também. Elogiou bastante o meu blog, disse que a tradução era perfeita e até perguntou se foi eu mesma que tinha escrito em inglês e colocado no site. Já pensou eu ter todo esse trabalho?? Kkkk. Respondi que a tradução era automática pela própria plataforma, mas que agradeceria ao meu amigo de TI, que cuidou de toda essa parte pra mim! 😁

Conversamos um pouco antes de nos beijarmos, ele contou que era piloto de uma companhia aérea americana, estava no Brasil, inclusive, a trabalho, voaria de volta naquele mesmo dia, mais tarde. Ele tinha um espírito jovem, colocou Tame Impala para tocar e o beijo fluiu naturalmente. Como era um encontro de duas horas, foi desenrolando sem a menor pressa. Após muitos beijos e alisamentos, minhas roupas foram saindo primeiro, até o momento em que as dele também foram para o chão. Ao me deixar só de calcinha, sentou na cama, pegou um travesseiro, colocou na sua frente e indicou para que eu usasse. Entendi que queria que eu me ajoelhasse para chupá-lo. Na hora achei um pouco precipitado, pois ele ainda estava de cueca, mas bora lá, obedeci. 👅

Comecei delicadamente pelas bolas, um tempo de atenção em cada uma delas. Depois passei a língua contornando todo o pau, voltei para as bolas novamente, repeti todo o processo e só então o abocanhei por completo. 😛 Tentei dar aquela sensualizada, olhando para ele com cara de safada enquanto chupava, mas a sua reação em resposta não foi nada sexy kkkk, ele levantava as sobrancelhas e quase sorria, como se estivesse sem graça com a minha encarada kkkk. Algum tempo me deliciando, até que ele me puxou para mais beijos e então indicou para que eu me deitasse.

Daí ele falou algo sobre o tantra, chakras, confesso que não entendi tudo claramente, meu inglês está um pouco enferrujado kkk, mas captei o contexto. Pegou dois pinceis grandes, utilizados em body paint, desligou a música para que ficasse um ambiente mais sereno e começou a passar o pincel menor nos meus seios. Fechei os olhos e relaxei com a maciez das cerdas. Depois de um bom tempo ele trocou para o pincel maior e repetiu todo o processo. O percurso do pincel era rodear os meus seios, uma atenção extra nos mamilos e depois seguiu descendo pela minha barriga. Ele se posicionou entre as minhas pernas, de um jeito que parecia mesmo estar pintando o meu corpo!!

Explicou que aquilo servia para limpar as energias, que todas as nossas tensões ficam retidas na região pélvica e depois seguiu com os pincéis para lá. Alisou a minha pepeka com eles. Olha… foi muito gostosinho sentir aquilo! Aquela região estava bem mais suscetível que os seios. Depois de se dedicar um bom tempo nessa tarefa toda, me conduziu para a beirada da cama, pois iria me chupar.

Ele teve o cuidado de me mostrar, antes de usar em mim, um lubrificante com sabor que tinha trazido, me lubrificou com aquele gostinho e também seus dedos para introduzi-los em mim ao mesmo tempo. Dedada na xana, para mim, é uma roleta russa, tem dias que gosto, tem dias que não quero. Nesse dia eu não queria, tinha tido uma transa intensa no dia anterior e a pepeka ainda não estava plenamente recuperada. Ele percebeu que eu não estava muito confortável, mas atribuiu às minhas “tensões pélvicas”e continuou com os dedinhos. Deixei que continuasse, ele tava todo empenhado, não queria parecer a chata, cheia de não me toque.

Depois ele já quis encapar para me comer naquela posição mesmo, mas achei a camisinha gringa dele mega estranha. Toda enrugada, com um cheiro característico forte, tinha até uma bolinha branca solta nela. Perguntei o que era aquela bolinha, ele respondeu se tratar do lubrificante do próprio preservativo, mas era uma bolinha sólida, lubrificante não é líquido? Rs. Enfim, com esse pequeno contratempo logístico, ele perdeu um pouco da ereção e precisou inutilizar a camisinha que já estava encapada. Achei ótimo, preferia usar as minhas.

