My Day

Sara Müller

Atrasada. Como sempre atrasada. Mas desta vez sem estar consciente do real horário. Me atrapalhei. O horário que eu já deveria estar lá, meu cérebro projetou que eu deveria estar saindo de casa. Droga. Ainda por cima com cliente novo. Espero que ele esteja tranquilo de horário.

O notifico do meu atraso e agilizo no processo de produção. Eu, que estava em dúvida de qual roupa usar, não podia mais me dar ao luxo da indecisão. Peguei aquele vestido que sempre faz sucesso e me maquiei em tempo recorde. Meia hora atrasada. Quem disse que as mulheres só atrasam no casamento?

“O Sereno”

Meu primeiro cliente do dia, era um que já havia comprado um vídeo meu. Ele também chegou a marcar um encontro comigo alguns dias atrás e desmarcou de um jeito seco que me pareceu história inventada.

Na verdade, sempre que um cliente desmarca, fico achando que a desculpa dada (isso quando dão alguma justificativa), nada mais é que: “Perdi o tesão, não vou mais gastar o meu dinheiro”. Achei que fosse o caso deste, mas não. Ele remarcou alguns dias depois, mais um motivo pelo qual eu não queria causar má impressão chegando atrasada.

Quando o motorista do Uber me deixou em frente a garagem da suíte 504, me deparei com algo que eu particularmente detesto: a porta da garagem fechada. E se tem uma coisa que eu detesto mais do que isso, é a demora para que ela seja aberta.

Lhe enviei uma msg que não entregou, me causando um leve desconforto pela falta de comunicação. Quem sou eu para reclamar de uma porta baixada, quando cheguei meia hora atrasada, não é mesmo?? 

Não sei quanto tempo esse processo levou, talvez um ou dois minutos, mas para mim pareceu que foram cinco. De repente escuto o primeiro barulho da porta querendo subir e me preparo para a grande entrada triunfal. Ele me aguardava ao lado da porta do quarto e não me contive em dar uma alfinetada: “Esqueceu a garagem fechada? Rs”, ele se desculpou. Me desculpei também pelo atraso.

Adentrei na suíte, que já estava na penumbra, e tirei os meus óculos. Ultimamente estou me achando mais bela sem eles, mas não deu tempo de colocar a lente. Daí me virei para o cliente e começamos a nos beijar. Longos beijos ainda de pé ao lado da cama. Ele beijava bem e percebi que era o tipo carinhoso. A música de fundo também estava agradável, aquelas melodias dos anos 80.

Muitos beijos de pé, até que começamos a despir um ao outro. Desabotoei sua camisa e ele levantou o meu vestido, revelando a minha lingerie lilás, que escolhi com esmero por a calcinha ser toda detalhada no bumbum. 

Ele me deitou na cama, nos beijamos mais um pouco e então desceu para me chupar. Nossa que delícia. Começar o dia sendo bem chupada não é para qualquer uma não! Hehe. Me chupou por algum tempo, até que voltou a me beijar e então falei que era a minha vez. 

Não consegui chupá-lo muito, pois, ele estava muito excitado e prestes a queimar a largada. Não muito depois encapamos e veio por cima no papai e mamãe. Ele gozou muito rápido, o que encarei como um elogio. 

Se lavou, voltou para a cama e enquanto conversávamos, me alisava de um jeito super gostoso, como se principiasse uma massagem. Depois pousou sua mão na minha xaninha e começou a brincar com o meu clitóris de um jeito diferente. Que tesão! Fiquei tão excitada que dei um jeito de chupá-lo ao mesmo tempo. Ele incentivou que eu usasse o meu brinquedinho e alguns minutos a frente gozei com seu pau na minha boca, seus dedos na minha xana e meu brinquedinho vibrando junto. 

Ele também estava mega excitado e tentamos transar. Encapamos, me posicionei de quatro, a seu pedido, mas o seu pau não entrava. Quando isso acontece ou é a posição ou não está duro o suficiente. Nesse caso acho que foi um pouco dos dois. Conforme ele não entrava, cada vez mais amolecia. Achei que ele fosse querer trocar para outra posição, mas ao invés disso foi direto para o banheiro tirar a camisinha, me deixando sem entender a abrupta desistência. 

Voltou para a cama e ficamos apenas conversando. Faltavam uns dez ou quinze minutos para acabar o nosso tempo e percebi que o clima de tesão havia passado. Tivemos um papo super interessante sobre PNL (Programação Neuro Linguística), ele também me contou que eu era a sua terceira experiência com acompanhantes e então fui tomar meu banho. Nosso encontro foi de apenas uma hora, então passou rapidinho. Ele se banhou depois de mim e precisou partir antes que meu Uber chegasse. Gostei bastante dele! Espero que repita, apesar do meu atraso, rs.

Repeteco com o Esbaforido

Me surpreendi quando recebi a sua mensagem querendo um novo encontro. Fazia quase um ano desde que saímos (setembro do ano passado), época em que eu ainda relatava os encontros. O que me ajudou a relembrar este aqui.