Ele se deitou na cama e voltei a chupá-lo, tentando reanimar o garoto. Deu um certo trabalhinho, depois fui correndo pegar o meu preservativo. Encapamos e ele veio por cima. Bem disposto! Mandou ver sem perder o fôlego em nenhum momento. Cardio tá em dia! Acendeu meu tesão enquanto ele metia! 🔥 Foi eu começar a me masturbar, com ele entrando e saindo de mim, que o danadinho se encaminhou para o orgasmo.  💦 💦 💦

Quando eu estava prestes a gozar, ele foi primeiro, mas continuou até que eu também chegasse lá. ❤️ Gente, juro, eu tive uma gozada muito intensa!! Acho que foi por conta de todo aquele ritual com os pincéis antes! Surreal! 🤩

Depois ficamos o restante do tempo na cama conversando. Ele é uma pessoa muito interessante. Mora na Flórida e compartilhou um pouco da sua vida, me mostrando algumas fotos em seu celular. Quando era jovem, fez parte de uma banda e quando vi essa fotografia, pedi que cantasse para mim. Achei que ele fosse recusar, ficar com vergonha, mas que nada, colocou uma música acústica do Foo Fighters e cantou junto com o vocalista! Cantou a música inteira, e cantava bem, viu?! Achei aquela cena fantástica!! Ele se interessou em saber que tenho visto para os Estados Unidos, internamente também me interessei por um possível job afora, rs. 😏

Depois fui tomar banho para ir embora e ele me convidou para almoçar. Eu não costumo aceitar convites fora do tempo contratado, mas como eu precisaria procurar um lugar para comer de qualquer jeito saindo dali, acabei aceitando. O almoço foi breve, o restaurante do hotel estava fechado, então pedimos um petisco no bar. O curioso foi que, durante o nosso papo, enquanto comíamos, ele pediu uma análise minha sobre uma situação dele com outra acompanhante, que ele estava envolvido. Ele me contextualizou todo o envolvimento deles e depois me mostrou as conversas de whatsapp. Achei o máximo estar sendo requisitada como coach de relacionamento entre clientes e acompanhantes. 😛

Bom, para você que ficou curioso pelo meu veredicto, resumidamente, o que concluí, após uma rica análise, era de que a acompanhante que ele dizia ambos estarem envolvidos, na verdade estava interessada nele para ser seu sugar daddy. O que não é ruim, se os objetivos de ambos estivessem alinhados, mas ele queria um romance sem envolvimento financeiro, rs.

O mais curioso ainda, é que no dia seguinte a esse encontro, tive um atendimento sem sexo, em que fui contratada justamente para analisar uma outra situação de envolvimento entre cliente e acompanhante! 👀 Será o universo me falando para explorar outras vertentes?!! Já sou coach para novas acompanhantes, imagina se eu lanço a modalidade coach para clientes também?! 😁

Comentem aqui o que acham da ideia!!

Gostariam que eu voltasse a relatar mais os encontros também? 😏       

“O Asqueroso”

Querido diário,

Como tudo nessa vida tem uma primeira vez, essa é a primeira que me deparo com um cliente tão desagradável, advindo do Clubmodel. O que realmente foi inédito, pois de lá sempre vem clientes muito bons. Pelas conversas eu já desconfiava, mas quis dar uma chance, afinal, não seria a primeira vez que pessoalmente pudesse ser melhor do que nas mensagens, se esse fosse o caso.

Combinamos de eu ir até a sua casa, no Tatuapé. Prédio com portaria, é claro. Por um instante ele sugeriu mudar para o motel Messalina, mas por ser um sábado à noite, perto do horário de início dos pernoites, concordei que fosse na sua casa mesmo, a fim de evitarmos filas.

Assim que cheguei no endereço, achei a estrutura do prédio estranha. Parecia um hotel caído e não prédio residencial. Por dentro era mais esquisito ainda. O apartamento dele ficava no térreo, no final de um corredor extremamente largo e cheio de portas.

Logo que passei pela sua porta, que já estava semiaberta a minha espera, instantaneamente me deu uma vontade enorme de dar meia volta e ir embora. O lugar era um verdadeiro muquifo. Em um único cômodo tinha a cozinha e um quarto, dividido apenas pelas costas de um guarda-roupa velho. Na ponta um banheiro, que felizmente tive a sorte de não precisar conhecer. Eu nunca tinha ido atender num lugar tão feio e bagunçado. O ambiente tinha um cheiro característico forte e aspecto de sujo. Não consegui disfarçar o meu desconforto de estar ali.

Eu estava com sede e ele quase não tinha água para me oferecer. Me deu o restinho que continha no fundo de um filtro de barro, num copo com formato diferente, que quando bebi senti um cheiro ou gosto estranho, não saberia te dizer. Eu até fiz uma pausa, enquanto bebia, para olhar melhor o copo e ele deu uma leve risada, da cara de nojinho que eu devo ter feito.

Ele me achou um pouco séria e perguntou se eu era tímida, mas na verdade eu estava super desconfortável de estar ali. Ele fez questão de destacar que não era sua moradia oficial, mas independente de ser ou não, como alguém se sujeitava a se hospedar num lugar inóspito como aquele? Era desproporcional pensar que ele tinha condições até mesmo de pagar o meu cachê.

Como tínhamos combinado previamente, pedi que me fizesse o pix assim que eu chegasse. Ele concordou e pediu que eu colocasse uma música para nós, me indicando um notebook velho, com o Youtube aberto, se ausentando por um momento. Coloquei para tocar Massive Attack, tentando melhorar aquela experiência, porém, sem o menor sucesso. Achei que ele tivesse ido fazer o pix, mas só depois percebi que tinha ido ao banheiro. Após um bom tempo voltou, sem que eu ouvisse qualquer som de descarga, e sentou-se na cama de solteiro, desarrumada, para entrar no aplicativo do banco.

Ele não estava conseguindo fazer o pix e internamente torci para que não desse certo e eu pudesse ir embora mais rápido. Daí precisou fazer uma parte por dois bancos diferentes, por conta do limite de pix, devido ao horário. Tínhamos combinado 1:30, o equivalente a R$ 1.050,00. Após dez minutos que eu havia chegado, resolvemos essa questão e iniciamos o encontro.

Ele se sentou numa poltrona velha de escritório e sugeriu que eu pegasse uma cadeira para mim também, dizendo: “Senta, vamos trocar uma ideia”. Na verdade, todas as cadeiras estavam ocupadas com coisas em cima, então escolhi uma mais distante, encostada no armário da pia da cozinha, com uma sacola em cima, que parecia lixo reciclado. Ao movimentar a sacola, vi uma baratinha andando na porta desse armário. Senti ainda mais nojo por estar naquele lugar!!

Começamos a conversar, quero dizer, ele falava e eu mais ouvia, não estava com a minha sociabilidade ativada naquele cenário. Tentava imergir no encontro, mas do meu lado não estava fluindo. Comecei a reparar nele, que era o reflexo daquele ambiente. O achei muito feio e não aparentava que tivesse se preparado para me receber. Moreno, sem camisa, de bermuda, descalço e na cabeça usava um quipá verde.

Teve um momento que sentamos mais próximos e olhei o seu rosto bem de perto, a poucos centímetros do meu. Foi assustador! Eu não conseguia me imaginar beijando ele. Seu hálito, tão perto do meu rosto, não tinha um cheiro bom. Ficamos alguns segundos assim e passei a olhar para baixo, não conseguia encará-lo por muito tempo. Como se tudo aquilo já não estivesse ruim o bastante, ainda comecei a sentir um leve cheiro de urina, vindo do meio das suas pernas. Estava ficando cada vez mais insuportável continuar ali.

Daí ele foi até o notebook para me mostrar uma música e assim que se afastou, subitamente me deu vontade de chorar, eu não queria estar naquela situação, mas estava sem jeito de encerrar. Ele deve ter percebido a minha cara de poucos amigos e disse: “Hoje não precisa rolar nada”. Me deu um alívio momentâneo ao ouvir isso, mas, no segundo seguinte, ele me puxou para seus braços, num rápido movimento. “E a parte do não precisar rolar nada?”, pensei.