Já fui preparada para o que me esperaria: rapaz tenso, jovem, um tanto inexperiente e que costumava dar trabalho após a primeira gozada, rs. E lá estava ele me esperando na entrada do seu prédio, conforme o combinado.

Tirando a foto do WhatsApp, não lembrava muito do seu rosto, mas sim, perfeitamente, do seu jeitinho. Entramos no seu apto e puxei assunto com uma informação a seu respeito que eu recordava: sua faculdade. Ele já se formou e agora está ingressando na área. Logo fomos nos encaminhando para o quarto e desta vez não teve o primeiro álbum do Oasis. Apenas o silêncio, e deixamos assim. 

O conhecendo e sabendo que ainda tínhamos duas horas pela frente, ao contrário da nossa primeira vez, também relaxei e não pensei muito na condução dos acontecimentos. Apenas o beijei, beijei e beijei. Até que ele mesmo tomou a iniciativa de me deitar na cama e me chupar bem gostoso. 

Seu oral melhorou bastante! Até perguntei se ele havia praticado, rs. Me permiti relaxar naquele momento. Ahh como era bom ser paparicada mais uma vez no dia. Ele me chupou por uma deliciosa eternidade, até que pedi que me deixasse fazer o mesmo com ele. Voltamos a nos beijar, depois chupou os meus seios e então se deitou. Não chupei por muito tempo, pois logo ele pediu pela camisinha. Encapei o menino.

Me sentei com cuidado e então comecei a me movimentar em cima dele, bem devagar, para só ir ganhando velocidade com o tempo. A transa durou um tempo razoável, ele gozou com a minha cavalgada. Foi se lavar e o aguardei rendida em sua cama. Quando retornou, conversamos um pouco e lhe ofereci uma massagem, apenas para ir aquecendo o segundo tempo. Ele acabou recusando, pois, disse que sentia cócegas e o provoquei com isso, rs. O nosso aquecimento se sucedeu pelos beijos e quando dei por mim já estava chupando seu pau novamente. 

Quando chegou o momento de encapar, sugeri a posição de ladinho. Como sabia que sua segunda gozada demorava mais, achei prudente começarmos numa posição menos cansativa que nos daria maior fôlego para os longos minutos de transa que viriam a seguir. Ele concordou e foi uma transa bem amorzinho. Ele com o nariz no meu cangote e eu alucinada de tesão com o meu brinquedinho vibrando lá embaixo também. Gozei assim. Hummm.

Já ele, como eu previra, continuou a todo vapor. Depois trocamos para papai e mamãe, posição esta em que ele ficou por mais um tempo até gozar. Depois disso foi olhar as mensagens em seu celular – que estava apitando direto – e eu aproveitei para entrar no banho. Ainda tínhamos uns quinze minutos, mas percebi que ele precisava de privacidade para responder as mensagens e também sabia que com aqueles míseros minutos restantes não teríamos tempo hábil para engatar alguma coisa.

Me banhei e quando retornei para o quarto, ele já estava vestido, ainda no celular. Terminei de me arrumar com calma e então me preparei para ir embora. Novamente ele me presenteou com chocolates e me acompanhou ate a entrada do prédio. Fofo ele. Espero que não demore tanto tempo de novo para que tenhamos outro repeteco! 🙂

Voltando para casa, ainda embalada naquela atmosfera de tesão e bem estar, fui surpreendida por uma situação inusitada. Em determinado farol, próximo a Av. Paulista, aconteceu uma coisa pelo qual eu nunca havia passado. Com toda essa questão da pandemia, é quase que requisito obrigatório os motoristas de Uber não ligarem o ar condicionado do carro e, ao invés disso, deixarem os vidros abertos.

Era um dia quente, logo, abri o vidro da minha janela também, pois, toda vez que o carro parava em algum semáforo e ali ficava por alguns minutos, eu quase cozinhava dentro. Daí, minha gente, estava eu lá entretida no meu celular, fechada no meu mundinho, quando, de repente, alguém tentou tomar o celular da minha mão! Um homem que estava do lado de fora do veículo tentou me assaltar!!! Foi mesmo muito rápido. Antes que meu cérebro tivesse tempo de raciocinar o que estava acontecendo, por instinto eu apenas segurei ainda mais forte o meu telefone.

Por sorte eu já o segurava com as duas mãos, então o bandido ficou em desvantagem. A sua tentativa durou uns dois segundos e então saiu andando calmamente como se nada tivesse acontecido. Eu apenas olhei para o lado para ver quem era e permaneci muda e pasma.

Calafrios percorreram todo o meu corpo e continuaram até mesmo depois que eu já estava segura dentro de casa. O motorista do Uber, de imediato, nem tinha entendido o que acabara de acontecer. Ele disse que achou que tinham batido em seu carro, até que viu o cara saindo da janela.

Foi mesmo uma situação muito sinistra. Só quem também já foi assaltado conhece essa sensação. Ele perguntou se eu gostaria que ele parasse em algum lugar para eu beber uma água, mas tudo que eu queria era chegar logo na minha casa. Olhei para o meu braço em que o assaltante tocou e meu pulso estava levemente avermelhado pelo atrito.