Ele já estava cheirando meu cangote, se preparando para dar o bote. Evitei olhar para ele, para que não se sentisse motivado a avançar pelo contato visual, mas eu estava chegando no meu limite, caminhava para um momento em que teria que beijá-lo sem escapatória! Até que, meu pai do céu, tive forças para interromper!

– Olha, eu vou te fazer o pix de volta, porque eu não estou confortável.

Num ato de coragem soltei essa frase e na mesma hora ele também me soltou, dizendo “tá bom”. Peguei meu celular, entrei no aplicativo do banco imediatamente, perguntei a sua chave e torci para que meu limite de pix – que eu nem sei qual é – também não me atrapalhasse. Dinheiro devolvido, peguei minha bolsa para ir embora. Ele perguntou se eu não gostaria de chamar o uber antes de sair, mas respondi que chamava lá de fora mesmo. Eu só queria sumir daquele lugar!

Assim que passei pela porta, lágrimas começaram a escorrer dos meus olhos. Não sei se era um choro de alívio, por não ter me violado a fazer algo que eu não queria, com um homem asqueroso, por dinheiro, ou se era um choro de angústia, por ter me colocado numa situação tão desagradável quanto aquela.

Onde eu estava com a cabeça? Pelas conversas do whatsapp eu já desconfiava não ser uma pessoa bacana, pela fachada do prédio desconfiei que poderia ser uma espelunca, por que deixei chegar naquele ponto? Por que não me ouvi? Por que eu estava ali? Ainda tive o prejuízo de ida e volta do Uber, que não foi barato. No retorno peguei um motorista tão simpático e alegre, mas mal consegui responder ao seu cumprimento, de tanto que eu chorava. Que situação de merda!

Cheguei em casa e tomei um belo de um banho. Até lavei meu cabelo – que já estava limpo – ,  onze horas da noite. Refleti bastante e decidi adotar novas medidas de segurança. Não atendo mais em domicílio em regiões distantes. Não vou mais até a casa de um estranho, sem ver a sua foto previamente, e o principal: Não chegarei ao ponto de agendar um encontro, no menor sinal de estranheza durante a conversa.

Nunca mais quero me colocar em situações como esta!

Quem você é?

Alguém aqui sabe responder essa pergunta? Mas não é a pessoa que você descreve numa entrevista de emprego ou para alguém que acabou de conhecer. Digo o que você sabe sobre si mesmo. O que de fato você é, diferente do que você se mostra. As pessoas nos veem de uma maneira, nós nos vemos de outra, mas o que realmente somos, aquilo que buscamos constantemente descobrir, é muito mais profundo do que tudo isso.

E esse é o tipo de reflexão que você dificilmente vai ter na adolescência, ou recém-chegado a vida adulta, esse pensamento só vem com o tempo. Quando você vê a sua vida querendo tomar uma forma e ainda não sabe se é a forma que você realmente gostaria. Mas o que você quer, afinal? Descobrir o seu propósito de vida será o que te fará entrar no caminho certo. Quando você se conhece muito bem, aí sim conseguirá trilhar, sem medo ou qualquer dúvida, conhecendo todos os seus pontos fortes e fracos, sabendo usá-los a seu favor nessa jornada.

Eu estou muito nesse momento agora.

Pensando que voltei para esse ramo pela segunda vez, mas que não terei uma terceira, agora vai ou racha! Vai ou racha fazer tudo que eu quero para a minha vida acontecer. Vejo tantas possibilidades, tantos possíveis desfechos, contudo, me encontro com certos bloqueios em começar os movimentos certos para que lá na frente, possa colher tais frutos. Alguém mais já se deparou com esses pensamentos?

O que eu quero para a minha vida profissional? Focar mais na carreira artística? Fazer aulas de dança e canto para tentar um teatro musical? Ou talvez um curso de treinamento contínuo para atores e tentar o mercado audiovisual? Ou então fazer curso de dublagem e aproveitar essa voz linda que eu tenho? (É o que todos vocês dizem! 😅)

Ou será que o foco deveria ser na minha formação jornalística, já que escrevo tão bem? Procurar desenvolver mais isso, fazer um curso de roteiro e tentar escrever algo realmente rentável? Ou será que sigo investindo no ramo do sexo, concluo logo o meu livro, há meses no forno – que será destinado a todas as mulheres que também querem ser acompanhantes – e busco conquistar o sucesso literário com os textos “da Sara”?

Sério, é muito difícil olhar para frente e tentar adivinhar qual dessas possibilidades daria mais certo. O fato é que gosto muito de sexo, de ser mimada, dessa rentabilidade financeira, mas também sei muito bem que um dia isso acabará e preciso estar muito bem estruturada profissionalmente, quando esse momento chegar.

É muito complexo pensar quem você é e o que quer de fato para a sua vida. Isso em todos setores. Eu, por exemplo, achava que eu fosse uma mulher que quisesse ter filhos e me casar, mas hoje, apreciando tanto a minha liberdade mais uma vez, não sei se estou pronta para abrir mão disso, algum dia, de novo.

Quando eu conheço um cara interessante, é muito engraçado pois, já me imagino namorando e depois casando com ele, no entanto, após a primeira transa, eu só quero a minha cama vazia de novo.

Certa vez, no passado, conheci uma pessoa que era casada no papel, mas moravam em casas separadas, pois ambos acordaram manter a sua privacidade e independência. Quando ouvi aquilo pela primeira vez, achei um grande absurdo, mas hoje, analisando melhor, vejo que eram muito inteligentes. Porque a convivência desgasta qualquer relacionamento.

É gostoso ficar junto da pessoa que você ama todo dia, mas um dia, toda aquela convivência vai perder um pouco da graça. Eu nunca julguei meus clientes casados (no fundo no fundo, talvez um pouquinho, pois nutria aquela fantasia de que casar com a pessoa amada é algo mágico), mas só quando você está do outro lado, para saber como é (e olha que o meu foi menos de dois anos). Não gosto de dizer que fui casada, me sinto uma velha senhora divorciada dizendo isso, rs, então eu apenas morei junto com o meu namorado (ex no caso), sem qualquer vínculo documentado. 

Invejei os clientes casados que saem com acompanhantes, por viverem essas aventurinhas na rua, sem prejudicar o que possuem dentro de casa. É muito difícil para a mulher poder também descarregar desse jeito, quando não tem muitos michês no mercado. Não que eu tivesse procurado por um, mas, confesso que, algumas vezes, me peguei pensando em como gostaria de também poder recorrer a esse serviço. 😬

Afinal, será que em algum relacionamento você consegue não enjoar do que tem e sempre ficar plenamente satisfeito com aquilo? Só aquilo te bastar para o resto da vida? Nunca mais querer uma novidade? O ser humano não nasceu para ser monogâmico, você sabe, né? Mas ao mesmo tempo que gostamos de uma novidade, nos sentimos mais confortáveis com a exclusividade. Duas coisas completamente opostas, que só servem para confundir a nossa cabeça.

Agora falando sobre a parte de ter filhos. Eu sei que quando você tem um, tudo muda, a sua maneira de ver a vida, o mundo e etc, mas, falando com a cabeça de quem ainda não viveu essa magia: Nossos filhos nunca nos amarão com a mesma intensidade do qual amaremos eles, já vamos começar por aí. Você se doa e lá no futuro será deixado sozinho em casa com seu cônjuge (se você tiver a sorte ou azar de ter um), quando os seus filhos crescerem e saírem da sua aba. E até esse momento chegar, você pode ter dado a sorte de ser uma criança maravilhosa, de bom coração e amorosa, como pode vir uma pessoa de personalidade conturbada, duvidosa, birrenta, que só vai te dar dor de cabeça, por mais que você se esforce em educar do jeito certo. Tudo isso ainda vivendo num mundo que tentará o corromper de todas as maneiras possíveis.