Eu só conseguia agradecer a Deus por ele não ter conseguido levar nada. Se eu já estava me sentindo mal pela tentativa, imagine como eu ficaria se ele tivesse levado meu celular embora? Não estaria com ânimos nem para escrever esse post de tão arrasada que eu estaria.

No tempo restante do trajeto, enquanto tentava abstrair o ocorrido, como forma de terapia comecei a escrever. Um texto preliminar e não finalizado, que compartilho com vocês, juntamente com uma canção:

 

“Os calafrios percorrem o seu corpo. Ainda não lhe caiu a ficha do que acabara de acontecer. Alguém invadiu o seu mundinho. Uma pessoa mal intencionada, não convidada, ousou invadir a sua bolha. Que sensação ruim. Na sua pele jaz a marca da tentativa. Não, ele não conseguiu. Não conseguiu te deixar pior do que você estaria se ele tivesse conseguido. Só quem já passou pelo mesmo, conhece essa sensação.

Seria você o culpado? Culpado por facilitar o roubo? Culpado por abstrair que vive numa cidade violenta e relaxar no banco de trás de um carro como se estivesse em segurança? A segurança não existe. É ilusória.”

Não está lá essas coisas, eu sei. Não tive tempo de aprimorar ou continuar. Abandonei assim e lhes trouxe o primeiro esboço do que poderia vir a ser lapidado. Enfim, cheguei em casa e quando olhei meu celular de trabalho, me deparei com uma mensagem fofa do Esbaforido:

Claro que não o incomodei contando o que me aconteceu voltando da sua casa, mas é provável que ele descubra lendo esse post, rs.

Meu dia não terminou por aí, quero dizer, coisas ruins sim, parou por aí, mas eu ainda tinha mais um job! O último do dia para fechar a agenda. Mas antes de encontrá-lo, fiquei um pouco em casa. Pude almoçar (em horário de lanche da tarde, rs), fiz algumas tarefas domésticas e então tomei outro banho, iniciando o terceiro tempo de produção pré-atendimento.

Este cliente, confesso que fui pensando ser um e quando cheguei era outro. Isso que dá não relatar mais os encontros! Rs. Nossa memória nem sempre funciona 100%. Ele não fala uma palavra sequer em português e pelas poucas palavras e maior objetividade nas mensagens, pensei que fosse um tal japa que atendi certa vez. Quase acertei. Na verdade se tratava de um chinês que tinha atendido em outubro do ano passado.

Quando entrei em seu carro – combinamos um horário em que ele estava chegando da rua, me poupando de passar pela portaria do prédio – , percebi na hora que havia me confundido de cliente. “Quem é esse mesmo?” Me forçava a lembrar. Ele comentou que havia se mudado do apartamento anterior, o que explicava eu não reconhecer o endereço. Sabia que não era cliente desagradável, pois, se fosse eu o teria bloqueado e no entanto seu nome e número permaneciam salvos na minha agenda.

Tive a certeza de quem ele era quando entramos no seu apartamento. Só pela organização do ambiente – ou devo dizer, desorganização, rs – lembrei de como o havia apelidado na minha mente quando o conheci: o chinês do apartamento bagunçado, rs. Impressionante como ele conseguia manter o mesmo padrão de bagunça mesmo em apartamentos diferentes. Mas longe de mim julgar alguém! Eu também sou bagunceira às vezes, estou apenas comentando uma de suas características que me fizeram lembrá-lo mais facilmente! Rs.

“O Bagunceiro”

Este apartamento era igualmente grande ao anterior que ele morava. Escolheu o quarto mais limpo e organizado para ficarmos e então pediu licença para se banhar. Me deitei na cama e fiquei apreciando a luz do sol que entrava. Ele demorou para voltar, então decidi esperá-lo seminua. Tirei meu vestido e até fiz umas fotinhos com o meu celular que quase foi roubado, rs. 

Quando ele veio, já estava praticamente nu, com apenas uma toalha enrolada em sua cintura. Nos beijamos ainda de pé, até que nos encaminhamos para a cama. As preliminares foram um tanto comportadas. Ele não é muito de ter contato com o corpo do outro, ou seja, não me chupou em cima (seios), muito menos embaixo (xana).  Não sei porque, mas eu tinha uma vaga lembrança que no primeiro encontro ele tinha me chupado. De duas, uma: ou mais uma vez minha memória estava me traindo ou desta vez ele não o fez por ela estar mais peludinha. Bom… saberei numa próxima vez que sairmos e eu estiver depilada, rs.  

Mas ainda que ele não fizesse nada em mim, pude curtir transar com ele, pelo seu jeito gentil na cama. Caí de boca no seu pau e em determinado momento ele pediu que eu lambesse seus mamilos. Obedeci, é claro, inclusive me dediquei mais tempo do que o normal neles. Não muito depois já encapamos e ele veio por cima. Novamente tentei usar meu brinquedinho durante a transa, mas ele não curtiu a vibração lá embaixo. Uma pena. Gozou e já foi imediatamente para o banheiro, se limpar.

Ao retornar, após pouco tempo de conversa, ele pediu por uma massagem. Peguei o meu óleo massageador na bolsa (não coincidentemente eu tinha levado, já que fui lhe encontrar pensando se tratar de outro cliente, um que, por acaso, eu havia lhe feito massagem no nosso primeiro encontro) e me sentei por cima dele, que já estava deitado de bruços. O massageei por bastante tempo, até ele considerar que já estava bom, demonstrando sinais de que queria voltar a posição inicial. 

Sobrou tempo para uma segunda rodada. O chupei mais um pouco só para terminar de deixá-lo no ponto, encapamos e desta vez eu que fui por cima. Transamos um pouco assim, até que ele quis voltar para o papai e mamãe, posição esta em que teve a sua segunda gozada. Depois já fui me encaminhando para o banho, ao que ele fazia o mesmo, em outro banheiro da casa. Gentil ele, do seu jeito, é outra cultura, né?

Voltei para a casa em segurança, desta vez, com o vidro do carro fechado.

Repeteco com o Retrô!

Querido diário…

Já disse que amo repetecos né? Amo! Mesmo aqueles que talvez eu não venha mais a relatar. O que não é o caso deste, gosto de compartilhar as coisas que sinto na presença dele. 

Ainda não tínhamos feito praticamente nada, apenas trocado beijo de cumprimento, e naquele momento, em sua cozinha, que ele começou a me apalpar docemente, pude sentir toda a energia que emanava dele, sendo transmitida através do toque da sua mão no meu corpo. Mais do que isso, foi também gostoso ouvir o que ele tinha para me dizer:

– Sabe que sou muito grato por você fazer isso?

– Isso o que? Ser acompanhante? – Perguntei cautelosa.

– Sim. Porque eu jamais poderia me aproximar de você sem ser dessa maneira. Se eu te visse num barzinho, por exemplo, não seria apropriado eu me aproximar.

Pensei um pouco a respeito e realmente, por conta da nossa diferença de idade (ele tem 63), seria bastante inusitado ele me dar uma cantada em outro contexto.

– Então, sou muito grato por poder ter você dessa maneira. – Ele finalizou. 

E eu também. Era muito grata por ter clientes tão gentis e queridos, assim como ele, que de alguma maneira ficavam ainda mais felizes com a minha presença. 😈 Nos beijamos para selar aquele momento de revelações íntimas e seguimos para o quarto, com passos curtos, já que ele continuava me abraçando ternamente por trás.

Já na cama, me deitou, nos despimos e começou a me namorar, deitado por cima de mim, beijando os meus seios e depois descendo para a minha menina. É gostoso ficar com ele. Sabe aquela pessoa que aprecia o seu corpo como se você fosse uma obra de arte? Me sinto uma boneca de porcelana nas suas mãos. Carinhoso, dedicado, que sente prazer em dar prazer. Me chupou mais do que qualquer outra coisa. E como no nosso primeiro encontro eu estava em período menstrual, agora ele conheceu a minha menina pela primeira vez. 🤗

Também o chupei depois, mas os meus mimos eram coadjuvantes perto dos carinhos dele. Enfim encapamos e ele veio por cima, no papai e mamãe. Rapaz disposto, começou na maior energia, mas como ninguém é de ferro, seu menino acabou ficando meia bomba após um tempo de atividade. Pedi que se deitasse, tirei a camisinha e voltei a chupá-lo, terminando por finalizar na mão, assim como no nosso primeiro encontro. ✊🏻💦

Durante a pausa conversamos bastante sobre algumas coisas do seu tempo de mocidade e certa altura, perguntei, um tanto receosa, se ele se importaria de reduzirmos o tempo do encontro de 2h para 1:30, já que acabei chegando um pouco atrasada e se eu fosse cumprir todo o horário combinado, correria o risco de não chegar a tempo para a minha aula.

Claro que, eu jamais proporia isso se ainda estivéssemos no fio da meada, mas ele parecia bastante satisfeito para engatarmos um segundo round. Dito e feito, ele foi super compreensivo e até destacou que eu estava fazendo o certo. Sua generosidade foi tanta que me acertou por 2h mesmo assim, que, obviamente, ficará de crédito para o próximo encontro! 😌

Repeteco com o Acolhedor!