Certa vez, um trecho de um livro me chamou muito a atenção, em que dizia: “Um filho é, obviamente, uma responsabilidade muito mais séria que qualquer outra, de qualquer ordem, que a vida possa apresentar. Acho que, se alguém por um segundo pensasse a fundo no que significa criar uma pessoa e fazer dessa pessoa alguém de quem o mundo vá se orgulhar, nenhuma criança mais nasceria no planeta.” (Trecho retirado do livro Louca Por Homem, de Claudia Tajes.) 

Profundo, não? Aí eu penso: “Será que eu quero mesmo ter esse tipo de vida ou fui condicionada a achar que sim, pelos filmes e novelas?” 🤔💭

Aos poucos estou descobrindo mais coisas sobre mim. O que gosto, o que não gosto, até onde me preocupo com o que os outros pensam a meu respeito. Eu sempre vejo postagens falando sobre a verdadeira felicidade estar nesse lugar, em que você não se importa com a opinião de mais ninguém, mas você só chega nessa posição, quando se conhece muito bem, ao ponto de jamais se sujeitar ao que não lhe agrada, independente de quem esteja do outro lado. 

Até mesmo nesse ramo, agora que voltei, comecei a aplicar isso. Antigamente eu só não saía de novo com os clientes relatados no menu desagradáveis. Hoje estou me respeitando mais e não deixando que chegue nesse extremo. Não repito encontros com quem eu simplesmente não tenha curtido, mesmo que o outro insista várias vezes. Trabalho por dinheiro, mas também por prazer.

O fato é que, pensando profundamente na resposta da pergunta inicial, ainda não sei quem eu sou. Sei que sou ambiciosa, focada quando quer, procrastinadora sem querer, engraçada, safada e sonhadora. Amo atuar, amo cantar, amo transar e escrever. Quero encontrar alguém legal, mas sem me sentir presa a qualquer relacionamento. Quero sucesso, quero muito sexo e quero, acima de tudo, alcançar cada vez mais esse autoconhecimento.

video
play-rounded-fill

Desaventuras Amorosas em Série – Parte 2

– Eu acho que vi um gatinho 🌚

Essa sou eu, interagindo no storie de um cara muito gato no Instagram, cujo derivou do Tinder, é claro. Não chegamos a dar match, mas na bio dele tinha o seu insta, então não perdi tempo. Após liberar a minha solicitação e me seguir de volta, esse storie foi sua primeira postagem, após nos adicionarmos. Se tratava de uma selfie no espelho do elevador. Lindo de corpo, lindo de rosto, ele definitivamente era o meu número! 

– 🌝 É tudo filtro. – Ele respondeu demonstrando bom humor. 

– Hahaha sabemos que não. 😏

– 👀 Ah é? Como tem certeza?

– Muito simples, não tem marcação de filtro no storie haha. Sua beleza é legítima. 

– Verdade, vc tem razão sobre o filtro. Mas quanto a beleza, sou apenas um cidadão brasileiro no meio da multidão. 

Gato e humilde! Conseguia ser ainda mais atraente! 

– Mas a gente pode marcar pessoalmente. Daí fica mais fácil vc tirar essa prova.

Encontrar aquele Deus Grego ao vivo? Era tudo o que eu queria! 🤩 

– Gosto da ideia! Pq tô achando que você não tá dando o real valor pra esse gatinho no espelho.

– Você é de Sp?

– Sim! E você?

Quando respondi, ele já tinha dormido, me respondeu no dia seguinte, 06:34 da manhã: 

– Bom dia. Ah sim, não é longe eu acho. Moro na zona sul, perto do shopping Ibirapuera.

– Como ele acorda cedo. Uau! Moramos perto, nada que um Uber não resolva rapidamente rs. Bom dia.

17:43

– Boaaa tarde. Tava na correria aqui do trabalho, hoje tive que ir pro escritório. Mas tenho o costume de acordar cedo, até quando não precisa.

20:11

– Eu também sou assim! Nos finais de semana é triste rs.

21:47

– Pois é haha. Queria conseguir ficar mais tempo na cama, mas meu corpo pede pra levantar. Vc tem algum animal de estimação? 

00:46

– No meu caso, o corpo quer dormir mais, mas o cérebro está super desperto, daí não consigo pegar no sono de novo rsrs. Tenho sim! Dois gatos!! E você? 🙂

Vejam que a conversa ia bem, leve, promissora.