Querido diário…

Esta é a primeira vez em que relato sobre um cliente começando pelo repeteco e não pelo primeiro encontro. 😄 Não que a nossa primeira vez não tenha sido legal o suficiente para eu escrever sobre, contudo, decidi avançar logo para o que fosse mais recente, revelando um pouco dos dois dates num só relato. 😌

Lhe dei esse apelido pois, desde o primeiro encontro, ele se mostrou muito afetuoso, se importando mais com o meu prazer do que com o de si próprio. Ele é alemão (mais um rs) e fala português com sotaque. Um charme. Tanto no primeiro, quanto no segundo encontro, o atendi no Hotel Pullman, onde ele estava hospedado. A propósito, adorei aquele hotel. A entrada e o saguão parecem uma balada, super descolado. 😎

Ele me aguardava na entrada e, assim como da última vez, subimos juntos para o quarto. Desta vez ele se hospedou numa suíte maior, parecia um apartamento. Fomos para o que seria a sala e em cima da mesinha me deparei com um presente. Uma deliciosa caixa de chocolates Lindt que comprou para mim! 🤗  – Foto abaixo tirada posteriormente na cama. –

Nos sentamos no sofá e trocamos alguns beijos entre uma conversa e outra. De repente, ele revelou o que tinha planejado para aquele encontro. Começou dizendo que faríamos uma “coisa diferente”, fazendo com que a minha curiosidade atingisse o nível máximo. Daí ele revelou querer começar o encontro com uma massagem. Titubeei um pouco, pois, se ele tivesse me avisado com antecedência, eu teria levado um creme. Porém, ele já tinha pensado em tudo e até comprou um óleo corporal da Johnson Johnson com um delicioso e suave cheiro de amêndoas. Mas, o que me surpreendeu mesmo não foi nem isso e sim ele complementar que a massagem seria em mim. Uau. 😯 Ouvir que eu seria massageada, naquele momento foi como se jogassem um chuva de pétalas sobre mim. 🥰

Mas antes que fôssemos para a cama, onde eu me deitaria nua esperando pelo toque das suas mãos, ele perguntou se eu fazia striptease, pois seria um ótimo jeito de eu me livrar da minha roupa. Eu costumo ficar sem graça fazendo striptease – mais atrapalhada do que sensual -, mas, não me neguei a tarefa. Fui buscar meu celular para colocar uma música condizente, que me inspirasse e a que escolhi foi essa:

Se ele tivesse me avisado com antecedência que ia me pedir essa façanha, eu teria ido com uma roupa que colaborasse. É muito difícil ser sexy tirando meias e calça extremamente justa. 😅 Procurei me movimentar no ritmo lento da música e quando enfim fiquei só de calcinha e sutiã, subi na mesa e fui até ele, me sentando em seu colo de frente para seu rosto, que me olhava de maneira indecifrável. Fiquei rebolando no seu pau, que ainda estava sob muitas camadas de tecido, e quando a música mudou a melodia em determinada parte, saí de cima dele como se aquele movimento fosse coreografado e voltei para a tarefa do strip (ainda faltava eu tirar a lingerie para ficar completamente nua).

Ameacei tirar a calcinha, mas, concluí que seria bem mais atiçador deixar o melhor para o final e subi com as minhas mãos para o fecho do sutiã, ainda que seus olhos continuassem estacionados na direção da minha menina, subindo para os meus seios somente quando esses já estivessem nus. Percebi uma ligeira surpresa passando pelo seu olhar. 😏 Na sequência, lentamente tirei a calcinha e então voltei para ele, me ajoelhando na sua frente. Começamos a nos beijar. E toda essa brincadeira durou exatamente o tempo da música, quatro minutos. E olha que eu nem havia ensaiado rs.

Fomos para o quarto, pediu que eu me deitasse de bruços e então iniciou a massagem. Com exceção  dos meus pés e rosto, todo o resto ficou coberto de óleo, até mesmo os meus cabelos ousaram entrar na brincadeira sem serem convidados. Foi uma delícia aquela massagem. A mais completa e duradoura dos últimos tempos. Começou pelas minhas costas, depois bunda, braços e pernas. Ao me virar de frente, massageou bastante os meus seios em vários momentos, para então repousar na minha menina. Fez alguns carinhos nela com a sua mão, como se ali também merecesse ser massageado e então pegou um brinquedo que ele também havia levado para apimentar o momento…

Não que eu não tivesse levado o meu, mas o dele tinha mais presença com esse tamanho todo. 😁 Começou na velocidade um, fazendo meu corpo inteiro ter alguns espasmos com aquela potente vibração íntima. Depois ele me mostrou que o acessório havia mais de seis velocidades, no entanto, não precisei de muito e já gozei na terceira. 🤤

Ele ainda quis continuar conduzindo o brinquedinho em mim por mais um tempo, o que não durou muito, pois fiquei sensível após a gozada. Foi então que pedi que se deitasse, pois era a minha vez de lhe retribuir todo aquele mimo – me referindo a massagem e não ao brinquedinho 😬 -. Ele topou e lá fui eu percorrendo os mesmos caminhos que ele percorreu no meu corpo. Lhe massageei por mais de meia hora, sem pressa, com a devida atenção e intensidade.

Quando se virou de barriga para cima, ao chegar no seu pau, ao invés de massageá-lo, preferi chupar, estava apetitoso, chamando a minha boca a todo momento. 😋 Após um tempo lhe paparicando, ao perceber que ele ficava gradativamente mais empolgado, interrompi. Voltei para a massagem, pois ainda faltava as suas pernas.