Até que… 

… estagnou aí! 

A minha resposta não tinha sido visualizada, achei que talvez ele estivesse sem entrar no Instagram, porém, vi sua carinha ali nos visualizadores do meu storie! “Que estranho”, pensei. Será que ele esqueceu de entrar na nossa conversa? 🤔 Fiquei com essa dúvida. Daí, resolvi mandar uns olhinhos, para dar um refresh lá no nosso bate papo. 

– 👀

Ele respondeu imediatamente!

– O que foi? Kk. Foi mal mas vc demorou horas pra me responder. Ia te chamar pra fazer algo. Mas de boa kk, deixa quieto do jeito que tá.

Oi? Eu tava falando com a mesma pessoa?? 😮

– Do que você tá falando? – Perguntei confusa. 

– Só falei que parei de te seguir por esse motivo (eu nem sabia que ele tinha parado de me seguir). Sei lá, pra mim isso parece q a pessoa não tá afim. Só tenho esse ponto de vista.

Fiquei perplexa olhando para a tela do celular. 

– Eu te respondi, você que não entrou mais na conversa pra ver. Não entendi esse surto rs.

Eu jurava que alguém tinha entrado no Instagram dele e apagado a nossa conversa, algo que justificasse aquela acusação de não ter respondido ele. 

– Surto? Só disse que levou muito tempo pra responder. Isso não é surto, só ponto de vista.

Oi?????

– Rapaz, te respondi 3 horas depois pq tenho uma vida e não fico sempre no Instagram. Tô sendo cobrada por demorar pra responder numa rede social! 😨

– Ué respeito. Só não tô entendendo pq vc tá brava. 

Eu tava brava?? O cara rebatia meus argumentos com umas coisas nada a ver! 

– Quem tá bravo é você kkkk. Que temperamental. 

– Não cobrei em hora alguma, só acabo perdendo o interesse kkk. Não tá afim tudo bem.

Gente, nunca me deparei com isso na minha vida. Sério! 😮 Era inacreditável que o cara ficasse afetado porque demorei três horas para respondê-lo!

– Olha eu até estava, te respondi assim que pude, você cagou e não entrou mais na conversa pra ler, o que achei mega estranho, pq você continuou olhando meus stories, mandei os olhinhos achando que você talvez tivesse esquecido de abrir a conversa e me deparo com isso. Sério, estou assustada com esse comportamento. Quem não quer mais sou eu. Fique bem. Bjs.

– Kkkk. Ué dps perdi o interesse. Não sei pq tá assustada.

– Uma pessoa que perde o interesse pq alguém levou 3 horas pra responder é preocupante.

– Ué vc me responde de madrugada.

E daí???????? Tem protocolo de horário agora que eu não tô sabendo?!

– Pra você ver como ainda tive a consideração de te responder, não importasse o horário. Realmente esse mundo está muito imediatista.

– Ok não temos as mesma vibe. Tudo certo. 

Não mesmo! E ainda bem que não, porque a dele é pesadíssima! 

– Fique tranquilo, também deixei de te seguir. Bjs 😘

– Perfis diferentes apenas.

Fiquei com uma sensação horrível de maus tratos depois disso. O cara visivelmente tem problemas para se relacionar, quase me meti numa enrascada. Imagina sair com um cara desse? Imagina se relacionar com uma pessoa dessa?! Se o cara age dessa maneira com uma estranha, do qual não lhe deve nenhuma satisfação, imagina comprometido, lidando com situações ainda mais complexas? Primeira vez que me deparo com um louco desse, Jesus! 

O cara era muito gato, você não imaginaria que por baixo daquela aparência esculpida existisse uma pessoa tão pertubada. É preciso tomar muito cuidado com a internet e esses aplicativos de relacionamento. Só me resta agradecer por esse livramento. 

Confesso que dei uma leve broxada do Tinder depois disso. Um pouco traumatizada, sabe? Vou passando as fotos dos caras e só me vem o pensamento: “Será que esse cara é normal? Qual surto ele deve ter?” 🤔😰