Quando estava quase terminando por completo, resolvi ir um pouco além do que ele foi comigo e peguei no seu pé, sendo surpreendida por uns tremeliques repentinos. Ele tinha cosquinhas. 🤣 E como eu não resisto a pequenas torturas, obviamente que lhe provoquei mais algumas vezes, principalmente quando ele menos esperava. 😈 Foi engraçado ver aquele homão sentindo cócegas rs. 😂

Ao terminar a massagem, voltamos a nos beijar e aí ele perguntou o que eu estava afim de fazer. Bom… Foram duas horas de muita massagem, estávamos caminhando para a nossa última hora juntos, só me vinha uma coisa na cabeça… “Quero sentir dentro”, falei de maneira sensual, bem baixinho. Ele então pegou sua Skyn, encapou e veio por cima de mim. E ao contrário do nosso primeiro encontro, ele gozou em pouco tempo. O que uma boa preliminar não faz, não é mesmo? 😏 – No nosso first date as preliminares foram mais conversas regada de um bom vinho. –

Ele trocou de camisinha rapidamente e tentou retomar, mas ninguém é de ferro, não é mesmo? E aos poucos seu menino teimou em cochilar. Interrompemos e ficamos deitados abraçados, um pouco em silêncio e aos poucos assuntos foram surgindo, desencadeando uma conversa gostosa. Foram três horas muito bem aproveitadas. 😊

Mensagens pós primeiro encontro. Muito contente com o seu feedback do meu livro. ❤️

Repeteco com o Excitável

Excitável

Querido diário…

Esse mês de agosto foi premiado, ressurgindo clientes das antigas que há muito tempo não saíam comigo. E esse é um deles. Cliente 274. Nosso primeiro e último encontro foi em novembro de 2017. Jamais imaginaria que rolaria repeteco quase dois anos depois!! (Ainda que durante esse tempo ele tivesse feito novas tentativas, sem sucesso.)

Combinamos de eu atendê-lo no hotel que ele estava hospedado, sendo o Mércure da Vila Olímpia. Que sensação gostosa reencontrar alguém conhecido. Ele me encontrou no saguão do hotel e subimos juntos para o quarto. Já dentro da suíte, não perdemos tempo e iniciamos a pegação. Após alguns beijos desceu para o meu pescoço e ficou neles por algum tempo. Logo mais tirei meu vestido, sutiã e ele foi para os meus seios. Foi se aproximando o momento de irmos para a cama.

Andei de ré para me sentar e tirar o sapato e foi nesse momento que percebi uma coisa engraçada. Não havia cama de casal e sim duas de solteiro. Seria desafiador transar ali. 😅 Deixei escapar um: “Cama de solteiro? Rs” e ele “Nem fala, fiquei puto quando cheguei aqui” rs. Já escolhi a minha cama preferida – do lado esquerdo, próximo da janela – e me deitei nela, à sua espera, que estava se despindo ainda. Nos espremendo naquela cama minúscula, me lembrei da minha adolescência, quando eu não tinha uma cama de casal para mim e me virava como dava rs. 😆

Em certo momento ele desceu para me chupar e quando retornou para a minha boca, veio com tanta sede ao pote que nossos dentes até bateram. Foi engraçado e acabei rindo, pois, ele se preocupou tanto que tivesse me machucado, sendo que doía mais nele do que em mim. 😁 O pior nem foi isso, quando fui me levantar para pegar o meu brinquedinho (ele estava sedento em assistir eu me masturbando), batemos nossas cabeças também. Tô falando que parecíamos dois adolescentes virgens e afobados! 😂

Mas antes de chegarmos nessa parte do encontro, também o chupei (só um beijinho rápido, ele tava a perigo e não me deixou continuar) e fizemos 69 de lado (nessa hora ele conseguiu se conter mais já que também estava trabalhando com a língua na minha menina 😏). Quando comecei a me masturbar para que assistisse, ele até parou de se masturbar, pois, só de me assistir já estava lhe dando o maior tesão (segundo relatou na hora rs). Daí ficou esfregando seu pau no meu corpo, mais precisamente na minha bunda e acreditem, ele gozou assim. 💦 Fique besta. E nem me sujou, ficou tudo lá no edredom da cama. Ele disse: “Ainda bem que eu tô dormindo na outra cama”. Olha aí a vantagem de terem duas de solteiro rs. 😏

Se banhou, conversamos bastante e então retomamos as preliminares. O chupei mais um pouco, peguei meu brinquedinho e na primeira menção de me masturbar de novo, ele ficou louco e pediu para transarmos. Menino encapado, fizemos de ladinho e gozou rapidíssimo. Rapaz fácil de excitar esse rs (por isso o apelido hehe). Me banhei depois e então parti, 1:30 passou mesmo muito rápido.

Repeteco com o Médico!

Médico

Querido diário…

Quase não acreditei quando recebi a mensagem dele. Isso porque, além de ser o meu cliente 69, fazia pouco mais de três anos que não saíamos. A última vez que nos vimos foi em março de 2016! 😯 E sempre fico maravilhada quando clientes antigos reaparecem. ❤️

Combinamos no mesmo hotel de sempre (Lido) e cheguei um pouco antes. O aguardei numa salinha, sendo logo resgatada quando ele chegou. Ao adentrarmos na suíte – não me perguntem o número, pois não lembro -, ele incorporou o adolescente na puberdade, me beijando loucamente e me prensando contra a parede. 😼 Estava eufórico, sedento e incansável. De repente me virou de costas e roçou seu pau na minha bunda, por cima da roupa, enquanto cafungava meu pescoço. Uma delícia, como podem imaginar. 😏

Fomos nos despindo mutuamente aos poucos, até que o sentei na beirada da cama, me agachei na sua frente e caí de boca no menino. 😋 Ali fiquei por alguns minutos, até que o acomodei melhor na cama, continuando a minha  tarefa. Depois de algum tempo ele disse que queria me chupar também, fazendo com que a minha menina também fosse paparicada. Não demorou muito para que transássemos. Infelizmente ele não gozou em nenhum momento, ainda que fizéssemos em várias posições. Se cansava e não alcançava.

Certa altura, enquanto papeávamos durante a pausa, lhe propus uma massagem tântrica, que eu ainda não tinha aprendido na época em que saíamos. Foi muito bom poder lhe proporcionar algo diferente, uma sensação que ele ainda não conhecia. Mas nem assim gozou, no entanto, lhe deu mais carga para uma nova transa e lá fomos nós mais uma vez. 😈 Eu por cima, de ladinho, papai e mamãe, percebi que ele quase gozou em um desses momentos, mas o cansaço lhe venceu. Uma pena mesmo. ☹️

Ao final de tudo lhe dei de presente o meu livro, conversamos bastante sobre o que aconteceu com cada um durante esse tempo e quando percebemos nossas duas horas juntos já estava encerrando. Espero que ele não suma de novo e volte mais vezes, maravilhoso lhe rever! ❤️

Repeteco com o Sugarman!

Querido diário…

Definitivamente abriu a temporada de repetecos! E se tem uma coisa tão boa quanto atender um desconhecido e sentir aquele friozinho na barriga, é atender aqueles que você já conhece. Que sabe do que gosta, como desenrola, como serão as sensações, os prazeres, enfim… repetecos são sempre muito bem vindos! 🥰

Novamente me serviu um vinho Moscatel –  ainda da mesma garrafa da última vez – e logo nos encaminhamos para a sala. Esse encontro foi de menor duração, comparado ao nosso primeiro, então não perdemos tempo. Poucas conversas, muitos beijos e rapidamente eu estava de joelhos com o seu membro na minha boca, permanecendo ali por tempo suficiente, até ele me pedir para sentar.

Com ele as transas são bem duradouras, então não pensem que quando eu disser que fui por cima, depois de quatro e gozou, que foi uma transa rápida. Em cada posição ficávamos uns bons minutos, tanto que quando ele atingiu o clímax, nos encontrávamos completamente suados, ofegantes e eu toda descabelada.

Fui me banhar, já me preparando para o segundo round, mas, quando voltei à sala, ele disse que estava satisfeito. Era a segunda vez que ele acabava com a brincadeira mais cedo após gozar rs. Desta vez me pagou proporcional ao tempo que ficamos, não sem antes me perguntar se tudo bem e sim, por mim estava tudo ótimo, eu precisava mesmo daquele tempo extra para não me atrasar para a aula (ainda assim me atrasei pouco mais de uma hora, por conta deste trânsito infernal de São Paulo). Muito bom revê-lo, num espaço tão curto de tempo. 😊

Todo engraçadinho

Repeteco com o Sadio!

Sadio

Querido diário…

A última vez que o encontrei foi em abril e que delícia poder revê-lo! 🤗 Tanto tempo que até tinha me esquecido de como ele é generoso. Logo que adentrei na suíte, me deparei com alguns presentes em cima da cama. 😍

E ainda que eu tenha trocado quase tudo – tanto a blusa, quanto o short ficaram grandes demais e o sapato preferi na cor preta  -, adorei demais o gesto! ❤️ Amei a lingerie bem ninfetinha e adorei as calças novas pela qual troquei. Obrigada mais uma vez Sadio! Sei que você está lendo isso. 😏

Provei tudo na mesma hora, que ele estava afoito para ver se tinha acertado nos tamanhos. E até tinha, era tudo P, mas o molde das peças realmente era gigante rs. Já a lingerie ficou perfeita. ❤️ Ele conhece bem demais o meu corpo. 😏 Dali já engatamos os beijos, comigo vestindo aquela lingerie de algodão branca com detalhes em renda rosa. Bem menininha, do jeito que ele gosta.

Ainda aos beijos caímos na cama. Permaneci com o sutiã, enquanto ele descia para tirar a calcinha que eu acabara de colocar. Me chupou deliciosamente, como sempre, seu oral é mesmo maravilhoso. Depois foi a minha vez e também me deliciei, até ele dizer que queria me sentir. Daí ele pegou a camisinha – sempre leva o seu preservativo preferido, Preserve Extra Sensitivity da embalagem azul clara cintilante (parece que tô fazendo merchan, mas é só para mostrar que me lembro dos detalhes 😬) -, passou um pouco de gel no seu pau antes de encapar – senão a camisinha te assa – e veio por cima.

Não foi preciso trocarmos de posição, a sua saudade estava tanta que gozou assim, mandando ver no papai e mamãe. Durante a pausa conversamos bastante, ele é muito falante, eu também, então já viu rs. Mas sobrou tempo para um segundo round. Em certa altura se lavou e voltei a chupar bem gostoso, até encaparmos novamente. Desta vez eu que fui por cima. Nesse momento tirei uma casquinha também e usei o meu brinquedinho vibratório clitoriano. Gozamos quase juntos, ele me esperou e então também foi. Uma hora e meia rendeu. 😄 Não nos restou muito tempo depois disso, então o jeito foi nos banharmos para irmos embora.

Muuuuitos dias depois, enfim consegui um tempinho para trocar as peças e aproveitei para fazer aquele registro. 📸

Repeteco com o Gostoso!

Que felicidade que me dá quando um cliente das antigas (bota das antigas nisso) me chama para um repeteco! 😍 Para quem não sabe, esse foi o meu quinto cliente! E apesar de não sairmos com tanta frequência quanto eu gostaria, é sempre maravilhoso quando ele me envia uma mensagem. ❤️

Suíte 115. Fechou a porta atrás de mim e já me agarrou. Me encostou na parede e dá-lhe beijos! 👄 Me despiu aos poucos, também tirei a roupa dele e o sentei na cama, me agachando na sua frente para abocanhá-lo. 😋 Não demorou muito até que me puxasse para mais beijos e pela forma como me interrompeu, entendi que era para não queimar largada rs. 😏

Daí me deitou na cama e desceu para a minha xaninha, seria a minha vez de ser paparicada. Que maravilha de oral! 🤤 Depois voltamos a nos beijar, dei mais uns beijinhos no seu pau delícia e então encapamos. Não houve variações de posições, fui por cima e ele gozou assim. Conversamos bastante durante a pausa e perto do tempo acabar, perguntei se ele ia querer de novo, mas disse que não. Já estava satisfeito.   Conversamos mais um pouco então e depois fomos nos banhar. Encontro de 1h.

 

Repeteco com o Extenuante!

Extenuante

Definitivamente eu não esperava que o nosso repeteco fosse acontecer tão rápido, após os quatro dias da viagem que fizemos. Será que eu fiquei contente sim ou com certeza?! 😛 Combinamos no motel Astúrias, suíte 42. Ele havia deixado a porta destrancada para mim e quando entrei, o flagrei tomando banho. 😏💦

Quando terminou, me grudou no quarto, como um namoradinho fogoso que há muito tempo não vê a sua putinha. Me encostou na parede e entre muitos beijos e amassos, despiu a minha roupa com visível desejo. Depois nos deitamos na cama, desci para seu pau e enquanto o chupava, ele sugeriu 69. Ficamos algum tempo naquela delícia, depois voltamos aos amassos e então encapamos.

Ele veio por cima e aconteceu algo que eu não esperava. Após um tempo transando no papai e mamãe, ele gozou! 💦 Quem acompanha o blog, sabe que esse cliente é um homem difícil na cama, foram poucas as vezes que ele gozou durante a penetração, sem precisar finalizar na mão (4x com essa, para ser mais específica) e sempre que acontece, me sinto imensamente feliz e satisfeita (tanto quanto ele rs). 😊

Durante a pausa, permanecemos na cama por alguns instantes, até que fomos aproveitar a hidro, por sugestão dele. Ficamos, pelo menos, uns 30 minutos relaxando na água. Ele, na verdade, não parava de mexer no celular, “B.O. no trabalho”, dizia ao mesmo tempo em que respondia suas mensagens.

Depois voltamos para a cama e trocamos muitas carícias. Estava tão aconchegante aquela troca de carinhos que quase cochilei. Mas, de repente, ele voltou a me beijar, me puxou para cima de si e após mais alguns beijos, desci para seu pau mais uma vez. Ele disse que queria me ver gozar, então peguei meu brinquedinho, encapei seu menino e fui sentando, ao mesmo tempo em que me masturbava. Gozei facilmente, já ele não conseguiu chegar lá, brincando que a segunda gozada só rolou quando era mais jovem rs.

Tentou finalizar na punheta. Lhe beijei e até me masturbei novamente (já que sei que ele sente muito tesão em assistir eu me tocando), mas a sua mão cansou. O chupei mais uma vez (enquanto me masturbava com o vibrador entre a sua perna e minha xana), gozei (outra vez), mas, realmente não rolou a segunda gozada dele. 😕 Depois fui para o banho e cada um chamou seus respectivos Ubers. Reencontro de 2h. ❤️